Ore como Jesus ensinou – Mateus 6.9-15

A oração é o bálsamo do cristão, o momento mais importante que temos, é quando somos totalmente vulneráveis, pois estamos na presença do Rei dos reis, Senhor dos senhores. A oração coloca-nos frente a face do Pai. Na oração é o momento que conversamos com Deus nosso Pai, neste momento os ouvidos e olhos do Senhor, do Pai, estão voltados para nós.

A oração é o momento extraordinário, no qual estamos em Sua presença, na presença do Pai. Jesus Cristo teve seu ministério marcado pela oração, ensina-nos a orar como deve, da forma que agrada ao Pai, é neste sentido que meditaremos no tema Ore como Jesus ensinou.

O evangelho segundo Mateus registra essa oração, demonstrando o propósito dela, a relação existente na oração entre o homem e Deus e Deus e o homem. O propósito desta meditação é orar como Jesus orou, neste sentido como discípulos de Cristo, orar como agrada ao Pai.

Jesus ensina seus discípulos a orar, não é uma oração para ser repetida como um mantra, o objetivo é nos ensinar, princípios acerca de quem é Deus e de quem somos nós. Na oração que estamos olhando, encontramos uma declaração que diz respeito ao ser a quem oramos. Jesus lança esses fundamentos, demonstrando que, devemos dirigir-nos, a Deus como Pai. Deus não é um ser distante, mas está perto de nós, como Pai. Ama-nos, conhece-nos, protege-nos, abençoa-nos. Devemos dirigir-nos a Deus como nosso Pai, o direito legítimo de chamar ao Deus de “Pai nosso”, é porque somos adotados, por intermédio de Jesus Cristo. Somente pelo Espírito Santo, o qual nos uniu a Cristo e promove nossa adoção à família de Deus, é que agora podemos dizer “Aba, Pai”. Somos membros da família de Deus. Somos irmãos uns dos outros. Somos filhos do mesmo Pai. Ao orar, é preciso lembrar que somos parte da família de Deus, constituída de cristãos de todo o planeta.

A grandeza do nosso Pai é insondável e sua glória incomparável. Ele é o nosso Pai que está no céu. Ele é elevado, sublime e glorioso. A maior satisfação do cristão é ter intimidade com Deus, essa intimidade conduzirá as nossas orações com conteúdo em relação a Deus. Antes de buscarmos nossos interesses ou mesmo pleitearmos nossas necessidades, devemos nos voltar para Deus a fim de admirá-lo, adorá-lo e exaltá-lo. O nome de Deus, leva-nos a orar pela santificação do Seu nome, pelo que Ele é. Deus é santo em si mesmo, e não agregaremos valor à sua plena santidade. Oremos para que o nome de Deus seja reverenciado, honrado, temido e obedecido. Ao adorá-lo, reconheceremos que Ele é Santo, Santo, Santo, nosso Deus é Santo, e neste sentido o desejo do cristão em oração é para que o reino de Deus venha até nós. O reino de Deus é o governo de Deus sobre os corações, a medida em que o evangelho é anunciado e os pecadores se arrependem e creem, seus corações são moldados e o reino de Deus vai alargando suas fronteiras. Nossa vida manifestará o reino de Deus neste mundo, quando o reino de Deus governar nosso coração. Quando o reino de Deus estiver em nossos corações e nosso maior desejo for em adorá-lo, nossa vontade será mortificada para fazer a vontade do nosso Deus, nosso Pai.

O extraordinário acontecerá quando em oração, desejamos intensamente que a vontade de Deus seja feita aqui na terra como é feita nos céus. A oração somente será poderosa quando o desejo estiver alinhado com os caminhos do Pai. Neste sentido, a vontade do homem torna-se irrelevante, pois a a vontade de Deus deve ser feita aqui na terra, este é o maior desejo no coração, de quem ama verdadeiramente a Deus. Sua vontade é boa, perfeita e agradável e deve prevalecer na terra.

Depois de rogarmos para que o nome de Deus seja santificado, que seu reino venha e que sua vontade seja feita, Jesus passa a ensinar-nos a rogar ao Pai por nós mesmos. Jesus ensina que não devemos pedir luxo, mas pão, não de forma egoísta, ou seja, o meu pão, mas, pedir o pão nosso, o pão de cada dia. Spurgeon diz que não pedimos o pão que pertence a outros, mas somente para o que é honestamente o nosso próprio alimento. A palavra “pão” aqui deve ser entendida como símbolo de todas as nossas necessidades físicas e materiais. Deus nos criou pelo seu poder, nos redimiu por sua graça e nos sustenta por sua providência.

Após adoramos ao Senhor, reconhecermos quem Ele é, somos levados a confiar na providência divina, colocamo-nos diante do Deus, nosso Pai, reconhecendo que somos devedores, temos dívidas impagáveis com Deus e não podemos saldá-las. Nossas dívidas são os nossos pecados. Precisamos não só de pão para o nosso corpo, mas sobretudo, de perdão para a nossa alma. Riqueza material sem perdão espiritual, condiciona a vivermos na miséria. Sem o perdão do nosso Pai, estamos sem esperança, nossas conquistas tornam-se vãs. Nossos pecados são redimidos pela misericórdia, benevolência, pela graça imerecida.

Jesus Cristo mostra-nos que o perdão divino a nós está condicionado ao perdão que concedemos ao próximo. O perdão vertical só acontece quando o horizontal é uma realidade. Quando o perdão horizontal é uma realidade, significa que somos chamados por nosso Pai. O perdão horizontal é uma evidência que recebemos o perdão vertical.

No evangelho segundo Mateus, encontramos na oração que Jesus ensina, um pedido quanto ao futuro. Somos ensinados a suplicar ao Senhor para livrar-nos da tentação. A tentação em si não é pecaminosa, mas, se cairmos em tentação, pecamos contra Deus, contra o nosso próximo e contra nós mesmos. Precisamos, portanto, rogar a Deus para nos livrar do mal, neste sentido, do maligno. Nossas tentações procedem do nosso coração corrupto e do tentador maligno.

Jesus conclui a oração como começou, com Deus declarando que a Deus pertence o reino. O reino é o domínio de Deus sobre seus súditos, o governo universal de Jesus Cristo em nossos corações. Somente Ele tem todo o poder, ou seja, a Deus pertence o poder, nos céus e sobre a terra. Seu poder é interminável, imaginável, ilimitado. Nada é impossível para Deus.

Reconhecer a Deus, nosso Pai, glorificá-lo é extraordinário, toda glória a Deus pertence para sempre, Deus não divide sua glória com ninguém, Ele tem glória em si mesmo, e toda a criação proclama a sua glória. Sua glória está em seu filho e também na igreja.

Que nossas orações se alinhem com os ensinamentos de Jesus Cristo, nosso Senhor e salvador. Que toda a honra, glória, louvor sejam dadas somente a Ele. Porque dEle, por Ele, para Ele são todas as coisas. Toda a glória seja dada a Ele, somente a Ele, hoje e eternamente.

Amém!

Aplicação para nossa vida.

Sabemos que Jesus Cristo ensinou que toda a glória pertence ao Pai, neste sentido, oremos como Jesus Cristo ensinou. Inicie a oração glorificando, reconhecendo, que somente Deus é Deus.

Entendemos que nossas orações tem que estar alinhadas com a vontade do nosso Pai, nosso Senhor Jesus Cristo, o Salvador, aquele que Deus dá a vida por nós, ensina que a oração está voltada para o único que é digno de toda honra, glória e louvor. Neste sentido ao orar, não peça glórias para si, como riquezas, ou coisas materiais, mas oremos, glorificando ao Pai e para que sejamos instrumentos no reino de Deus.

Façamos como Jesus Cristo ensinou-nos, inicie a oração glorificando ao Pai e termine glorificando ao Pai.

Rev. Cristiam Matos

Louvor a Deus – Romanos 11.33-36

O apóstolo Paulo quando escreve esse trecho da carta aos romanos destaca algumas preciosas informações para nós, a saber, a teologia precisa transformar-se em doxologia conforme apresenta-nos aqui no 11.33–36. Paulo passa da teologia para a doxologia, da doutrina para o louvor, do argumento para a adoração. Neste sentido, entenda que não separaremos a teologia, ou seja, nossa crença em Deus, da doxologia, significa o nosso culto a Deus. O apóstolo Paulo está orientando que não pode haver uma teologia sem devoção, assim como uma devoção sem teologia. As coisas profundas de Deus devem levar-nos à adoração, assim como a adoração leva-nos a desejar conhecer profundamente ao Senhor. O estudo da teologia leva-nos à compreensão de que Deus não pode ser plenamente compreendido por nossa mente finita, mas leva-nos a adoração ao Deus criador de todas as coisas. Movido pela Palavra e pelo Espírito do Senhor, sentindo-se finalmente dominado pela sublimidade de tão profundo mistério, o apóstolo nada mais pode fazer senão ponderar e exclamar que as riquezas da sabedoria de Deus são demasiadamente profundas para que nossa razão seja capaz de sondá-las. Paulo está bem certo de suas palavras, ele está exaltando as profundas riquezas da sabedoria e do conhecimento de Deus.

Paulo descreveQuão insondáveis são seus juízos”, tais palavras expressam o sentido de ordenanças divinas ou a maneira divina do agir, o governar de Deus, essa exclamação exalta ainda mais o mistério divino. O Pai revelou-nos o Seu ser na Escritura sagrada, note que ele não pretende discutir aqui todos os mistérios de Deus, mas somente aqueles que se acham escondidos em Deus, e mediante os quais Deus deseja que o admiremos e o adoremos.

Paulo restringi a presunção humana, como se pusesse sua mão sobre os homens com o fim de detê-los e impedi-los de murmurarem contra os juízos divinos. A pergunta “Quem conheceu a mente do Senhor?”, constrange o homem, pois na nossa finitude e tão desprovimento de conhecimento perto de Deus, mostra-nos que não conhecemos a mente dEle. Observe que ele utiliza dois meios para restringi-los:

  1. Todos os seres humanos se acham, por sua cegueira, completamente impedidos de fazer, por seu próprio critério, um devido exame da predestinação divina.
  2. Não existe nenhuma razão para nos queixarmos de Deus, não há indivíduo que possa pretender que Deus lhe seja devedor. Todos somos endividados em relação à liberalidade divina.

A predestinação divina ensina que os homens não podem discernir mais do que é possível a um cego na escuridão. Estas palavras, contudo, têm muito pouco suporte para que nossa fé não se definhe, visto que ela não tem sua origem na perspicácia do intelecto humano, e sim, tão-somente na iluminação do Espírito. O apóstolo Paulo afirma que todos os mistérios divinos se acham muito além da compreensão de nossa capacidade natural. Para compreendermos uma pequena parte da mente de Deus, poderíamos dizer uma ínfima parte, necessitamos da compreensão concedida por intermédio do Espírito Santo. Neste sentido que Paulo prossegue escrevendo em sua 1 Coríntios 2,12-16 que os crentes compreendem a mente do Senhor, pois não receberam o espírito do mundo, mas, sim, o Espírito que é outorgado por Deus, por meio de quem aprendem que, de outra forma, a benevolência divina lhes seria inacessível. É somente pela Graça divina que recebemos.

O ser humano não tem capacidade legal, em nossas próprias faculdades, para investigar os segredos divinos, assim chegamos a um claro e seguro conhecimento deles pela instrumentalidade da graça do Espírito Santo. A capacidade de compreensão sobre Deus, é concedida ao homem através do Espírito Santo. Nosso dever é deixar-nos guiar pela orientação do Espírito, então devemos ficar e permanecer onde Ele nos deixar. Ninguém conhece mais do que o Espírito lhe haja revelado, o mesmo acabará sendo fulminado pelo imensurável fulgor dessa luz inacessível.

O conselho de Deus, Sua vontade, Seus caminhos foram revelados na Escritura, neste sentido o que está escrito cabe ao homem conhecer. Ainda que toda a doutrina da Escritura exceda, em sua sublimidade, ao intelecto humano, todavia os crentes que seguem o Espírito como seu Guia, com reverência e circunspecção, não são proibidos de ter acesso à vontade divina. Entretanto, outro é o caso em relação a seu conselho oculto, cuja profundidade e cuja altura não temos como atingir através de nossa investigação.

O conhecimento de Deus se refere ao todo-inclusivo e exaustivo entendimento de Deus, e a sabedoria fala sobre o arranjo e a todas as coisas para o cumprimento de seus santos propósitos. A sabedoria de Deus planejou a salvação e foi sua riqueza que a concedeu-nos, pela sua maravilhosa Graça, os juízos de Deus são profundos e insondáveis. Seres tão ínfimos em conhecimento e finitos como nós, não penetraram nas profundezas desses caminhos inescrutáveis.

O apóstolo defende a justiça divina contra todas as acusações dos ímpios através da pergunta: “Ou quem primeiro lhe deu a Ele?”. Esta pergunta está profundamente relacionada ao viver debaixo da vontade de Deus, confiando que jamais receberemos algo do Senhor por merecimento, mas o recebemos pela Sua boa e agradável vontade. O significado das palavras de Paulo consiste em que Deus não pode ser acusado de injustiça, a não ser que seja Ele convencido de não haver retribuído a cada um o que lhe é devido. Não obstante, é evidente que Deus não priva ninguém de seus direitos, visto não ser Ele devedor a alguém. Quem é capaz de ostentar alguma obra propriamente sua pela qual se acha merecedor do favor divino, ninguém é capaz de cobrar a Deus por nada, a escritura ensina-nos que somos merecedores de nada, aliás somente cabe a restituição da condenação. A maravilhosa Graça concedida aos escolhidos do Senhor nos é dada pela benevolência do Pai e não por merecimento humano. Não que se acha em nosso poder exigir que Deus nos conceda a salvação, com base em nossas obras, ao contrário, Ele antecipa sua benevolência sem qualquer mérito de nossa parte. Ele nos mostra não só o que os homens têm por hábito fazer, mas também o que eles são capazes de fazer. Caso queiramos fazer um honesto exame de nós mesmos, então descobriremos não só que Deus de forma alguma nos é devedor, mas também que todos nós somos passíveis de seu justo juízo. Somos não apenas destituídos do merecimento de qualquer favor de sua parte, somos mais que merecedores de morte eterna.

Deus não nos deve nada em razão de nossa natureza corrupta e depravada e também assevera que, mesmo que o homem fosse perfeito, ainda assim não poderia apresentar nada a Deus. O homem a luz da própria lei da criação já se vê tão endividado em relação a seu Criador, que nada consegue divisar que seja propriamente seu, neste sentido, fracassaremos caso nos esforcemos em privar a Deus do direito de agir soberanamente, como bem lhe apraz, com as criaturas que ele criou para si, como se isso fosse uma questão de débito ou crédito mútuo.

O apóstolo Paulo finaliza com a sublime declaração, Porque dele e por meio dele e para ele são todas as coisas.” Encontramos uma verdade expressa nestas palavras, mostra-nos quão longe estamos de vangloriar-nos, isso demonstra de forma clara nossa incapacidade. Visto que fomos criados por Deus, a partir do nada, e agora o nosso mesmo ser depende dEle, conclui-se ser justo que nosso ser seja orientado para Sua glória. Quão absurdo seria que as criaturas, a quem Ele formou e sustenta, possuíssem algum outro propósito que não fosse a manifestação da glória de seu Criador. A suma do argumento consiste em que toda a ordem da natureza seria invertida caso o mesmo Deus, que é o princípio de todas as coisas, deixasse de ser também o fim. Neste sentido de forma extraordinária encontramos que Jesus Cristo é o começo, o meio e o fim, por isso “A Ele seja a glória para sempre”.

A glória do Senhor deve permanecer inalterada em toda e qualquer parte, Deus, com justa razão, reivindica para Si autoridade absoluta, e que nada, além de sua glória, deve ser buscado na natureza humana e no mundo inteiro. Segue-se que são totalmente absurdos, irracionais e deveras insanos aqueles conceitos que são engendrados com fim de desvalorizar o mérito, a importância da glória divina.

A luz desses versículos concluímos que cabe somente a Jesus Cristo, toda honra, toda a Glória e todo Louvor. Somos criaturas com a finalidade de louvá-lo, adorá-lo, glorificá-lo, hoje e por toda a eternidade.

Uma aplicação para nossas vidas, busquemos adorar ao Senhor como servos fiéis unindo a teologia com a doxologia, ou seja, o desejo incansável de conhecer ao Senhor da Escritura Sagrada, mas com adoração e louvor.

Ele é o começo, o meio e o fim, louvado seja o Senhor!

Uma boa semana a todos.

Rev. Cristiam Matos

 

Passar por cima.

No livro do Êxodo no capítulo 12.1-51 encontramos a instituição da Páscoa, neste capítulo encontramos na noite a morte dos egípcios e a libertação dos hebreus. De forma clara observa-se a diferença entre o juízo e o livramento,  a morte e a vida, a condenação e a salvação, isso tudo através do sangue do cordeiro.

Israel estava a 430 anos em escravidão, o povo clamava por misericórdia, pela libertação, o trabalho era pesado, amargo. Faraó com o seu coração endurecido não libertava o povo. Moisés procurou faraó e levou o recado de Deus, “Deixe Meu Povo Ir”. Faraó ao receber o recado, oprime o povo ainda mais. Deus ao endurecer o coração de Faraó, enviou 10 pragas ao Egito, entre as pragas os primogênitos dos egípcios foram mortos, o Senhor abalou as pirâmides do Egito, quebrou o orgulho do Faraó, exerceu juízo sobre os deuses daquela nação.

A Páscoa foi o dia da independência de Israel, a noite do terror dos  egípcios foi a noite de libertação do povo de Deus. A mesma mão que feriu uns, resgatou também os escolhidos do Senhor. O Senhor ordenou que o povo passasse um pouco de sangue nas laterais e nas vigas superiores das portas das casas nas quais eles comeram o animal, assim o anjo que veio matar o primogênito passaria por  cima daquelas casas e não levaria o primogênito. A Páscoa trouxe unidade para Israel, salvação para os seus filhos e libertação do cativeiro. O povo agora estava livre para servir a Deus.

A Páscoa marca o começo, a redenção, a salvação, glorificação ou seja o que há por vir. Deus ao ordenar que os Israelitas aspergissem o sangue sobre as portas e as laterais, não tinham sido libertas, mas eles festejam o que ainda aconteceria, por isso a Páscoa nos lembra o que Deus fez e causa esperança no que há por vir.

A Páscoa é o começo de uma nova vida para o povo de Deus, a partir dali deixaram de ser escravos do Egito para serem peregrinos em direção a terra prometida. A  Páscoa revela que a família está no centro do projeto de Deus, por esse motivo a família celebra junta conforme registro no 3 versículo de Êxodo 12.

Deus salva Seu povo através do cordeiro que foi morto, o cordeiro representa a Cristo Jesus, o Messias, o filho do Pai. O cordeiro não poderia ser um com defeito, ele tinha que ser perfeito, a morte do cordeiro perfeito, sem mácula, aquele que nunca pecou, foi Cristo Jesus. Não foi a vida do cordeiro que salvou, não foi o exemplo do cordeiro que redimiu, não foi a presença do cordeiro na família que livrou-os da morte, mas, foi a morte do cordeiro, a morte de Jesus Cristo que nos trouxe a salvação. Sem derramamento de sangue não há remissão de pecados.

O sangue tem um significado muito importante é sinal da distinção, salvação e segurança. O que distinguia os egípcios dos israelitas naquela noite era o sangue, isso significa que existiam apenas dois grupos, aqueles que foram comprados pelo sangue da redenção e os que estão condenados por viver em pecado sem a remissão. O sangue foi o sinal da salvação, os anjos encontravam o sangue e ali não entravam para ceifar a vida do primogênito.  Somente o sangue do cordeiro pode salvar, e pode conceder-nos segurança. A morte de Cristo na cruz, traz perfeita segurança aos que são chamados pelo Senhor. Todo aquele que for salvo pelo sangue do cordeiro, alimenta-se do cordeiro, fora livrado da morte e do cativeiro.

O cordeiro não está no sepulcro, Ele vive e está sentado à direita do Pai, nosso Senhor qual fora morto, venceu a morte, está vivo, o sepulcro está vazio, Ele deu a sua vida, para que nós tenhamos vida. O Deus verdadeiro, único Deus entregou seu único filho para que nós tivéssemos vida, todas as gerações conhecem a Cristo e obtém a salvação, por crer nEle.

A Páscoa que celebramos é a Páscoa do Senhor, aqui em Êxodo 12 por 17 vezes o nome Senhor é mencionado, Ele é o centro da história da redenção, nosso Senhor revela o seu poder, Ele é o redentor para o Seu povo e o juízo para os ímpios. A morte não respeitou, idade, posição social, grau de instrução, os Israelitas não experimentaram a morte por estar debaixo do sangue do cordeiro.

A Páscoa deve levar-nos a mais profunda investigação em nossas vidas, com o intuito de saber se de fato todos os membros da família estão debaixo do sangue, leva-nos a um compromisso familiar de explicar para os nossos filhos o que Deus fez por nós. A Páscoa leva-nos para um único objetivo, à verdadeira e plana adoração ao Senhor.

Entenda que sem Cristo Jesus estamos condenados e não existe salvação para os que estão fora do cordeiro santo, que todos nós estejamos debaixo do sangue do cordeiro  e vivamos o momento em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em Espírito e em verdade.

Que o Senhor o abençoe ricamente. Feliz Páscoa a todos os filhos do Senhor!

Jesus Cristo é o nosso Senhor e Salvador, toda a glória, louvor e honra seja dada somente a Ele!

Que o Senhor nos fortaleça e pareçamos cada dia mais com Jesus Cristo.

Que a Graça do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão com o Espírito Santo esteja, concedendo-nos um coração como ao de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.

Que o Senhor nos fortaleça!

Para onde irei após a morte?

Há muitas ideias sobre o que acontece quando morremos. Uns dizem que todos são aniquilados. Outros, que todos vão para o céu. Outros ainda acreditam num lugar onde as almas pecadoras se preparam e se purificam para o céu. Para o cristão que tem a bíblia como sua regra de fé e prática, ao buscar na escritura, não há nada na Bíblia que dê apoio a qualquer destas ideias.

A bíblia apresenta-nos duas alternativas de continuidade de vida após a morte:

  1. Presença de Deus Eterna (salvação eterna).
  2. Ausência de Deus Eterna (condenação eterna).

Neste sentido temos à seguinte conclusão, com Cristo, salvação, sem Cristo, condenação. 

  1. Presença de Deus Eterna

Nesse caminho estão os que tiveram seus pecados perdoados. Eles serão bem-vindos ao céu e passarão a eternidade na gloriosa presença de Deus. O desejo do cristão é estar na presença do Senhor para adorá-lo. Aqueles a quem o Senhor chamou, tem o desejo no coração de adorar ao Senhor hoje e por toda a eternidade. Essa adoração não vem por obrigação, mas, um desejo incomparavelmente inexplicável. Algo tão intenso que todas as forças estão voltadas para o Senhor.

Alguns textos bíblicos apontam para o gozo da presença de Deus, já a partir da morte dos que, em Cristo, tiverem seus pecados perdoados. O Senhor Jesus, enquanto estava sofrendo a morte de cruz, disse a um dos ladrões que estavam sendo crucificados com Ele:

“Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.”, conforme registro no evangelho de Lucas 23.43, três versículos após Depois, “clamou em alta voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito! E, dito isto, expirou.” Lucas 23.46

Não é interessante pensar que Jesus garantiu que o ladrão perdoado estaria com Ele no paraíso, e logo se entregou à morte e foi para o Pai?

Que ensino extraordinário, confortante!

Jesus foi para os braços do Pai e recebeu também o pecador perdoado!

O apóstolo Paulo declarou em Filipenses 1.21,23: “Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro.” “Ora, de um e outro lado, estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor.” De acordo com Paulo, “partir” (que no caso aqui significa morrer) era partir para estar com Cristo imediatamente.

Portanto, se o pecador tem o relacionamento correto com Deus, ou seja, se o pecador foi perdoado de seus pecados, e isso, só é possível por meio da obra de Jesus Cristo realizada na cruz do Calvário. Quando Cristo carregou sobre si os pecados, então esse pecador perdoado, ao morrer, passa imediatamente a desfrutar da presença gloriosa de Deus, aguardando o dia da ressurreição para sua glorificação final.

Para esses salvos no Senhor Jesus Cristo, no Dia do Juízo Final, seus nomes estarão escritos no Livro da Vida, somente o nome, sem seus pecados. Eles não serão julgados com respeito à condenação, pois Cristo já foi julgado e condenado em lugar deles.

Glórias ao nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo! 

  1. Ausência de Deus Eterna

Aqueles que não tiveram seus pecados perdoados, que não foram redimidos, não creram em Jesus Cristo, como seu Senhor e Salvador, estarão longe, fora da presença gloriosa de Deus. Nesse caminho estão os que não tiveram seus pecados perdoados, culminará na eterna tristeza, ausência da graça, na escuridão total. A Bíblia chama esse lugar de inferno.

O inferno não é uma coisa inventada pela igreja para colocar medo nas pessoas com a intenção de ter domínio e controle sobre elas, mas uma realidade apresentada por Jesus e outros textos bíblicos.

Encontramos a afirmação do próprio Jesus registrado no evangelho segundo Marcos 9.42-48 que se a mão, ou o pé, ou um dos olhos faz alguém tropeçar, é melhor cortar a mão, ou o pé, ou ainda arrancar o olho que está fazendo tropeçar, pois é melhor entrar na vida sem uma mão, ou sem um pé, ou sem um olho, do que ser o corpo todo lançado no inferno.

Obviamente, esse ensino de Jesus não deve ser tomado literalmente, pois não adianta arrancar um olho para não ver algo que o faz tropeçar, e continuar pensando na mesma coisa que o faz tropeçar. Jesus estava se referindo a deixar de fazer, deixar de andar por aquele caminho, ou ainda deixar de olhar, isso significa que é para cortar da vida o que lhe faz tropeçar. Cortar pela raiz o que lhe faz tropeçar e lançar fora, jogar fora.

O Senhor Jesus revelou ao apóstolo João que no Dia do Juízo Final todos comparecerão diante de Deus, para serem “julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros.”  Conforme registro no livro do Apocalipse 20.12.

Mas o que tem registrado nos livros?

As obras pecaminosas de todos os pecadores. Eles serão julgados e condenados eternamente por todos os seus pecados, nenhum escapará, as ações, os pensamentos, os segredos mais ocultos, nada escapará do julgamento perfeito de Deus.

O pecador não perdoado de seus pecados carrega sua conta, seu débito, sua própria condenação para o túmulo, e a partir da morte já experimenta a ausência de Deus, embora fica também aguardando o Dia do Juízo Final, onde a condenação será, finalmente, declarada e ordenada.

Conforme a pergunta inicial, Para onde iremos após a morte?

Essa pergunta só pode ser respondida em duas perspectivas:

  1. Iremos com Cristo para a presença de Deus, por toda a eternidade, isso significa a salvação.
  2. Iremos sem Cristo para a ausência de Deus, por toda a eternidade, isso significa a condenação.

João no 3.18 registra de forma extraordinária o que Jesus Cristo concede para aquele que crê nEle.  “Quem nEle crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.” 

Que o Senhor alcance os Seus e conceda-nos um coração cheio de desejo para buscá-lo e viver nEle.

Toda honra, Glória e louvor seja dada somente a Jesus Cristo, nosso Senhor e salvador!

 

Uma boa semana a todos.

Rev. Cristiam Matos.

A Parábola do Grão de Mostarda

A Parábola do Grão de Mostarda

“Jesus lhes propôs outra parábola, dizendo: O Reino dos Céus é semelhante a um grão de mostarda, que um homem pegou e plantou no seu campo. Esse grão é, na verdade, a menor de todas as sementes, mas quando cresce, é maior do que as hortaliças, e chega a ser uma árvore, de modo que as aves do céu vêm se aninhar nos seus ramos.” Mateus 13.31-32

A parábola que encontramos registrada no livro segundo Mateus no décimo terceiro capítulos nos versículos trigésimo primeiro e trigésimo segundo, descreve o começo do Evangelho, do ministério da palavra, da graça de Deus nos corações de seu povo e do pequeno número dos discípulos que seguiam a Jesus.

O Evangelho e seu ministério eram como um grão de mostarda pequeno, pouco, desprezível e quase imperceptível. O seu autor, Jesus Cristo, era visto assim pelos judeus, ao olhar para Ele que nasceu em uma pequena vila de Belém, seus pais não eram conhecidos ou seja anônimos. Os fariseus olham para Cristo como alguém que salva pecadores, isso era contrário a doutrina deles.

Os pregadores deste Evangelho eram vistos como pessoas de vida pequena, muito má e baixa, fracas, não merecedores de atenção. As circunstâncias que envolviam  o Evangelho foram muito desencorajadoras, como a pregação era contrária a doutrina vivida, eles sofreram grande perseguição, onde quer que fossem.

Mesmo em meio a tantas truculências impostas aos discípulos, esta pequena semente tornou-se uma grande “Árvore” conforme o Evangelho Segundo Lucas no décimo terceiro capítulo e versículo décimo nono.

A semente fora plantada da mesma forma que é plantada a semente da mostrar, uma semente de mostarda de aproximadamente dois milímetros e o pé adulto chega perto dos três metros de altura, neste sentido o evangelho começou pequeno e pela misericórdia do nosso Senhor, tem tomado proporções jamais vista pela humanidade.

A graça do nosso Senhor, O Deus Pai, que sob o ministério da palavra é plantada no coração do povo do Senhor, dos seus escolhidos, predestinados, é como um grão de mostarda, um começo pequeno, criando raízes profundas e crescendo com o passar do tempo.

A igreja de Deus, que surge sob o ministério da palavra, e através da obra da graça, sobre o coração de pessoas particulares, é como o pequeno grão de mostarda; as pessoas das quais ela consistia eram poucas em número no tempo de Cristo, e em sua ascensão ao céu, e quando o Evangelho foi pregado pela primeira vez  entre  os  gentios, e as  pessoas  que lançaram os alicerces, e estavam no início da igreja evangélica, formaram uma figura muito desprezível, em razão de sua pobreza externa e das más circunstâncias do mundo, por causa das severas perseguições que todos os lugares os assistiam e também através dos erros e heresias introduzidos pelos homens maus, que surgiram entre eles. Mas, quando cultivado, torna-se a maior dentre as ervas, uma grande e sombreada árvore.

Neste sentido, um dia nós teremos plena segurança, teremos a estatura de um varão perfeito e à medida da estatura da plenitude de Cristo para a glória de nosso Senhor, O Deus Pai. O início do Reino dos céus é pequeno, mas, o fim será glorioso!

Louvado seja o nome do Senhor e Salvador Jesus Cristo!

Que o Senhor esteja no centro de sua vida e vivamos para adorar ao Senhor.

Rev. Cristiam Matos

Qual o seu Alvo?

O Apóstolo Paulo desde o início de seu ministério tem seus olhos voltados, fixos em Jesus Cristo, seu maior objetivo, seu alvo é o Senhor. A vida cristã é um processo intenso de santificação dia após dia, nunca seremos capazes de agradar ao Senhor, porém, em Jesus Cristo nós seremos santificados, não porque somos capazes, mas porque Cristo nos concede essa graça de tornar a cada um de nós cristão santos através de sua obra na cruz.

Na corrida espiritual, o alvo é Cristo, ou seja, a perfeição ético-espiritual está nEle. O apóstolo Paulo desejava de todo o seu coração, ser completamente libertado do pecado e parecer-se com Cristo, por isso seus ensinamentos estão pautados no Senhor. Ele procurou ardentemente manifestar a glória de Deus, por todos os meios ao seu alcance, como um testemunho vivo a todos os homens, para que de todos os modos, pudesse salvar alguns.

Um atleta tem seu foco na linha de chegada, quando finda a corrida o vencedor é convidado a comparecer diante do juiz a fim de receber o prêmio. Na história antiga, em Atenas, o vencedor olímpico recebia a soma de 500 drachmai, sentava-se em lugares de primeira classe no teatro.

Paulo ao declarar que prosseguia rumo ao alvo, está afirmando que precisamos ser santos, buscando a Cristo, ser parecidos com Cristo, testemunhar a Cristo. Deus nos disse sede santo porque Eu Sou Santo. Não obstante, o prêmio que corresponde a esse chamado, é outorgado quando a carreira terminar e for apontado o vencedor. Paulo, junto com todos os santos, é chamado do céu para o encontro do Senhor nos ares e permanecer ali para sempre com Ele na nova terra e novo céu.

Esse chamado celestial, a vocação santa, só é possível em Cristo Jesus. Sem Ele, esse chamado jamais seria feito nem obedecido. Seu sacrifício expiatório, seu prêmio glorioso, ao qual o chamado conduz, jamais poderia ser outorgado.

O alvo aponta para Jesus Cristo, a perfeição nEle. Essa perfeição é considerada como o objetivo do esforço humano e o prêmio qual Paulo coloca, é o dom da soberana graça de Deus. Deus concede vida eterna àqueles que se esforçam por alcançá-la. Ainda que seja verdade que esta fé e este esforço são do começo ao fim completamente dependentes da graça de Deus. Deus nos concede o dom da Fé, para crermos em Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador. O Espírito Santo que habita em nós, conduz nosso ser para dia após dia louvor e bendizer ao Senhor através de nossas vidas. Uma vida dedicada a conhecer ao Senhor e testemunhar o evangelho, resume em ser, discípulo de Cristo, orando, estudando a palavra e vivendo a palavra.

Quando o Cristão tem seus olhos em Cristo, ou seja, Ele sendo o alvo, o desejo será de ser igual ao Senhor, para pregar o evangelho. O alvo absorve a atenção durante a corrida que está sendo feita, o prêmio fixa a atenção na glória que começará na nova terra e no novo céu.

Com esse glorioso prêmio em mente, a saber, as bênçãos da vida eterna, tais como a perfeita sabedoria, o gozo, a santidade, a paz, a comunhão, tudo desfrutando para a glória de Deus, num maravilhoso universo restaurado, e na companhia de Jesus Cristo e de todos os santos. Paulo prossegue rumo ao alvo.

Todos os que amam a vinda de Cristo são vencedores, todos ganharam o prêmio por possuir a mesma disposição de Paulo e por se conduzir em harmonia com essa disposição.

O Apóstolo Paulo diz que o alvo, o prêmio da soberana vocação, ou seja, a nossa vontade vem de um convite irresistível da parte Deus para nós, é Deus quem nos chama e capacita a realizar as ações que vão contribuir para o nosso bem e para o bem da Igreja como um todo, há uma recompensa prometida, não vamos à luta sem meta e sem propósito, mais há uma promessa de Deus para nós.

Essa promessa está firmada em Jesus Cristo, nosso Senhor e salvador. Um dia Jesus Cristo virá buscar-nos e iremos para o céu, estaremos diante do justo Juiz e receberemos o maior prêmio que existe, a Salvação dada por intermédio de Jesus Cristo.

Louvado seja o nome do Senhor!

O alvo de Paulo é Cristo, qual o seu alvo meu amado irmão?

 

Uma boa semana a todos.

Rev. Cristiam Matos.

A Caminho do Ano Novo

Refletiremos essa manhã no tema; A Caminho do Ano Novo. A cada doze meses, um ciclo se completa e então inicia-se um ano para percorrer, por mais doze meses. Não estamos pensando no que já passou, mas no porvir, para isso necessitamos de planejamento e disciplina para completar nossos objetivos traçados. A título de ter disciplina, usaremos Noé, quando Deus ordenou que ele construísse a arca, ele teve que traçar uma meta, ter disciplina e perseverar para cumpri-la, imagina o quanto foi difícil para ele construir uma arca, e mesmo assim alcançou o objetivo traçado. Salomão escreveu em provérbios 16.1; “O coração do homem faz planos, mas a resposta certa vem dos lábios do Senhor”, tudo o que faremos é colocado na presença de Deus, para andarmos no centro da vontade do Pai. Neste sentido estabelecer uma meta é muito importante. Assim como planejar nosso ano é importante, precisamos iniciar com a primazia de nossas vidas, a maior meta a ser traçada, nossa vida com Deus. Metas na vida de um homem de Deus, como o apóstolo Paulo era um servo do Senhor com metas, conforme registro em sua primeira carta aos Coríntios 9.26; “Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar.”; Filipenses 3.14; “Prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” Paulo tinha suas metas como vida Cristã, neste sentido pergunto: Qual é sua meta na sua vida cristã? O que você estabeleceu de meta para sua vida cristã?
Se não estabeleceu, estabeleça, coloque algumas metas, estude mais a bíblia para maior compreensão dela. Converse com Deus, faça jejum, coloque em suas metas, Jesus Cristo para andarmos mais próximo dEle. Nós somos discípulos de Cristo e queremos intimidade com Senhor para parecermos mais e mais com nosso Senhor e Salvador.
Nós precisamos de disciplina em tudo que queremos alcançar, para que um aluno passe na escola ou na faculdade, tem que ter disciplina com seus estudos, um atleta precisa de disciplina em seus treinos, um bom músico precisa de disciplina, em seus estudos e treinos. Em tudo na vida é necessário ter disciplina, para que seu objetivo seja alcançado. Na vida de homens de Deus, vemos precisamos ter disciplina.
Paulo, o apóstolo, servo de Cristo Jesus em sua primeira carta aos Coríntios 9.25,27, “Todos atletas em tudo se domina; aquele para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível. Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado.” Para que nossa vida cristã prosperar, precisamos ser disciplinados, na leitura da palavra, na oração, no jejum, na busca da santificação, estar sempre próximo de Cristo Jesus, buscando a Ele. Mas lembre-se que disciplina não é legalismo, disciplina é compromisso, é levar as coisas a sério, é não brincar em serviço, é não brincar de ser cristão, é pregar e viver o verdadeiro amor, disciplina é o caminho para o crescimento e a maturidade cristã. A vida cristã com alvo e determinação centrada em Cristo Jesus torna-se perseverante. Os objetivos traçados são longos e árduos, passando por várias fazes, em algumas parece que tudo está perdido, nos falta forças para dar continuidade, mas se formos perseverantes, alcançaremos a coroa da salvação que encontramos apenas em Jesus Cristo. Na escritura sagrada encontramos várias histórias de pessoas que foram perseverantes, e temos vários motivos para perseverar, como escrito no evangelho segundo Mateus 24.13, “Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo”, em Romanos 12.12, “regozijai – vos na esperança, sede paciente na tribulação, na oração, perseverantes;” em Atos 2.42, “E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações.”, em Apocalipse 2.10, “Não temas as coisas que tens que sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes posto à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.” A vida cristã não é daqueles que começam, mas sim daqueles que terminam, assim como o apóstolo Paulo registra em sua segunda carta a Timóteo 4.7-8, “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quanto amam a sua vinda.”
Na busca dos nossos ideais, metas, precisamos ser perseverantes, não devemos desanimar, sermos pessimistas, é preciso seguir em frente, às vezes será sangue (dor), suor, lágrimas, mas se lembre que vale apena perseverar. Perante tudo o que foi visto até esse momento, nos perguntamos, como isso é possível, a resposta está no livro de Isaías 41.10, “Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel.”
Nosso Senhor, é nossa força, quando estamos em Cristo Jesus, somos fortalecidos, sustentados, cuidados por Cristo Jesus. Neste ano que inicia, procure viver em Cristo, para Cristo, somente por Cristo. Nossos dias estão voltados para agradar o nosso Senhor, qual um dia estaremos com Ele, louvando e glorificando Seu Santo nome, por toda eternidade. Pense que dia glorioso será quando Cristo voltar e disser, entre venha partilhar do pão. E todos em uma só voz iremos glorificar com as palavras; Santo, Santo, Santo é nosso Senhor e salvador!
Cristo Jesus é nosso sustento, o único caminho para eternidade, aquele que crer em Jesus Cristo, esse será salvo no Senhor. Que Deus abençoe o ano que entra e que sua maravilhosa graça nos fortaleça, pois Ele é nosso Senhor. Que Cristo Jesus reine em nossas vidas.
Um feliz ano novo e que esse ano nossas metas estejam pautadas em Cristo Jesus.
Deus abençoe nossa vida!

Um Regresso Feliz

No dia 25 de dezembro os cristãos se reúnem para louvar em forma de gratidão, pois Cristo Jesus nasceu. O centro de toda adoração pertence ao Senhor, Ele é maravilhoso, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz, Maravilhoso Conselheiro, somente a Ele toda honra, Glória e Louvor. Registro de Lucas no oitavo capítulo, oitavo ao décimo versículo, encontramos a descrição da ressurreição de Cristo, as mulheres viram que o túmulo estava vazio. Cristo Jesus nasceu, cresceu e morreu para a glória do Pai, Ele amou-nos de tal maneira que entrega sua vida por amor pleno no Pai e nós, recebemos parte dessa graça. O texto nos mostra que as mulheres estavam indo a sepultura de Cristo, imagine a dor que elas sentiram, o quanto sofreram ao ver Jesus sendo crucificado, elas eram amigas e seguidoras de Jesus. Viram seu Mestre sendo entregue nas mãos de homens pecadores, presenciaram à sua crucificação, elas estavam no Calvário, jamais poderiam elas esquecer o que tinham visto e consequentemente suportado.

Jesus dissera aos discípulos por pelo menos três vezes, o que iria suceder-lhe, e como Ele de sua própria vontade daria sua vida por suas ovelhas. Se somarmos todas as alusões à sua morte e ressurreição, feitas em linguagem figurada, seria muito mais que isso.

Essas mulheres foram muitas vezes vistas entre os discípulos, ou seja, desde o princípio elas também tinham ouvido as importantes coisas que iram acontecer, como o Senhor havia alertados a todos.

As mulheres sabiam que Jesus não se referira somente à cruz que se avizinhava, mas também à sua ressurreição ao terceiro dia. Elas foram neste momento lembradas pelos anjos destes acontecimentos, então deram conta de que o Mestre não estivera falando da ressurreição no último dia, mas daquela que agora tinha realmente se concretizado. Se elas precisavam de algum auxílio adicional para a memória, o túmulo vazio e a mensagem confirmativa, procedente dos lábios desses visitantes celestiais, supriram essa necessidade de forma plena.

Quando ele no princípio falou sobre essas coisas, as mentes dos discípulos, provavelmente estavam preocupadas com outros conceitos, mas a ressurreição colocou todos os seus ensinamentos em uma nova perspectiva.

As mulheres então retornaram felizes, pois sabiam que Cristo já não estará mais morto, elas então retornam para contar aos onze discípulos que Cristo estava vivo. Mas seu retorno não foi como a sua ida para o sepulcro, elas voltaram felizes para anunciar que o Senhor estava vivo.

Elas informaram aos discípulos de Jesus, como lhes fora dito para fazer. Mas ao contar aos discípulos eles disseram que era tolice o que elas estavam anunciando. A palavra grega é lêros que significa tolice, aqui traduzida como delírio.

Pedro se levanta e corre até o sepulcro, e vê que os lençóis eram faixas largas enroladas à volta do corpo, ali postos, não havia nenhum corpo dentro deles, mas tinham a mesma posição de antes quando ele estivera ali. Maravilhado Pedro não podia compreender por que as faixas foram deixadas e como o corpo pudera ser retirado de dentro das faixas.

Pedro então fica maravilhado e retorna feliz, assim como aconteceu com as mulheres, pois entendeu que Jesus Cristo prometeu ressuscitar ao terceiro dia e ressuscitou.

A ressurreição de Cristo é algo fantástico, o não cristão vive triste pois não conhece a Cristo, por mais que ele tenha suas conquistas, nada supri, nunca é suficiente. Quando Ele nos alcança ficamos maravilhados pelo que nosso Senhor fez e logo iremos morar com Jesus Cristo, qual será o regresso ao nosso lar, onde felizes estaremos com nosso Senhor e salvador por toda a eternidade.

As mulheres estavam tristes ao ir ao sepulcro, ficam maravilhadas ao descobrir que o Senhor Jesus Cristo estava vivo e regressam felizes pois o Senhor venceu a morte e venceu o mal.

Da mesma forma que as mulheres se sentiram quando descobriram que Cristo Jesus está vivo, nós nos alegramos em anunciar o evangelho de Cristo Jesus, quando Ele nasceu os pastores se alegram e foram até o Cristo Jesus para glorificar ao nome dEle. Nós alegramo-nos por anunciar as boas novas.

Glória ao nosso Senhor, pois Ele nasceu e está vivo! 

O crente sabe que seus pecados são perdoados, Cristo Jesus veio ao mundo para dar-nos perdão, pela sua graça. Sabemos que temos um Salvador que vive sempre para interceder por ele, que o guarda, que o orienta por meio de seu Espírito e que um dia regressará para ele. Ele sabe que seu corpo também um dia ressurgirá gloriosamente, transformado para a glória do nosso Senhor

Somente aquele que, pela graça de Deus, aprendeu a gloriar-se na morte de Cristo é capaz de verdadeiramente, gloriar-se em sua ressurreição. A cruz e a coroa não podem ser separadas.

Cristo Jesus nasceu e Ele vive, hoje e para todo sempre. Glória a Deus nas alturas.

Um Feliz Natal a todos!

Rev. Cristiam Matos

 

Ser temente a Deus.

Ser temente a Deus – Jó 1.1-5

Uz, era a terra natal de Jó, fica em um lugar a leste de Canaã, perto da fronteira do deserto que separa os braços leste e oeste do Crescente Fértil. Era uma região de cidades, fazendas e rebanhos migrantes.

Jó era um homem muito rico, o texto nos aponta as virtudes de Jó, a saber, sua integridade e retidão. Observe que essas virtudes não têm nada a ver com uma vida sem pecado, não se refere à perfeição sem pecado, mas à integridade sincera, especialmente a lealdade para com a aliança. Havia uma harmonia honesta entre a sua profissão de fé e a sua vida.

Jó era temente a Deus, ele tinha, o temor do Senhor, a piedade que havia em Jó era fruto de submissão genuína ao Senhor, diante de quem ele andava em reverência, rejeitando resolutamente o que Ele tivesse proibido. Jó não se utilizava de vãs filosofias nem mesmo tentava utilizar-se de subterfúgios para relativizar os decretos do Senhor.

O texto bíblico nos mostra que Jó era temente a Deus, no Aurélio, o verbo temer significa, ter ou sentir medo de alguém, temer ou ter receio de alguém, preocupar-se, mas isso não significa que tenhamos que ter medo de Deus, mas sim, respeitar e fazer as vontades de Deus.

Aqui quero enfatizar algo muito importante, buscar a Deus por medo de ser condenado ao sofrimento eterno, ou por buscar uma cura específica ou até mesmo por querer alcançar algo, não é respeitar. A motivação do coração, é em respeitar ao Senhor, isso é amar. Fazer a vontade de Deus por medo não é respeitar. Olhe para Jó, ela temia a Deus, desviando-se do mal.

Temer a Deus é andar conforme a vontade do Senhor, Jó era integro, e integridade é o que todas as pessoas podem ver, na sua vida, em sua conduta diante da sociedade, no seu trabalho, nas suas atitudes enquanto profissional, em seu meio familiar, ou seja todas as atitudes que o cerca.

A integridade de Jó é enaltecida na conversa entre Deus e satanás, a sabedoria de Jó proporcionou a harmonia entre sua profissão de fé e a sua vida, o temor ao Senhor o fazia olhar para Deus e temer a Deus.

Atento ao seu Deus nos dias bons e dias maus, Jó fielmente cumpria suas funções de sacerdote dentro da família. Não era um mero formalismo, Jó percebia a raiz do pecado no coração do homem. Não era um mero moralista, ele reconhecia, como a especial revelação redentiva, tornava claro, que não há remissão de pecado sem derramamento de sangue sacrificial.

O Holocausto, embora fosse símbolo da expiação messiânica do pecado, era também um ritual de consagração. Por meio deles Jó dedicava os frutos do progresso no setor da cultura ao seu Criador. Assim a cultura humana alcançava seu devido fim na adoração a Deus.

Neste sentido compreendemos que Integridade é o que todos podem ver, aquilo que está apresentável aos olhos, mas a retidão é você em um local só, com as portas fechadas, em secreto, somente você e Deus. Jó tinha essas duas qualidades, por isso ele fora um homem que agradara a Deus.

Jó não era uma pessoa em público e outra no particular, ele era a mesma pessoa em tudo, assim o cristão deve ser, utilizando da tecnologia podemos usar a seguinte comparação. O cristão não pode ser uma pessoa em frente às câmeras e outra fora delas, um pastor não pode ser uma pessoa no púlpito e outra fora do púlpito. Assim devemos ser íntegros e retos.

Jó era o sacerdote no seu lar, clamava a Deus por seus filhos e filhas, orava e entregava-se ao Senhor, no temor a Ele. Neste sentido os homens devem ser o sacerdote de seu lar, a palavra deve ser ensinada aos seus filhos.

O sacerdote do lar ensina seus filhos no caminho em que deve andar, você como o sacerdote lar deve ser o exemplo, o espelho, a imagem de Deus. O texto nos mostra que Jó orava por seus filhos. Aqui temos um ensinamento grandioso, é nosso dever orar por nossa família, não somente em secreto, mas com eles também.

O homem tem que ser integro e reto, deve ser de caráter inquestionável, e de retidão diária. Essa virtude que todo sacerdote do lar, ou seja, da família deve ter.

Tudo o que Jó possuía, fora Deus quem havia concedido, e Jó sabia disso. Neste sentido aprendemos que tudo o que possuímos hoje, foi Deus quem nos concedeu. Talvez Jó não nasceu em meio a riqueza, ou seja, homem mais rico. A bíblia não nos indica como ele conquistou possuía tantos bens, mas com certeza ele se esforçou muito para ter toda a riqueza.

Tudo o que possuímos tem a ver com esforço do trabalho de cada um, isso é fruto do trabalho de cada pessoa, mas que fique bem claro, foi Deus quem o concedeu.

Jó temia a Deus, ele não era soberbo, avarento, mesquinho ou tentava se prevalecer das situações para obter vantagem, o homem mais rico do oriente era também o mais piedoso entre os homens.

Jó sabia que sem Deus, sua riqueza, seria apenas algo que não tinha valor, pois sem Deus, isso tudo seria inútil em sua vida. A maior riqueza está em obedecer a Deus. Que todos nós sejamos pessoas integras e retas em tudo. Não importa o que você faça, faça tudo para a glória de Deus.

Fazer todas as coisas para a glória de Deus, nos torna temente a Deus nos leva a confiar nEle.

Uma boa semana.

Rev. Cristiam Matos.

 

Seguros no Senhor!

“E aos que predestinou, a esse também chamou; e aos que chamou, a esse também justificou; e aos que justificou, a esse também glorificou.” Romanos 8.30

 A nossa salvação é um fato consumado, um processo e uma promessa, uma gloriosa obra de Deus. A Salvação é um termo muito amplo, Scofield em seu comentário sobre Romanos, resume o termo da seguinte forma: “As palavras hebraicas e gregas para salvação implicam as ideias de segurança, conservação e santidade”.

 A Salvação reúne em si todos os atos e processos redentivos como justificação, santificação e glorificação. É importante olhar tanto com a alma, como com o corpo, com a vida presente bem como com a vida futura. Ela faz referência não só à remissão da penalidade do pecado e à remoção de sua culpa, mas também à conquista do hábito do pecado e a remoção final da presença do pecado no corpo. A Salvação acontece em todos os tempos, pois já foi definida no passado por Deus, age em nós através da fé em Cristo Jesus, e se concretizará definitivamente com a volta de Jesus.

Na escritura sagrada encontramos que todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus. Não há justo, nem um sequer. Não existe na face da terra um ser humano que possa dizer que é justo. Todos são culpados, e Deus não inocentará o culpado. A alma que pecar, essa morrerá. Tanto os gentios que não tinham a Palavra de Deus quanto os judeus que a possuíam estavam de igual forma condenados. Os gentios estavam condenados pela lei da consciência, e os judeus estavam condenados pela lei de Deus. O argumento de Paulo é que pelas obras da lei ninguém será justificado diante de Deus, neste sentido algo teria que acontecer para haver a remissão de nossos pecados. Todos aqueles, e somente aqueles a quem Deus eficazmente chama, também gratuitamente justifica. Essa justificação é um ato de Deus puramente judicial, na qualidade de juiz, pelo qual ele perdoa todos os pecados do crente, e o julga, o aceita e o trata como uma pessoa justa à luz da lei divina. A justificação é um ato e não um processo. Não acontece em nós, mas no tribunal de Deus. É um ato legal, quando Deus, em virtude da justiça de Cristo imputada a nós, declara-nos justos. Todos os salvos estão justificados de igual forma. Já não há mais nenhuma condenação, para aqueles que estão em Cristo Jesus.

Desde que fomos regenerados e justificados pela fé em Cristo, somos transformados progressivamente à imagem de Cristo. O propósito eterno de Deus não quer apenas nos levar para a glória, mas nos transformar à imagem do Rei da glória. Deus nos salva não no pecado, mas do pecado. Deus nos escolheu em Cristo para sermos santos e irrepreensíveis, nos escolheu para a salvação pela fé na verdade e santificação do Espírito. Sem santificação, ninguém verá o Senhor, visto que só os puros de coração verão a Deus. Todos aqueles em quem Deus, através da regeneração, criou uma nova natureza espiritual, continua sob sua graciosa influência, sua Palavra e o Seu Espírito habitam neles e assim possuem neles implantada a graça que se desenvolve mais e mais. Essa obra de santificação envolve tanto a gradual destruição do velho corpo do pecado quanto a vivificação e fortalecimento de todas as graças no novo homem, a purificação interior do coração e mente. Essa obra de santificação envolve o homem todo, seu intelecto, emoções e vontade, alma e corpo. 

O santificar de acordo com a Escritura é transformar o homem, Ele torna o moralmente puro e santo. Pela santificação vamos sendo transformados de glória em glória na imagem de Cristo, nosso Senhor. Deus mesmo, pela obra do Espírito Santo, vai esculpindo em nós a beleza de Cristo.

Por fim temos a glorificação é a consumação da nossa redenção, quando receberemos, na segunda vinda de Cristo, um corpo novo, incorruptível, glorioso, poderoso, semelhante ao corpo da glória de Cristo. Então, reinaremos com Cristo, pelos séculos sem fim, desfrutando das venturas celestiais. Na justificação fomos salvos da condenação do pecado, na santificação estamos sendo salvos do poder do pecado e na glorificação seremos salvos da presença do pecado.

Somente em Cristo temos a solução espiritual para o passado, o presente e o futuro. Somente Ele pode libertar do passado, dar o significado no presente e a garantia para o futuro. Assim podemos concluir que o passado está redimido, o presente está consentido e nosso futuro está garantido. Neste sentido, na justificação, já fomos salvos, nos decretos de Deus, antes mesmo da criação do mundo, nosso Deus já havia determinado, mas é apenas para os creem em Jesus Cristo. Na santificação, estamos sendo salvos, à medida que progressivamente estamos sendo transformados à imagem de Cristo. Neste sentido a vida do homem é transformada dia após dia. Na glorificação, seremos salvos, visto que, na segunda vinda de Cristo, seremos transformados e receberemos um corpo de glória para reinarmos com Jesus para todo o sempre.

Que o Senhor o abençoe ricamente e que você creia em Jesus Cristo como seu único Senhor e Salvador.

Rev. Cristiam Matos

Ajuda-nos.

À noite, sobreveio a Paulo uma visão na qual um varão macedônio estava em pé e lhe rogava, dizendo: Passa à Macedônia e ajuda-nos” – At 16.9

 

Existem muitas pessoas no mundo precisando de ajuda. Muitas estão ao relento – seja por pobreza extrema, ou opção por abandonar a família, ou para saciar vícios, ou em busca de refúgio em outro país, enfim, são milhões de carentes. Elas precisam bem mais do que um olhar de comiseração – precisam de uma ação efetiva dos governos e das entidades sociais. 

Além desta mazela física está o sofrimento causado pela ignorância espiritual. Enquanto a primeira mata o corpo, a segunda pode levar o indivíduo para a morte eterna. O verso citado tem como pano de fundo exatamente esta questão, e dele quero retirar três pontos:

1) Paulo teve uma visão. Não era sonho nem tampouco um delírio, mas sim uma imagem nítida de um homem grego, provavelmente reconhecido como tal pelas vestes distintivas das demais nações. Era uma visão concedida por Deus para algo que Paulo poderia ter imaginado fazer, mas ainda não tinha se disposto a isto. 

2) O macedônio estava em pé. Como era noite, Paulo e seus companheiros deveriam estar ao redor da fogueira, sentados ou quem sabe já preparados para deitar. O fato dele estar em pé significava a urgência que a mensagem requeria: prontidão e desprendimento. 

3) O macedônio suplicava ajuda. Não era ajuda humanitária nem era em busca de alguém para livrá-los do poder de Roma. A ajuda aqui é para saírem das trevas, para conhecerem o evangelho de Cristo, para serem libertos do mal. 

Paulo entendeu aonde precisava ir e agora tinha o conhecimento do por que o Espírito Santo os havia impedido de ir para a Ásia e para as regiões da Turquia (At 16.6-7). Lucas narra que assim que Paulo teve a visão ele e seus companheiros de viagem concluíram que Deus os havia chamado para anunciar o evangelho (At 16.10). Apesar de somente Paulo ter a visão o chamado era para todos. 

O evangelho já chegou a maioria dos povos conhecidos. A internet tem sido um instrumento muito útil para a propagação das boas novas, porém muitas pessoas ainda não conhecem o poder transformador do evangelho. Elas carecem de alguém que lhes fale a verdade, que os ajude a sair das trevas para a maravilhosa luz. É possível que algumas delas estejam muito próximas de você e precisando justamente da sua ajuda. Que tal atender ao chamado do Senhor e pregar a elas o evangelho da salvação?

Um bom e abençoado dia!

Rev. Joel