Entre políticos, furtos e consciência.

Desta maneira fazia Absalão a todo o Israel que vinha ao rei para juízo e, assim, ele furtava o coração dos homens de Israel” – 2Sm 15.6 

 

Absalão, filho de Davi, era um político astuto. Ele queria o cargo de seu pai como “presidente” da nação, e fez “lobby” (atividade de pressão sobre um determinado grupo de pessoas que visa exercer sobre eles qualquer influência ao seu alcance com o fim precípuo de alcançar apoio no devido tempo) na entrada da casa do rei. Ele não tinha preguiça para levantar cedo e começar esta atividade (2Sm 15.2), e não dava descanso à sua língua para destilar palavras “doces” que fossem tentadoras (v.3). 

É impossível não identificar este procedimento em alguns políticos em plena campanha política. Acordam cedo e vão para as ruas encontrar pessoas insatisfeitas com a atual administração, se dispõem a ouvir as suas queixas e lhes dizem: “ah, quem me dera ter o poder para ajudar você e resolver sua necessidade” (v.4). Mal chega alguém para lhes reverenciar e logo estendem a mão, o abraça e se tiver uma criança pequena ao colo logo lhe dá um beijo (v.5). Fazem isto com todas as pessoas com a intenção de “furtarem” seus corações e garantirem os votos necessários para subirem ao poder. Quando se sentem amparados o suficiente pelo apoio popular, logo se intitulam o novo “xerife” da cidade (v.10-12). 

É impressionante o poder do voto popular. Ele tem a força para colocar alguém no mais alto posto – e também nos cargos intermediários; além disto, conta com bônus extra para reconduzi-los (reeleger) ou tirá-los definitivamente de lá caso não hajam conforme os planos de campanha que apresentaram anteriormente. 

Candidatos podem ter qualificações adequadas para os cargos pretendidos, mas também podem subir ao poder apenas com uma boa “lábia”. Candidatos e aventureiros não faltam. Para o cargo de “rei” de Joinville são 15 concorrentes, e para vereadores “apenas” 552 disputam os 19 lugares na câmara; será uma luta acirrada e todos querem “furtar” o coração dos eleitores. 

Cuide bem de seu coração. Não se deixe levar por promessas ou palavras bonitas que satisfaçam suas expectativas mais prazerosas. Lembre-se que são as pessoas capacitadas que reúnem mais condições para fazer o melhor pela cidade e seus habitantes. 

Acima de tudo confie em Deus. Ninguém subirá ao poder sem que o Senhor tenha um propósito definido para esta ascensão. Quem ocupar estes cargos terá sob seus ombros o olhar constante do Senhor, e por seus atos serão julgados no tempo determinado. 

No mais, seja um cidadão consciente, que olha pelo bem de todos, que vota naqueles que acredita que fará uma boa administração civil. 

Use este tempo que você ainda tem para escolher seus candidatos e votar neles com esperança de uma Joinville melhor.

Um bom e abençoado dia.

Rev. Joel.