Revitalizando a vida de oração

A oração é o meio pelo qual nos aproximamos de Deus e nos tornamos mais íntimos dEle. É um recurso indispensável para revitalizar nossa vida com Deus e transformação em nossa vida pessoal, no lar e na igreja. A oração revitaliza nossa vida pessoal, familiar, emocional, ou seja, em todas as áreas. Ter vida de oração é dedicar-se ao Senhor nosso Pai, eterno Deus. Uma vida de intimidade em oração, leva-nos a ter uma profunda comunhão.

Na vida cristã experimentamos momentos de fervor espiritual, mas também, às vezes, momentos de frieza na fé. A oração do Pai Nosso foi ensinada por Jesus para nos orientar em nossas orações. Na semana passada iniciamos nossa pastoral com a oração que Jesus ensinou, continuando nesta mesma linha, olharemos para as orientações do Senhor Jesus sobre como devemos orar. Olharemos neste primeiro momento, como não orar.

Em Mateus 6.5-8 Jesus nos ensina como não devemos orar. Ele afirma duas coisas nesse sentido. Jesus Cristo reprova aqueles que oram com sentido de exibicionismo espiritual. “E, quando orardes, não sereis como os hipócritas; porque gostam de orar em pé nas sinagogas e nos cantos das praças, para serem vistos dos homens…” (vs. 5). A oração para os fariseus era um meio de autopromoção. Aqueles que oram tão somente por orar, ou seja, que oram com os lábios e só se preocupam em repetir tal oração. “E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios; porque presumem que pelo seu muito falar serão ouvidos.” (vs. 7). O que é pronunciado pela boca precisa estar em harmonia com a mente e com o coração, e não somente repetições. Essa harmonia será refletida na vida pessoal, no momento em que todos estiverem olhando, nossa atitude de vida, deve ser uma constante oração ao Senhor.

Entendendo como não devemos orar, Jesus Cristo deixa-nos princípios de como orar, nos ensina que devemos ter alguns princípios, em nossa vida de oração, a saber, o princípio da exclusão: “…quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai…” (vs. 6). Devemos excluir tudo o que tenta nos distrair na presença de Deus em oração. Neste sentido, podemos e devemos ficarmos a sós com Deus, para focarmos na oração a Deus. Esse momento a sós com o Pai, é não ter rádio, TV, celular, tablet, telefones, nada que possa distrair-nos ou se quer interromper o momento com o Pai. Quando nada atrapalha, distraí nosso momento com Deus, entendemos o princípio da percepção, como ensinado por nosso Senhor Jesus Cristo, “…orarás a teu Pai…” (vs.  6). Entender que estamos diante de Deus, o Rei dos reis, General dos generais, o soberano, perfeito e pleno Senhor, em oração, perceber quem Ele é. Deus nos convida à comunhão intensa com Ele. Neste momento falaremos em oração sobre nossos desejos, experiências, necessidades, dificuldades, medos e feridas.

O princípio da confiança, quem é o Senhor, leva-nos a aproximar dele, “…teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.” (vs. 6), a aproximação do Pai em oração, conduz o cristão a plena e única confiança, assim como a simplicidade de uma criança com seu pai, nós teremos com o Senhor. Precisamos ter a certeza de que Deus, verdadeiramente, é nosso Pai. Por isso chamamos O Deus, de Pai Nosso, a maravilhosa graça, concedida por intermédio de Jesus Cristo, conduz-nos à adoção e por isso podemos chamar com intimidade nosso Deus de Pai Nosso. Louvado é o nome do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

A oração ensinada por Jesus a seus discípulos pode ser dividida em duas partes principais, a saber, primeiro, três pedidos que expressam nossa preocupação com o ser de Deus e com a glória de Deus, e, segundo os pedidos que expressam nossa dependência da graça de Deus. Como visto na semana passada, iniciamos a oração adorando ao Pai e finalizamos a oração adorando ao Pai, a Deus, nosso Pai, toda honra, glória e louvor.

Neste momento quero enfatizar os pedidos que devemos fazer em oração ao Pai, na perspectiva da relação a Deus e sua glória. Nas duas próximas pastorais trataremos dos pedidos ao Pai Nosso. Em relação a Deus e sua glória, Jesus nos ensina a orar, afirmando, Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome, a oração é dirigida a Deus, o Pai, clamando para que o nome de Deus seja santificado. Lembremo-nos de que o “nome” na Bíblia se relaciona com quem a pessoa é, neste sentido, Deus é o Soberano, o Todo Poderoso, o Senhor dos senhores, único, inigualável e incomparável. Pedir a Deus para que o seu nome seja santificado, implica em adorar e exaltar o próprio Deus, o seu ser, sua pessoa.

A pregação de Jesus sobre o Reino de Deus é bastante interessante. Ele diz que seu Reino não é deste mundo, conforme registrado no evangelho de João 18.36, “36 Jesus respondeu: — O meu Reino não é deste mundo. Se o meu Reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas agora o meu Reino não é daqui.”, mas diz também que o seu Reino era presente, conforme registrado no evangelho segundo Mateus 12.28, “28 Se, porém, eu expulso os demônios pelo Espírito de Deus, certamente é chegado o Reino de Deus sobre vocês.”, e diz ainda que seu Reino era futuro segundo o evangelho de Mateus 25.34. O Reino de Deus encontramos no passado, presente e no futuro. Orar pelo Reino é orar e pedir para que, de fato, o Reino de Deus se expanda sobre a terra em termos missionários, mas também para que experimentamos de forma intensa, já, no tempo presente, os benefícios antecipados da eternidade com o Senhor.

Jesus Cristo ensina a pedir ao nosso Senhor que seja feita a tua vontade, considerando que a vontade de Deus é “boa, perfeita e agradável”, devemos orar intensamente para que a vontade de Deus seja feita em nossa vida. Até podemos ter uma vontade pessoal, mas devemos aprender a colocar nossa vontade em submissão completa à vontade do Pai. Viver no centro da vontade do Pai é o maior benefício que o cristão deve ter. Se a eternidade com o Pai é o que mais desejamos, e a vontade do Pai no céu sempre foi e sempre será feita, devemos desejar também que a vontade do Pai seja uma realidade em nossa vida enquanto estivermos aqui na terra. Quando oramos ao Pai, pedindo que seu nome seja santificado, pedindo que venha o Reino e pedindo a vontade de Deus, devemos nos comprometer com a oração que estamos fazendo. Ore conforme Jesus ensinou seus discípulos a orar, e saibamos que a oração é um meio genuíno para a revitalização da vida cristã pessoal e da igreja.

A luz do que vimos o que você acha que aconteceria se passássemos a orar intensamente, diariamente, individualmente e comunitariamente? Quais escolhas você pode fazer nesse sentido?

Que nosso Senhor queime nossos corações, o Espírito Santo incomode-nos para buscar ao Senhor em oração mais intensamente. Que Deus abençoe-nos.

 

Rev. Cristiam Matos

Ore como Jesus ensinou – Mateus 6.9-15

A oração é o bálsamo do cristão, o momento mais importante que temos, é quando somos totalmente vulneráveis, pois estamos na presença do Rei dos reis, Senhor dos senhores. A oração coloca-nos frente a face do Pai. Na oração é o momento que conversamos com Deus nosso Pai, neste momento os ouvidos e olhos do Senhor, do Pai, estão voltados para nós.

A oração é o momento extraordinário, no qual estamos em Sua presença, na presença do Pai. Jesus Cristo teve seu ministério marcado pela oração, ensina-nos a orar como deve, da forma que agrada ao Pai, é neste sentido que meditaremos no tema Ore como Jesus ensinou.

O evangelho segundo Mateus registra essa oração, demonstrando o propósito dela, a relação existente na oração entre o homem e Deus e Deus e o homem. O propósito desta meditação é orar como Jesus orou, neste sentido como discípulos de Cristo, orar como agrada ao Pai.

Jesus ensina seus discípulos a orar, não é uma oração para ser repetida como um mantra, o objetivo é nos ensinar, princípios acerca de quem é Deus e de quem somos nós. Na oração que estamos olhando, encontramos uma declaração que diz respeito ao ser a quem oramos. Jesus lança esses fundamentos, demonstrando que, devemos dirigir-nos, a Deus como Pai. Deus não é um ser distante, mas está perto de nós, como Pai. Ama-nos, conhece-nos, protege-nos, abençoa-nos. Devemos dirigir-nos a Deus como nosso Pai, o direito legítimo de chamar ao Deus de “Pai nosso”, é porque somos adotados, por intermédio de Jesus Cristo. Somente pelo Espírito Santo, o qual nos uniu a Cristo e promove nossa adoção à família de Deus, é que agora podemos dizer “Aba, Pai”. Somos membros da família de Deus. Somos irmãos uns dos outros. Somos filhos do mesmo Pai. Ao orar, é preciso lembrar que somos parte da família de Deus, constituída de cristãos de todo o planeta.

A grandeza do nosso Pai é insondável e sua glória incomparável. Ele é o nosso Pai que está no céu. Ele é elevado, sublime e glorioso. A maior satisfação do cristão é ter intimidade com Deus, essa intimidade conduzirá as nossas orações com conteúdo em relação a Deus. Antes de buscarmos nossos interesses ou mesmo pleitearmos nossas necessidades, devemos nos voltar para Deus a fim de admirá-lo, adorá-lo e exaltá-lo. O nome de Deus, leva-nos a orar pela santificação do Seu nome, pelo que Ele é. Deus é santo em si mesmo, e não agregaremos valor à sua plena santidade. Oremos para que o nome de Deus seja reverenciado, honrado, temido e obedecido. Ao adorá-lo, reconheceremos que Ele é Santo, Santo, Santo, nosso Deus é Santo, e neste sentido o desejo do cristão em oração é para que o reino de Deus venha até nós. O reino de Deus é o governo de Deus sobre os corações, a medida em que o evangelho é anunciado e os pecadores se arrependem e creem, seus corações são moldados e o reino de Deus vai alargando suas fronteiras. Nossa vida manifestará o reino de Deus neste mundo, quando o reino de Deus governar nosso coração. Quando o reino de Deus estiver em nossos corações e nosso maior desejo for em adorá-lo, nossa vontade será mortificada para fazer a vontade do nosso Deus, nosso Pai.

O extraordinário acontecerá quando em oração, desejamos intensamente que a vontade de Deus seja feita aqui na terra como é feita nos céus. A oração somente será poderosa quando o desejo estiver alinhado com os caminhos do Pai. Neste sentido, a vontade do homem torna-se irrelevante, pois a a vontade de Deus deve ser feita aqui na terra, este é o maior desejo no coração, de quem ama verdadeiramente a Deus. Sua vontade é boa, perfeita e agradável e deve prevalecer na terra.

Depois de rogarmos para que o nome de Deus seja santificado, que seu reino venha e que sua vontade seja feita, Jesus passa a ensinar-nos a rogar ao Pai por nós mesmos. Jesus ensina que não devemos pedir luxo, mas pão, não de forma egoísta, ou seja, o meu pão, mas, pedir o pão nosso, o pão de cada dia. Spurgeon diz que não pedimos o pão que pertence a outros, mas somente para o que é honestamente o nosso próprio alimento. A palavra “pão” aqui deve ser entendida como símbolo de todas as nossas necessidades físicas e materiais. Deus nos criou pelo seu poder, nos redimiu por sua graça e nos sustenta por sua providência.

Após adoramos ao Senhor, reconhecermos quem Ele é, somos levados a confiar na providência divina, colocamo-nos diante do Deus, nosso Pai, reconhecendo que somos devedores, temos dívidas impagáveis com Deus e não podemos saldá-las. Nossas dívidas são os nossos pecados. Precisamos não só de pão para o nosso corpo, mas sobretudo, de perdão para a nossa alma. Riqueza material sem perdão espiritual, condiciona a vivermos na miséria. Sem o perdão do nosso Pai, estamos sem esperança, nossas conquistas tornam-se vãs. Nossos pecados são redimidos pela misericórdia, benevolência, pela graça imerecida.

Jesus Cristo mostra-nos que o perdão divino a nós está condicionado ao perdão que concedemos ao próximo. O perdão vertical só acontece quando o horizontal é uma realidade. Quando o perdão horizontal é uma realidade, significa que somos chamados por nosso Pai. O perdão horizontal é uma evidência que recebemos o perdão vertical.

No evangelho segundo Mateus, encontramos na oração que Jesus ensina, um pedido quanto ao futuro. Somos ensinados a suplicar ao Senhor para livrar-nos da tentação. A tentação em si não é pecaminosa, mas, se cairmos em tentação, pecamos contra Deus, contra o nosso próximo e contra nós mesmos. Precisamos, portanto, rogar a Deus para nos livrar do mal, neste sentido, do maligno. Nossas tentações procedem do nosso coração corrupto e do tentador maligno.

Jesus conclui a oração como começou, com Deus declarando que a Deus pertence o reino. O reino é o domínio de Deus sobre seus súditos, o governo universal de Jesus Cristo em nossos corações. Somente Ele tem todo o poder, ou seja, a Deus pertence o poder, nos céus e sobre a terra. Seu poder é interminável, imaginável, ilimitado. Nada é impossível para Deus.

Reconhecer a Deus, nosso Pai, glorificá-lo é extraordinário, toda glória a Deus pertence para sempre, Deus não divide sua glória com ninguém, Ele tem glória em si mesmo, e toda a criação proclama a sua glória. Sua glória está em seu filho e também na igreja.

Que nossas orações se alinhem com os ensinamentos de Jesus Cristo, nosso Senhor e salvador. Que toda a honra, glória, louvor sejam dadas somente a Ele. Porque dEle, por Ele, para Ele são todas as coisas. Toda a glória seja dada a Ele, somente a Ele, hoje e eternamente.

Amém!

Aplicação para nossa vida.

Sabemos que Jesus Cristo ensinou que toda a glória pertence ao Pai, neste sentido, oremos como Jesus Cristo ensinou. Inicie a oração glorificando, reconhecendo, que somente Deus é Deus.

Entendemos que nossas orações tem que estar alinhadas com a vontade do nosso Pai, nosso Senhor Jesus Cristo, o Salvador, aquele que Deus dá a vida por nós, ensina que a oração está voltada para o único que é digno de toda honra, glória e louvor. Neste sentido ao orar, não peça glórias para si, como riquezas, ou coisas materiais, mas oremos, glorificando ao Pai e para que sejamos instrumentos no reino de Deus.

Façamos como Jesus Cristo ensinou-nos, inicie a oração glorificando ao Pai e termine glorificando ao Pai.

Rev. Cristiam Matos

Louvor a Deus – Romanos 11.33-36

O apóstolo Paulo quando escreve esse trecho da carta aos romanos destaca algumas preciosas informações para nós, a saber, a teologia precisa transformar-se em doxologia conforme apresenta-nos aqui no 11.33–36. Paulo passa da teologia para a doxologia, da doutrina para o louvor, do argumento para a adoração. Neste sentido, entenda que não separaremos a teologia, ou seja, nossa crença em Deus, da doxologia, significa o nosso culto a Deus. O apóstolo Paulo está orientando que não pode haver uma teologia sem devoção, assim como uma devoção sem teologia. As coisas profundas de Deus devem levar-nos à adoração, assim como a adoração leva-nos a desejar conhecer profundamente ao Senhor. O estudo da teologia leva-nos à compreensão de que Deus não pode ser plenamente compreendido por nossa mente finita, mas leva-nos a adoração ao Deus criador de todas as coisas. Movido pela Palavra e pelo Espírito do Senhor, sentindo-se finalmente dominado pela sublimidade de tão profundo mistério, o apóstolo nada mais pode fazer senão ponderar e exclamar que as riquezas da sabedoria de Deus são demasiadamente profundas para que nossa razão seja capaz de sondá-las. Paulo está bem certo de suas palavras, ele está exaltando as profundas riquezas da sabedoria e do conhecimento de Deus.

Paulo descreveQuão insondáveis são seus juízos”, tais palavras expressam o sentido de ordenanças divinas ou a maneira divina do agir, o governar de Deus, essa exclamação exalta ainda mais o mistério divino. O Pai revelou-nos o Seu ser na Escritura sagrada, note que ele não pretende discutir aqui todos os mistérios de Deus, mas somente aqueles que se acham escondidos em Deus, e mediante os quais Deus deseja que o admiremos e o adoremos.

Paulo restringi a presunção humana, como se pusesse sua mão sobre os homens com o fim de detê-los e impedi-los de murmurarem contra os juízos divinos. A pergunta “Quem conheceu a mente do Senhor?”, constrange o homem, pois na nossa finitude e tão desprovimento de conhecimento perto de Deus, mostra-nos que não conhecemos a mente dEle. Observe que ele utiliza dois meios para restringi-los:

  1. Todos os seres humanos se acham, por sua cegueira, completamente impedidos de fazer, por seu próprio critério, um devido exame da predestinação divina.
  2. Não existe nenhuma razão para nos queixarmos de Deus, não há indivíduo que possa pretender que Deus lhe seja devedor. Todos somos endividados em relação à liberalidade divina.

A predestinação divina ensina que os homens não podem discernir mais do que é possível a um cego na escuridão. Estas palavras, contudo, têm muito pouco suporte para que nossa fé não se definhe, visto que ela não tem sua origem na perspicácia do intelecto humano, e sim, tão-somente na iluminação do Espírito. O apóstolo Paulo afirma que todos os mistérios divinos se acham muito além da compreensão de nossa capacidade natural. Para compreendermos uma pequena parte da mente de Deus, poderíamos dizer uma ínfima parte, necessitamos da compreensão concedida por intermédio do Espírito Santo. Neste sentido que Paulo prossegue escrevendo em sua 1 Coríntios 2,12-16 que os crentes compreendem a mente do Senhor, pois não receberam o espírito do mundo, mas, sim, o Espírito que é outorgado por Deus, por meio de quem aprendem que, de outra forma, a benevolência divina lhes seria inacessível. É somente pela Graça divina que recebemos.

O ser humano não tem capacidade legal, em nossas próprias faculdades, para investigar os segredos divinos, assim chegamos a um claro e seguro conhecimento deles pela instrumentalidade da graça do Espírito Santo. A capacidade de compreensão sobre Deus, é concedida ao homem através do Espírito Santo. Nosso dever é deixar-nos guiar pela orientação do Espírito, então devemos ficar e permanecer onde Ele nos deixar. Ninguém conhece mais do que o Espírito lhe haja revelado, o mesmo acabará sendo fulminado pelo imensurável fulgor dessa luz inacessível.

O conselho de Deus, Sua vontade, Seus caminhos foram revelados na Escritura, neste sentido o que está escrito cabe ao homem conhecer. Ainda que toda a doutrina da Escritura exceda, em sua sublimidade, ao intelecto humano, todavia os crentes que seguem o Espírito como seu Guia, com reverência e circunspecção, não são proibidos de ter acesso à vontade divina. Entretanto, outro é o caso em relação a seu conselho oculto, cuja profundidade e cuja altura não temos como atingir através de nossa investigação.

O conhecimento de Deus se refere ao todo-inclusivo e exaustivo entendimento de Deus, e a sabedoria fala sobre o arranjo e a todas as coisas para o cumprimento de seus santos propósitos. A sabedoria de Deus planejou a salvação e foi sua riqueza que a concedeu-nos, pela sua maravilhosa Graça, os juízos de Deus são profundos e insondáveis. Seres tão ínfimos em conhecimento e finitos como nós, não penetraram nas profundezas desses caminhos inescrutáveis.

O apóstolo defende a justiça divina contra todas as acusações dos ímpios através da pergunta: “Ou quem primeiro lhe deu a Ele?”. Esta pergunta está profundamente relacionada ao viver debaixo da vontade de Deus, confiando que jamais receberemos algo do Senhor por merecimento, mas o recebemos pela Sua boa e agradável vontade. O significado das palavras de Paulo consiste em que Deus não pode ser acusado de injustiça, a não ser que seja Ele convencido de não haver retribuído a cada um o que lhe é devido. Não obstante, é evidente que Deus não priva ninguém de seus direitos, visto não ser Ele devedor a alguém. Quem é capaz de ostentar alguma obra propriamente sua pela qual se acha merecedor do favor divino, ninguém é capaz de cobrar a Deus por nada, a escritura ensina-nos que somos merecedores de nada, aliás somente cabe a restituição da condenação. A maravilhosa Graça concedida aos escolhidos do Senhor nos é dada pela benevolência do Pai e não por merecimento humano. Não que se acha em nosso poder exigir que Deus nos conceda a salvação, com base em nossas obras, ao contrário, Ele antecipa sua benevolência sem qualquer mérito de nossa parte. Ele nos mostra não só o que os homens têm por hábito fazer, mas também o que eles são capazes de fazer. Caso queiramos fazer um honesto exame de nós mesmos, então descobriremos não só que Deus de forma alguma nos é devedor, mas também que todos nós somos passíveis de seu justo juízo. Somos não apenas destituídos do merecimento de qualquer favor de sua parte, somos mais que merecedores de morte eterna.

Deus não nos deve nada em razão de nossa natureza corrupta e depravada e também assevera que, mesmo que o homem fosse perfeito, ainda assim não poderia apresentar nada a Deus. O homem a luz da própria lei da criação já se vê tão endividado em relação a seu Criador, que nada consegue divisar que seja propriamente seu, neste sentido, fracassaremos caso nos esforcemos em privar a Deus do direito de agir soberanamente, como bem lhe apraz, com as criaturas que ele criou para si, como se isso fosse uma questão de débito ou crédito mútuo.

O apóstolo Paulo finaliza com a sublime declaração, Porque dele e por meio dele e para ele são todas as coisas.” Encontramos uma verdade expressa nestas palavras, mostra-nos quão longe estamos de vangloriar-nos, isso demonstra de forma clara nossa incapacidade. Visto que fomos criados por Deus, a partir do nada, e agora o nosso mesmo ser depende dEle, conclui-se ser justo que nosso ser seja orientado para Sua glória. Quão absurdo seria que as criaturas, a quem Ele formou e sustenta, possuíssem algum outro propósito que não fosse a manifestação da glória de seu Criador. A suma do argumento consiste em que toda a ordem da natureza seria invertida caso o mesmo Deus, que é o princípio de todas as coisas, deixasse de ser também o fim. Neste sentido de forma extraordinária encontramos que Jesus Cristo é o começo, o meio e o fim, por isso “A Ele seja a glória para sempre”.

A glória do Senhor deve permanecer inalterada em toda e qualquer parte, Deus, com justa razão, reivindica para Si autoridade absoluta, e que nada, além de sua glória, deve ser buscado na natureza humana e no mundo inteiro. Segue-se que são totalmente absurdos, irracionais e deveras insanos aqueles conceitos que são engendrados com fim de desvalorizar o mérito, a importância da glória divina.

A luz desses versículos concluímos que cabe somente a Jesus Cristo, toda honra, toda a Glória e todo Louvor. Somos criaturas com a finalidade de louvá-lo, adorá-lo, glorificá-lo, hoje e por toda a eternidade.

Uma aplicação para nossas vidas, busquemos adorar ao Senhor como servos fiéis unindo a teologia com a doxologia, ou seja, o desejo incansável de conhecer ao Senhor da Escritura Sagrada, mas com adoração e louvor.

Ele é o começo, o meio e o fim, louvado seja o Senhor!

Uma boa semana a todos.

Rev. Cristiam Matos

 

Uma Grande Família

O Apóstolo Paulo escreve em sua carta aos Romanos 15.5-6, ensinando o dever de agradar os outros, a imitação a Cristo, a simpatia e o altruísmo. Nosso entendimento de agradar tem que ser equalizado de acordo com a bíblia.

O verbo agradar tem o significado de ser agradável, transmitir prazer, deleite, sentir-se encantado. O apóstolo Paulo está ensinando que o cristão transmite o prazer que sente em Cristo, deleita-se em Cristo, sentir-se encantado por Cristo. Neste sentido agradar aos outros é transmitir o prazer de viver em Cristo.

Essa consideração leva Paulo a expressar o desejo de que o Deus que dá perseverança e consolação, capacita os cristãos fortes e os fracos, judeus e gentios, a viver em harmonia, segundo os ensinamentos e o exemplo de Cristo Jesus. O apóstolo sempre expressa que devemos ser como Cristo, o maior exemplo que temos de Cristo é a pregação do verdadeiro amor de viver para agradar ao Pai, Glorificar ao Pai, Louvar ao Pai.

Em decorrência disso, os santos se unirão em adoração ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Que imagem maravilhosa, os Judeus e gentios salvos adorando ao Senhor a uma voz! O pedido que encontramos é para os romanos viverem em unidade em meio à diversidade para a glória de Deus.

O capítulo 15 inicia demonstrando que somos fortes e sendo fortes devemos suportar as debilidades dos fracos. Neste sentido agradaremos ao próximo no que é bom para edificação.

A igreja é uma grande família e para uma família caminhar deve ter o mesmo modo de pensar, imitando o modo de Jesus Cristo com unanimidade, ou seja, todos devem ter o mesmo objetivo, de agradar ao Senhor, pregando o evangelho, suportando-vos uns aos outros em Cristo.

O apóstolo Paulo inicia o versículo quinto com um pedido abençoador para vida dos romanos, para que o Deus da paciência e da consolação vos conceda o mesmo sentir de uns para com os outros, segundo Cristo Jesus.

Deus sempre foi muito paciente com a humanidade, Ele criou os céus, a terra e tudo o que existe em nosso planeta, organizou o que estava caótico, em toda a criação do Pai encontramos a perfeição. Nossos primeiros pais pecaram contra o Senhor e Ele poupou-nos da extinção. Mesmo não merecendo a Salvação, recebemos em Cristo Jesus o amor e somos feitos filhos de Deus, através do preço que Cristo pagou na Cruz.

A paciência que o Senhor nos ensina é saber esperar, ser sereno, conformado, calmo. Jesus Cristo esperou o tempo certo para iniciar seu ministério, Ele sabendo que seria traído com paciência e amor, demonstrou que os desejos do Pai estão acima dos desejos humanos. No Getsêmani o Cristo ora para que a vontade do Pai se cumpra, essa demonstração de paciência é levada para cruz.

Cristo na cruz não condena a humanidade, mas pede para que o Pai tenha misericórdia, eles não sabiam o que estavam fazendo, quando condenaram o Filho, o Deus vivo, o Senhor encarnado. Jesus Cristo ensina que o amor está acima de todas as coisas, para quem ama ao Pai, esse imita a Cristo.

O sentimento que Paulo ensina em sua carta aos romanos, traz o desejo de imitar a Cristo, por isso ele roga ao Deus dos Céus, para que Ele conceda o mesmo sentir de uns para com os outros, segundo Cristo Jesus.

O cristão terá esse sentimento somente se o Senhor conceder, se o Pai não nos dar, jamais seremos como Cristo. Para termos esse sentimento, se faz necessário buscar ao Senhor, orar, estudar a Escritura Sagrada. Somente o Senhor pode conceder essa virtude tão bela e plena.

A palavra do Senhor ensina que devemos amar ao irmão e não julgar o irmão. Pare de julgar e não coloque tropeço em seu caminho. A impureza não está no exterior, mas no interior do coração. O amor fraternal leva-nos a investir num relacionamento profundo e sincero, sem julgamentos.

Imitar a Cristo, como podemos fazer isso dentro de uma grande família?

O apóstolo Paulo ensina nestes versículos que devemos agradar aos irmãos, e não a si mesmo. Adorando a Deus em espírito de unidade, acolhendo uns aos outros como Cristo nos acolheu, sabendo que o próprio Cristo Se tornou servo.

Paulo ora, que Deus, que dá paciência e consolação, possa mudar seus leitores a viverem em harmonia entre si, com Cristo Jesus por padrão. O propósito que encontramos nesta harmonia é que Concordemente e a uma única voz glorifiqueis ao Deus e Pais de nosso Senhor Jesus Cristo. A união dos cristãos é fundamental, essencial se quiserem glorificar a Deus.

Paulo ensina aos leitores, que em uma grande família encontramos cristãos fortes e fracos. Insiste que se recebem mutuamente dentro da mesma sociedade como Cristo nos acolheu na Sua comunhão. O resultado desta comunhão extraordinária é a Glória de Deus.

Deus é o autor da paciência e da consolação, visto que Ele inspira ambos atributos, em nossos corações pelo Espírito Santo. Somos ensinados quanto a genuína consolação e paciência, e então inspira e implanta este ensino em nossos corações. Os crentes em Roma foram exortados e admoestados ao cumprimento de seu dever. Paulo aqui volta sua oração para que o Senhor conceda aos cristãos esses mesmos sentimentos.

Paulo sabia perfeitamente que qualquer discussão em torno do dever individual redundaria em nada, a menos que Deus opere interiormente por seu Espírito, o que ele expressou pela instrumentalidade da voz humana. A ênfase de sua oração consiste em que as mentes dos crentes desfrutem de genuína harmonia e que aprendam a concordância mútua. Ao mesmo tempo, também mostra qual o vínculo desta unidade, a saber, que sejam unânimes segundo Cristo Jesus.

Para que nossa união em Cristo se torne mais recomendável, Paulo ensina quão indispensável é ela, visto que não podemos glorificar genuinamente a Deus a menos que os corações de todos os crentes estejam unidos para seu louvor, e suas línguas se expressam em perfeita harmonia. Não existe glorificação ao Pai de seu próprio modo, é impossível adorar ao Pai se não for nos padrões como encontramos em sua Palavra. A Bíblia Sagrada é a voz de Deus, neste sentido jamais o cristão dará glórias genuína em meio a discórdias e controvérsias.

Que nosso Senhor, conceda-nos um espírito de união e que todos sejamos como Cristo, roguemos ao Senhor para conceder-nos um coração e a união como Cristo ensinou.

Jesus Cristo é nosso Senhor e Salvador, jamais chegaremos ao Pai se não for por intermédio de Jesus Cristo, que nossos corações desejam parecer-se com Cristo. Roguemos ao Senhor da paciência e da consolação o mesmo sentir uns para com os outros, segundo Cristo Jesus tem por nós.

 

Que o Senhor abençoe a todos nós!

Uma boa semana a todos.

Rev. Cristiam Matos.

Passar por cima.

No livro do Êxodo no capítulo 12.1-51 encontramos a instituição da Páscoa, neste capítulo encontramos na noite a morte dos egípcios e a libertação dos hebreus. De forma clara observa-se a diferença entre o juízo e o livramento,  a morte e a vida, a condenação e a salvação, isso tudo através do sangue do cordeiro.

Israel estava a 430 anos em escravidão, o povo clamava por misericórdia, pela libertação, o trabalho era pesado, amargo. Faraó com o seu coração endurecido não libertava o povo. Moisés procurou faraó e levou o recado de Deus, “Deixe Meu Povo Ir”. Faraó ao receber o recado, oprime o povo ainda mais. Deus ao endurecer o coração de Faraó, enviou 10 pragas ao Egito, entre as pragas os primogênitos dos egípcios foram mortos, o Senhor abalou as pirâmides do Egito, quebrou o orgulho do Faraó, exerceu juízo sobre os deuses daquela nação.

A Páscoa foi o dia da independência de Israel, a noite do terror dos  egípcios foi a noite de libertação do povo de Deus. A mesma mão que feriu uns, resgatou também os escolhidos do Senhor. O Senhor ordenou que o povo passasse um pouco de sangue nas laterais e nas vigas superiores das portas das casas nas quais eles comeram o animal, assim o anjo que veio matar o primogênito passaria por  cima daquelas casas e não levaria o primogênito. A Páscoa trouxe unidade para Israel, salvação para os seus filhos e libertação do cativeiro. O povo agora estava livre para servir a Deus.

A Páscoa marca o começo, a redenção, a salvação, glorificação ou seja o que há por vir. Deus ao ordenar que os Israelitas aspergissem o sangue sobre as portas e as laterais, não tinham sido libertas, mas eles festejam o que ainda aconteceria, por isso a Páscoa nos lembra o que Deus fez e causa esperança no que há por vir.

A Páscoa é o começo de uma nova vida para o povo de Deus, a partir dali deixaram de ser escravos do Egito para serem peregrinos em direção a terra prometida. A  Páscoa revela que a família está no centro do projeto de Deus, por esse motivo a família celebra junta conforme registro no 3 versículo de Êxodo 12.

Deus salva Seu povo através do cordeiro que foi morto, o cordeiro representa a Cristo Jesus, o Messias, o filho do Pai. O cordeiro não poderia ser um com defeito, ele tinha que ser perfeito, a morte do cordeiro perfeito, sem mácula, aquele que nunca pecou, foi Cristo Jesus. Não foi a vida do cordeiro que salvou, não foi o exemplo do cordeiro que redimiu, não foi a presença do cordeiro na família que livrou-os da morte, mas, foi a morte do cordeiro, a morte de Jesus Cristo que nos trouxe a salvação. Sem derramamento de sangue não há remissão de pecados.

O sangue tem um significado muito importante é sinal da distinção, salvação e segurança. O que distinguia os egípcios dos israelitas naquela noite era o sangue, isso significa que existiam apenas dois grupos, aqueles que foram comprados pelo sangue da redenção e os que estão condenados por viver em pecado sem a remissão. O sangue foi o sinal da salvação, os anjos encontravam o sangue e ali não entravam para ceifar a vida do primogênito.  Somente o sangue do cordeiro pode salvar, e pode conceder-nos segurança. A morte de Cristo na cruz, traz perfeita segurança aos que são chamados pelo Senhor. Todo aquele que for salvo pelo sangue do cordeiro, alimenta-se do cordeiro, fora livrado da morte e do cativeiro.

O cordeiro não está no sepulcro, Ele vive e está sentado à direita do Pai, nosso Senhor qual fora morto, venceu a morte, está vivo, o sepulcro está vazio, Ele deu a sua vida, para que nós tenhamos vida. O Deus verdadeiro, único Deus entregou seu único filho para que nós tivéssemos vida, todas as gerações conhecem a Cristo e obtém a salvação, por crer nEle.

A Páscoa que celebramos é a Páscoa do Senhor, aqui em Êxodo 12 por 17 vezes o nome Senhor é mencionado, Ele é o centro da história da redenção, nosso Senhor revela o seu poder, Ele é o redentor para o Seu povo e o juízo para os ímpios. A morte não respeitou, idade, posição social, grau de instrução, os Israelitas não experimentaram a morte por estar debaixo do sangue do cordeiro.

A Páscoa deve levar-nos a mais profunda investigação em nossas vidas, com o intuito de saber se de fato todos os membros da família estão debaixo do sangue, leva-nos a um compromisso familiar de explicar para os nossos filhos o que Deus fez por nós. A Páscoa leva-nos para um único objetivo, à verdadeira e plana adoração ao Senhor.

Entenda que sem Cristo Jesus estamos condenados e não existe salvação para os que estão fora do cordeiro santo, que todos nós estejamos debaixo do sangue do cordeiro  e vivamos o momento em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em Espírito e em verdade.

Que o Senhor o abençoe ricamente. Feliz Páscoa a todos os filhos do Senhor!

Jesus Cristo é o nosso Senhor e Salvador, toda a glória, louvor e honra seja dada somente a Ele!

Que o Senhor nos fortaleça e pareçamos cada dia mais com Jesus Cristo.

Que a Graça do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão com o Espírito Santo esteja, concedendo-nos um coração como ao de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo.

Que o Senhor nos fortaleça!

Para onde irei após a morte?

Há muitas ideias sobre o que acontece quando morremos. Uns dizem que todos são aniquilados. Outros, que todos vão para o céu. Outros ainda acreditam num lugar onde as almas pecadoras se preparam e se purificam para o céu. Para o cristão que tem a bíblia como sua regra de fé e prática, ao buscar na escritura, não há nada na Bíblia que dê apoio a qualquer destas ideias.

A bíblia apresenta-nos duas alternativas de continuidade de vida após a morte:

  1. Presença de Deus Eterna (salvação eterna).
  2. Ausência de Deus Eterna (condenação eterna).

Neste sentido temos à seguinte conclusão, com Cristo, salvação, sem Cristo, condenação. 

  1. Presença de Deus Eterna

Nesse caminho estão os que tiveram seus pecados perdoados. Eles serão bem-vindos ao céu e passarão a eternidade na gloriosa presença de Deus. O desejo do cristão é estar na presença do Senhor para adorá-lo. Aqueles a quem o Senhor chamou, tem o desejo no coração de adorar ao Senhor hoje e por toda a eternidade. Essa adoração não vem por obrigação, mas, um desejo incomparavelmente inexplicável. Algo tão intenso que todas as forças estão voltadas para o Senhor.

Alguns textos bíblicos apontam para o gozo da presença de Deus, já a partir da morte dos que, em Cristo, tiverem seus pecados perdoados. O Senhor Jesus, enquanto estava sofrendo a morte de cruz, disse a um dos ladrões que estavam sendo crucificados com Ele:

“Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.”, conforme registro no evangelho de Lucas 23.43, três versículos após Depois, “clamou em alta voz: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito! E, dito isto, expirou.” Lucas 23.46

Não é interessante pensar que Jesus garantiu que o ladrão perdoado estaria com Ele no paraíso, e logo se entregou à morte e foi para o Pai?

Que ensino extraordinário, confortante!

Jesus foi para os braços do Pai e recebeu também o pecador perdoado!

O apóstolo Paulo declarou em Filipenses 1.21,23: “Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro.” “Ora, de um e outro lado, estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor.” De acordo com Paulo, “partir” (que no caso aqui significa morrer) era partir para estar com Cristo imediatamente.

Portanto, se o pecador tem o relacionamento correto com Deus, ou seja, se o pecador foi perdoado de seus pecados, e isso, só é possível por meio da obra de Jesus Cristo realizada na cruz do Calvário. Quando Cristo carregou sobre si os pecados, então esse pecador perdoado, ao morrer, passa imediatamente a desfrutar da presença gloriosa de Deus, aguardando o dia da ressurreição para sua glorificação final.

Para esses salvos no Senhor Jesus Cristo, no Dia do Juízo Final, seus nomes estarão escritos no Livro da Vida, somente o nome, sem seus pecados. Eles não serão julgados com respeito à condenação, pois Cristo já foi julgado e condenado em lugar deles.

Glórias ao nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo! 

  1. Ausência de Deus Eterna

Aqueles que não tiveram seus pecados perdoados, que não foram redimidos, não creram em Jesus Cristo, como seu Senhor e Salvador, estarão longe, fora da presença gloriosa de Deus. Nesse caminho estão os que não tiveram seus pecados perdoados, culminará na eterna tristeza, ausência da graça, na escuridão total. A Bíblia chama esse lugar de inferno.

O inferno não é uma coisa inventada pela igreja para colocar medo nas pessoas com a intenção de ter domínio e controle sobre elas, mas uma realidade apresentada por Jesus e outros textos bíblicos.

Encontramos a afirmação do próprio Jesus registrado no evangelho segundo Marcos 9.42-48 que se a mão, ou o pé, ou um dos olhos faz alguém tropeçar, é melhor cortar a mão, ou o pé, ou ainda arrancar o olho que está fazendo tropeçar, pois é melhor entrar na vida sem uma mão, ou sem um pé, ou sem um olho, do que ser o corpo todo lançado no inferno.

Obviamente, esse ensino de Jesus não deve ser tomado literalmente, pois não adianta arrancar um olho para não ver algo que o faz tropeçar, e continuar pensando na mesma coisa que o faz tropeçar. Jesus estava se referindo a deixar de fazer, deixar de andar por aquele caminho, ou ainda deixar de olhar, isso significa que é para cortar da vida o que lhe faz tropeçar. Cortar pela raiz o que lhe faz tropeçar e lançar fora, jogar fora.

O Senhor Jesus revelou ao apóstolo João que no Dia do Juízo Final todos comparecerão diante de Deus, para serem “julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros.”  Conforme registro no livro do Apocalipse 20.12.

Mas o que tem registrado nos livros?

As obras pecaminosas de todos os pecadores. Eles serão julgados e condenados eternamente por todos os seus pecados, nenhum escapará, as ações, os pensamentos, os segredos mais ocultos, nada escapará do julgamento perfeito de Deus.

O pecador não perdoado de seus pecados carrega sua conta, seu débito, sua própria condenação para o túmulo, e a partir da morte já experimenta a ausência de Deus, embora fica também aguardando o Dia do Juízo Final, onde a condenação será, finalmente, declarada e ordenada.

Conforme a pergunta inicial, Para onde iremos após a morte?

Essa pergunta só pode ser respondida em duas perspectivas:

  1. Iremos com Cristo para a presença de Deus, por toda a eternidade, isso significa a salvação.
  2. Iremos sem Cristo para a ausência de Deus, por toda a eternidade, isso significa a condenação.

João no 3.18 registra de forma extraordinária o que Jesus Cristo concede para aquele que crê nEle.  “Quem nEle crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.” 

Que o Senhor alcance os Seus e conceda-nos um coração cheio de desejo para buscá-lo e viver nEle.

Toda honra, Glória e louvor seja dada somente a Jesus Cristo, nosso Senhor e salvador!

 

Uma boa semana a todos.

Rev. Cristiam Matos.

Justificação Pela Fé – Romanos 3.21-26

A justificação de Deus é a única forma do cristão obter a salvação. Deus não anula a Sua Lei para justificar o ímpio, aquilo que você não pode fazer, Deus fez por você. O novo testamento afirma repetidamente que os cristãos são salvos com base na obra de Cristo e em seu favor.

A justificação desempenhou um papel significativo na teologia de João Calvino. Ele acreditava que um relacionamento salvador com Deus não pode existir separadamente da justificação. Calvino assim como Lutero, enfatizava que a justificação é somente pela fé. Um relacionamento correto com Deus não pode ser obtido por obras, por esse motivo o único caminho para a salvação é a fé. Contudo, a fé não pode ser construída como uma obra, como se a fé, por si, justificasse, pois se fosse assim, então a fé seria uma boa obra que nos torna justos com Deus.

A fé é um instrumento que nos une a Cristo, logo, os crentes são justificados por Cristo, o crucificado e ressurreto. A fé, por si, estritamente falando, não justifica. A fé se justifica como um instrumento, recebendo Cristo por justiça e vida. A fé não é uma aquisição na salvação, mas uma ação de Deus na vida do homem, a fé é um dom vindo de Deus para nós. Neste sentido, quando o Senhor alcança aos Seus, Ele abre a mente, os ouvidos e o coração do homem, para que crer em nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Segundo Calvino a fé é viva, ativa e vital. A fé verdadeira tem um efeito poderoso sobre as nossas vidas. Nós sentimos a doçura do amor de Deus e somos dominados, cativados completamente por ela, nossos corações são atraídos a colocar nossa confiança em Deus. A fé é um dom de Deus, mas podemos também afirmar que a fé deriva da Palavra de Deus, do ouvir de Deus. A fé, coloca a sua confiança na Palavra de Deus e em sua promessa, por isso ela deriva da Palavra de Deus e do evangelho de Jesus Cristo. Deus mandou seu único Filho, Jesus Cristo, como nosso substituto. Jesus Cristo pagou a pena pelo pecado do homem. Deus é Justo e não poderia justificar o homem comprometendo a Sua Lei. O salário do pecado é a morte, o homem pecou e merece a morte.

A condenação é justa, mas Deus, por amor, deu Seu Único Filho para morrer a nossa morte e assim pagar o preço do nosso resgate.

Nós somos justificados por causa dos méritos de Cristo, da perfeita obra de Cristo, por conta do sacrifício de Cristo, somente alguém, sem pecado, nascido de uma virgem, puro, poderia vencer a morte. Somente Ele podia pagar o preço de nossa justificação, Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Quando Jesus Cristo veio, Ele foi para a cruz em nosso lugar, quando Jesus estava lá na cruz, depois de ser humilhado, cuspido, torturado, açoitado, zombado, exposto naquele momento de horror e vergonha. Deus fez cair sobre Ele a iniquidade de todos nós.

Deus jogou sobre Ele a nossa maldade, incredulidade, impureza, vaidade, orgulho, soberba, ou seja, todos os nossos pecados. Jesus foi ferido, foi traspassado pelas nossas iniquidades, e quando Jesus estava no alto daquela cruz, Ele foi feito pecador por nós, toda a condenação que o nosso pecado merecia estava sobre Ele. Jesus pagou o maior preço, nenhum de nós seríamos capazes de pagar. Neste  sentido, a Justificação é o ato de Deus mediante o qual Ele, em sua graça, declara justo o pecador pelos méritos de Cristo, isentando-o de qualquer condenação e recebe esta Justificação pela fé, através de Cristo Jesus.

O homem recebe a Justificação, por receber a justificação temos fé, o homem não pode se vangloriar nela, porque a fé é um dom de Deus. A justificação acontece pelos méritos de Cristo e somente pela fé nEle. Deus não torna o homem bom para salvá-lo, isso não é Justificação, não podemos confundir Justificação com Santificação.

A Justificação não se refere a uma mudança intrínseca no indivíduo, e sim a uma declaração feita por Deus. Visto que não temos justiça própria e somos culpados diante de Deus, Ele nos declara justos com base na expiação de nossos pecados por Cristo e na sua justiça imputada a nós.

Cristo Jesus foi considerado pecador e recebeu o castigado em nosso lugar, tomou o nosso lugar e deu-nos o lugar dEle, tomou o nosso pecado e deu-nos a Sua Justiça.

A Justificação é um ato único e exclusivo e não se repete, não acontece dentro de nós, não é algo que Deus faz em nós, mas é algo que Deus faz por nós, para a glória dEle. Ela é uma justiça imputada, atribuída somente a Ele, por Ele e através dEle.

A Justificação é pela graça, reconciliando-nos com o Pai, mediante a fé, com base somente nos méritos de Cristo. Deus não somente nos declara justos com a Justificação, mas posteriormente nos torna justos com a Santificação.

A fonte da Justificação é a graça de Deus, o fundamento da Justificação é a obra de Cristo e o meio da Justificação é a fé. Aqueles que creem em Jesus Cristo, estão livres da condenação.

Jesus Cristo ao fazer-se homem, morrendo na cruz, pega o escrito de dívida que havia contra nós, rasga este escrito de dívida e a encrava na cruz. Está pago!

Aquele que crê em Cristo Jesus não deve mais nada, pois foi justificado. Naquele momento Jesus Cristo pagou, toda a sua, a minha a nossa dívida.

Cristo Jesus livra-nos da punição e desta forma nos torna justo. Por isso que a Justificação é mais do que o perdão.

Não pode haver condenação para quem foi justificado.

Que nosso Senhor abençoe nossas vidas e vivamos para proclamar esse maravilhoso ato, a justificação em Jesus Cristo.

Louvado seja nosso Senhor e Salvador!

Uma boa semana.

Rev. Cristiam Matos

 

 

Oração com intimidade

Neemias orou com intimidade

Todo começo de ano temos a semana de oração, momentos dedicados somente a conversar com o Senhor. Para nossa reflexão hoje, falaremos sobre oração, esse momento extraordinário de falarmos com o Senhor. Para nossa instrução usaremos Neemias.

Durante quatro meses Neemias orou a Deus “dia e noite” em favor do seu povo. Não encontramos relatos de que a oração de Neemias, era para os exilados retornarem à Palestina, mas, para que Deus os protegesse. Ele sabia que somente o Senhor com sua proteção sobrenatural, a cidade poderia sobreviver e ser restaurada. 

Neemias era copeiro do rei, posição essa, de destaque e de confiança na corte persa, a obrigação do copeiro, era provar o vinho e a comida do rei, para verificar se não estava envenenado. Segundo alguns estudiosos da história antiga, o copeiro tinha mais influência que o comandante em chefe.

Observe que a posição de Neemias, não lhe subiu a cabeça, não ficou soberbo, não deixou que a vaidade o consumisse, não se afastou de Deus, manteve sua intimidade com o Senhor. Ele orava confiando no Senhor, dessa maneira sua intimidade com Deus era preservada.

Umas das lições que aprendemos aqui, é a intimidade que o cristão deve ter com Deus. Todo cristão deve nutrir uma vida de oração, ela é o balsamos do cristão, seu combustível, o momento que a conversa com o Pai se torna próxima.

Neemias não contou sua aflição para outro, ele procurou o Senhor, colocando diante dEle sua dor. Neemias sabia que somente o Senhor, o Deus, Reis dos reis, qual tem o controle de todas as coisas, ouviria sua oração, com o espírito consolador restauraria a cidade e daria paz ao povo.

Neemias tinha intimidade com Deus, orava ao Senhor nos momentos de dificuldade do próximo, de luta em que a cidade estava passando. Observe que a oração de Neemias não era em benefício próprio, seus pedidos eram em prol dos outros, da cidade. Jesus Cristo não orou em benefício próprio, mas sempre pelo próximo.

Neemias usa a expressão “Perante o Deus dos céus”; O que entendemos pela expressão “perante o Deus dos céus”?

Está expressão nos dá base para reafirmar a intimidade que Neemias tinha com o Senhor, pois, estar perante o Deus é como contemplar o seu rosto. O salmista Davi pedi somente uma coisa, “A Deus, o Senhor, pedi uma coisa, e que eu quero é só isto: Ele me deixe viver na sua casa todos os dias da minha vida, para sentir, maravilhado, a sua bondade e pedir a sua orientação.”

Esta oração tem que estar nos lábios do cristão, adorar a Deus, estar na presença de Deus, contemplar o rosto de Deus, ouvir a voz do Senhor, pedir-lhe conselhos.

Buscar ao Senhor, morar na casa do Senhor é desfrutar da presença de Jesus Cristo ao longo de toda a vida. Desfrute de Jesus Cristo, tenha intimidade com Ele, sinta prazer de colocar-se como servo de dEle, chore na presença do Senhor.

A Escritura Sagrada apresenta a nós o grau de intimidade de Moisés com Deus, “face a face”, seu prazer estava no Senhor, ele tinha intimidade com o Pai.

Abrão gozava desta intimidade com Deus a ponto de ser chamado o “amigo de Deus”.

Jesus era muito íntimo de Deus quando orava, Ele nos ensinou a orar com intimidade, Ele intercede por nós até hoje, demonstrando que a oração é nutrir a intimidade com o Senhor. Oremos assim, como Jesus Cristos ensinou, como Neemias orava.

Tenha intimidade com Senhor!

Nesta devocional, aprendemos que precisamos interceder pelo próximo, sentimos que precisamos ter mais intimidade com o Senhor, ter mais tempo com o Senhor, colocando-se de joelhos e conversando com o nosso Salvador.

Que o nosso Senhor Jesus Cristo, conceda a nós um coração ensinável e desejável por Ele. Que nossos joelhos estejam dobrados para falar com o Senhor, todos os dias.

Que o nosso Senhor e Salvador, abençoe sua vida e oremos, pelo nosso país, governantes, líderes religiosos e pelo crescimento do evangelho.

Que o avivamento venha do céu, começando em mim e seguindo além!

Louvado seja o Nome do Nosso Senhor.

Rev. Cristiam Matos

Um Regresso Feliz

No dia 25 de dezembro os cristãos se reúnem para louvar em forma de gratidão, pois Cristo Jesus nasceu. O centro de toda adoração pertence ao Senhor, Ele é maravilhoso, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz, Maravilhoso Conselheiro, somente a Ele toda honra, Glória e Louvor. Registro de Lucas no oitavo capítulo, oitavo ao décimo versículo, encontramos a descrição da ressurreição de Cristo, as mulheres viram que o túmulo estava vazio. Cristo Jesus nasceu, cresceu e morreu para a glória do Pai, Ele amou-nos de tal maneira que entrega sua vida por amor pleno no Pai e nós, recebemos parte dessa graça. O texto nos mostra que as mulheres estavam indo a sepultura de Cristo, imagine a dor que elas sentiram, o quanto sofreram ao ver Jesus sendo crucificado, elas eram amigas e seguidoras de Jesus. Viram seu Mestre sendo entregue nas mãos de homens pecadores, presenciaram à sua crucificação, elas estavam no Calvário, jamais poderiam elas esquecer o que tinham visto e consequentemente suportado.

Jesus dissera aos discípulos por pelo menos três vezes, o que iria suceder-lhe, e como Ele de sua própria vontade daria sua vida por suas ovelhas. Se somarmos todas as alusões à sua morte e ressurreição, feitas em linguagem figurada, seria muito mais que isso.

Essas mulheres foram muitas vezes vistas entre os discípulos, ou seja, desde o princípio elas também tinham ouvido as importantes coisas que iram acontecer, como o Senhor havia alertados a todos.

As mulheres sabiam que Jesus não se referira somente à cruz que se avizinhava, mas também à sua ressurreição ao terceiro dia. Elas foram neste momento lembradas pelos anjos destes acontecimentos, então deram conta de que o Mestre não estivera falando da ressurreição no último dia, mas daquela que agora tinha realmente se concretizado. Se elas precisavam de algum auxílio adicional para a memória, o túmulo vazio e a mensagem confirmativa, procedente dos lábios desses visitantes celestiais, supriram essa necessidade de forma plena.

Quando ele no princípio falou sobre essas coisas, as mentes dos discípulos, provavelmente estavam preocupadas com outros conceitos, mas a ressurreição colocou todos os seus ensinamentos em uma nova perspectiva.

As mulheres então retornaram felizes, pois sabiam que Cristo já não estará mais morto, elas então retornam para contar aos onze discípulos que Cristo estava vivo. Mas seu retorno não foi como a sua ida para o sepulcro, elas voltaram felizes para anunciar que o Senhor estava vivo.

Elas informaram aos discípulos de Jesus, como lhes fora dito para fazer. Mas ao contar aos discípulos eles disseram que era tolice o que elas estavam anunciando. A palavra grega é lêros que significa tolice, aqui traduzida como delírio.

Pedro se levanta e corre até o sepulcro, e vê que os lençóis eram faixas largas enroladas à volta do corpo, ali postos, não havia nenhum corpo dentro deles, mas tinham a mesma posição de antes quando ele estivera ali. Maravilhado Pedro não podia compreender por que as faixas foram deixadas e como o corpo pudera ser retirado de dentro das faixas.

Pedro então fica maravilhado e retorna feliz, assim como aconteceu com as mulheres, pois entendeu que Jesus Cristo prometeu ressuscitar ao terceiro dia e ressuscitou.

A ressurreição de Cristo é algo fantástico, o não cristão vive triste pois não conhece a Cristo, por mais que ele tenha suas conquistas, nada supri, nunca é suficiente. Quando Ele nos alcança ficamos maravilhados pelo que nosso Senhor fez e logo iremos morar com Jesus Cristo, qual será o regresso ao nosso lar, onde felizes estaremos com nosso Senhor e salvador por toda a eternidade.

As mulheres estavam tristes ao ir ao sepulcro, ficam maravilhadas ao descobrir que o Senhor Jesus Cristo estava vivo e regressam felizes pois o Senhor venceu a morte e venceu o mal.

Da mesma forma que as mulheres se sentiram quando descobriram que Cristo Jesus está vivo, nós nos alegramos em anunciar o evangelho de Cristo Jesus, quando Ele nasceu os pastores se alegram e foram até o Cristo Jesus para glorificar ao nome dEle. Nós alegramo-nos por anunciar as boas novas.

Glória ao nosso Senhor, pois Ele nasceu e está vivo! 

O crente sabe que seus pecados são perdoados, Cristo Jesus veio ao mundo para dar-nos perdão, pela sua graça. Sabemos que temos um Salvador que vive sempre para interceder por ele, que o guarda, que o orienta por meio de seu Espírito e que um dia regressará para ele. Ele sabe que seu corpo também um dia ressurgirá gloriosamente, transformado para a glória do nosso Senhor

Somente aquele que, pela graça de Deus, aprendeu a gloriar-se na morte de Cristo é capaz de verdadeiramente, gloriar-se em sua ressurreição. A cruz e a coroa não podem ser separadas.

Cristo Jesus nasceu e Ele vive, hoje e para todo sempre. Glória a Deus nas alturas.

Um Feliz Natal a todos!

Rev. Cristiam Matos

 

Mediante a Fé

A carta que o Apóstolo Paulo escreve aos Romanos no quinto capítulo nos versículos primeiro e segundo, trata sobre a fé em Cristo Jesus. O apóstolo Paulo escreveu treze epístolas do Novo Testamento. Ele era filho de uma família judaica da tribo de Benjamim, que gozavam dos privilégios da cidade romana, ao nascer, recebeu o nome de Saulo (do hebreu), que mais tarde alterou para Paulo (do latim), depois da conversão e do batismo. Paulo foi alcançado por Cristo Jesus a caminho de Damasco, ele estava perseguindo os cristãos. Cristo retira a visão de Saulo, pergunta a “ele porque me persegues”. Jesus ordena a Ananias para ir ao encontro de Saulo, ao chegar lá Ananias impôs suas mãos sobre a cabeça de Saulo e ele recupera sua visão, após Cristo o alcançar, Paulo inicia seu trabalho itinerante, pregando, ensinando que em Cristo Jesus temos paz, em Cristo Jesus somos justificados, em Cristo Jesus somos perdoados.

O apóstolo Paulo demonstra essa paz e confiança em Cristo Jesus, ao passar pelas tribulações, encontramos esse testemunho de confiança de Paulo a Cristo Jesus. A saber segue apenas algumas dessas situações: 1) Teve de descer em um cesto para fugir de uma prisão: Em 2Coríntios 11.32-33, relata que Paulo teve que ser içado por uma janela de uma muralha como se fosse um criminoso fugitivo, a fim de escapar do apetite voraz de governantes injustos que queriam a sua cabeça. 2) Foi expulso de Antioquia: Em Atos 13.50-51, vemos uma conspiração entre os judeus, mulheres e homens de alta posição da cidade para expulsar Paulo da cidade pelo simples fato de expor o evangelho naquele lugar e estar havendo conversões. 3) Foi apedrejado quase até a morte em Listra: Em Atos 14.19, encontramos Paulo sendo arrastado por uma multidão para fora da cidade e foi apedrejado por essa multidão e, provavelmente, tenha desmaiado, fato este que fez a multidão achar que ele estava morto. 4) Na Macedônia foi açoitado, preso e amarrado com os pés em um tronco: Em Atos 16.23-24, Paulo foi preso porque expulsou um demônio de uma jovem adivinhadora que dava muito lucro aos que a exploravam. Por isso, foi açoitado, lançado na cadeia e teve seus pés amarrados em um tronco. 5) Foi perseguido pelos judeus de Tessalônica porque pregou em Bereia: Em Atos 17.13-14 vemos que Paulo sofre perseguição dos próprios judeus, devido ter pregado em uma sinagoga em Bereia. Por causa disso, mais uma vez, teve de fugir desses judeus que queriam a sua morte. 6) Pregou contra outros deuses em Éfeso: Em Atos 19.23-26 alguns ourives, temendo ficar sem seu lucro por produzirem imagens de deuses para adoração, incitaram grande tumulto contra Paulo e outros discípulos, o que fez a estadia de Paulo nessa cidade ainda mais perigosa. 7) Em Jerusalém ele foi acusado injustamente de ter levado um grego ao templo e, por isso, é perseguido e quase é morto: Esse registro encontramos em  Atos 21.27-31, novamente os judeus fazem uma grande confusão por deduzirem que Paulo teria profanado o templo levando um grego (Trófimo) até lá. Eles incitam as pessoas e Paulo é arrastado para fora do templo, espancado e quase é morto pela multidão. 8) Preso e enviado a Roma, sofre um naufrágio em Mileto: Esse registro encontramos em Atos 27.13-20, Paulo foi injustamente preso, levado de navio até Roma, onde teria uma audiência sobre sua prisão injusta. No caminho, o navio deles sofre um grave naufrágio devido a uma tempestade. 9) Na ilha de Malta ele é picado por uma cobra venenosa: Em Atos 28.3, vemos que, após se recuperar do grave naufrágio, Paulo é picado por uma cobra venenosa que estava escondida entre os gravetos que ele pegava para fazer uma fogueira.

O apóstolo Paulo, passou por grandes lutas, porém em todas as circunstâncias, sempre glorificou ao Senhor. Sua fé em Cristo Jesus lhe dava Paz com Deus, esperança e reconciliação. Ele deixou claro que a justificação é um ato exclusivo de Deus, argumentou que a justificação pela fé não é uma novidade, mas uma verdade já presente na antiga dispensação e demonstrada na vida de Abraão, o progenitor da nação israelita e pai de todos os que creem, tanto judeus como gentios. Paulo mostrará os benefícios que emanam da justificação quanto ao passado, presente e futuro. Todos os que têm esta nova vida em Cristo estão livres da ira (capítulo 5), livres do pecado (capítulo 6), livres da lei (capítulo 7) e livres da morte (capítulo 8) de Romanos. As bênçãos da doutrina da justificação pela fé, culminam na Paz com Deus, Alegria no Sofrimento e na Alegria em Deus.

Nos versículos primeiro e segundo encontramos o apóstolo Paulo tratando da paz com Deus. A paz com Deus é uma bênção ligada ao passado. Trata-se de algo que já aconteceu. Não é a paz de Deus encontrada em Filipenses 4.7, mas a paz com Deus. Paulo está tratando de forma mais profunda, está tratando do relacionamento com o Senhor, é a paz da reconciliação com Deus. Por intermédio do sacrifício de Cristo, a barreira que nos separava de Deus foi destruída. Não somos mais filhos da sua ira, mas filhos do seu amor. A paz com Deus é uma bênção passada, consumada no ato de nossa justificação, o acesso à graça da justificação é um privilégio presente e contínuo. Por meio de Cristo temos acesso a esta graça na qual estamos firmes. Somos aceitos, apresentados como filhos, herdeiros, cidadãos do reino do céu, é a permissão de entrada na presença de um Rei mediante o favor de outrem. Jesus nos introduz na presença de Deus, abre-nos as portas à presença do Rei dos reis, e encontramos a graça, a imerecida bondade de Deus. O único passaporte para esse glorioso lugar é a fé. A paz com Deus refere-se ao efeito imediato da justificação, o acesso à graça diz respeito ao efeito contínuo da justificação, e a esperança da glória se relaciona ao efeito final da justificação. A paz nos convida a olhar para trás, para a inimizade que acabou. A graça nos faz olhar para o nosso Pai, sob cujo favor agora permanecemos. A glória, olhamos adiante, para o nosso objetivo final, até o momento em que veremos e refletiremos a glória de Deus, a glória que é o objeto de nossa esperança.

Hoje podemos encontrar no Senhor a plenitude de alegria, Cristo mostra que no sofrimento encontramos paz, essa paz encontramos no Senhor. Um cântico muito lindo remete a essa paz, quando o autor escreve; “Essa paz, que sinto em minha alma, não é porque tudo me vai bem, não, não é. Essa paz que sinto em minha alma é porque eu amo ao meu Senhor. Não olho as circunstâncias, olho só o seu amor, seu grande amor, não me guio por vista, alegre estou.” A paz com Deus traz em nossas almas o gozo e a alegria de viver somente para Cristo Jesus. Essa paz encontramos apenas em Cristo.

Já não há condenação para aqueles que amam ao Senhor, vivem para o Senhor, glorificam ao Senhor. Talvez você esteja sem paz, não encontre a plena alegria, quero convidar você a orar ao Senhor, confiar em Cristo Jesus, suplicando ao Pai para que conceda a Fé em Cristo Jesus. Mediante a Fé todos encontraremos a Paz com Deus.

Que o Senhor abençoe ricamente sua vida. Que a paz esteja com todos hoje e para todo sempre.

Que o Senhor o abençoe!

Rev. Cristiam Matos

Amar como Cristo Jesus

O maior mandamento que o Senhor nos dá, é o amor, Jesus Cristo ensino a como amar, assim como o Pai amou-nos primeiro. O apóstolo Paulo escreve sua carta aos efésios, conforme registro no quinto capítulo nos versículos vigésimo segundo a vigésimo nono. Nestes versículos Paulo apresenta a Cristo como o cabeça da igreja, o salvador.

O Senhor amou a igreja de tal forma que entregou a si para que a igreja tivesse vida. Jesus Cristo entregou-se de forma plena e perfeita, somos lavados e restaurados, por intermédio de Cristo. O amor que sentimos por Cristo foi dado a nós pela graça divina.

Jesus ensina que o amor é a fonte de restauração, pois quando amamos assim como Cristo amou, o casamento se torna centrado em Cristo, os filhos obedecem ao mandamento honrar os pais, a esposa ama o marido e torna-se sábia e edifica a casa.

O amor ensina a ser obedientes, humildes e entender que tudo o que temos, foi dado a nós por intermédio de Cristo.

A palavra de Deus é perfeita, boa e agradável, nela contém o mais sublimes dos ensinamentos, esse ensinamento que em meio a adversidades somos sustentados, fortalecidos e restaurados. Assim também podemos dar suporte a todos os que estão passando por dificuldades, tanto familiar como pessoal.

O apóstolo Paulo aplica o amor de Cristo em sua vida, ele foi expulso, preso, açoitado, julgado, mas sempre orou, ensinou com todo amor. Ele sabia que tudo o que estava acontecendo não teria nenhuma importância se fosse por amor a Cristo Jesus.

Neste sentido de forma extraordinária percebemos que se o amor de Cristo está em nossas vidas, é porque recebemos entendimento e o desejo de amar como Cristo amou. Talvez você esteja vivendo uma grande dificuldade ou passando por uma enorme tristeza. A cura para essa dor, não está em barganha, mas em olhar para Cristo, quando somos fracos, Cristo nos fortalece.

Cristo amou a igreja, salvou a igreja, santificou a igreja, purificou a igreja, através do amor, verdadeiro e puro sem esperar nada em troca, a não ser o desejo de agradar ao coração do Pai. Olhe para Cristo Jesus e vivamos como Cristo viveu, pois assim seremos fortalecidos e amaremos como Cristo amou-nos.

Que o Senhor o abençoe!

Rev. Cristiam Matos

O Senhor é a fortaleza – Salmo 27.1-14

Em momentos na vida por conta das adversidades nos sentimos totalmente sem energia, o salmista Davi faz este apelo registrado no vigésimo sétimo capítulo de Salmo. Aqui temos um apelo pessoal ao Senhor, expresso em face de prementes ataques. No terceiro versículo percebemos um quadro de ataque, que ele estava enfrentado, podemos pressupor que Davi está falando como rei, ou seja, seu país estava sendo atacado.

O texto mostra que a sua confiança não está em suas armas ou em seu poder militar, mas sim, no Senhor. Davi sabia que o General, Senhor dos senhores, Rei dos reis, tem todo poder, neste sentido sua confiança está no Senhor.

Nossa força estimada em nossa confiança é o maior erro que podemos cometer, sem Jesus Cristo somos fracos e permanecemos sozinhos sem forças. Um cristão não confia em si, ele confia no Senhor.

O Salmo de Davi, demonstra seu grande interesse em ter Deus ao seu lado, e ele estar ao lado de Deus. Claramente percebemos que Davi gostava de cantar, orar e esperar em Deus, de forma clara podemos observar essa afirmação em suas poesias.

Observe que o Salmo apresenta dois paralelos interessantes entre o salmista e Deus.

  1. Deus está com Davi, em paralelo, Davi está com Deus
  2. Davi fala a Deus, em paralelo, Deus fala a Davi.

A Escritura em suas traduções traz os seguintes temas como sugestão para o Salmo 27, “Com Deus não temeremos” (Nova Almeida Atualizada); Anelo pela presença de Deus” (Atualizada); “Confiança em Deus e anseio por sua presença” (Almeida / Século 21); “Minha Luz e Minha Salvação” (Derek Kidner).

A escritura traz todos os temas voltado para a confiança no Senhor, somente Ele é nossa fortaleza, rocha forte, O Deus forte, Príncipe da paz, Pai da eternidade. Davi expressa sua confiança no Senhor quando pergunta, “de quem terei medo?”. Nos versículos primeiros ao terceiro, Davi expressa que Deus está comigo, tendo Deus ao seu lado, Davi sentia-se seguro, protegido, guardado, “…de quem terei medo?” “…a quem temerei?” Davi considerava Deus como luz, salvação, fortaleza. E, mesmo que os malfeitores tentassem o destruir, ir contra ele, não haveria motivos para temer, pois Deus estava com ele, e isso fazia toda diferença. Os inimigos só podiam agir dentro do permitido por Deus. Nada acontece sem a permissão de Deus e permissão com determinação até onde poderia ir. Mas se Deus estava com Davi e observe que a ação vem do alto, agora Davi está com Deus, conforme os versículos quarto a sexto, Eu estou com Deus. A humanidade gota do que é belo, bonito, maravilhoso, por isso buscam, almejam tentam obter, alcançar. Davi considerava Deus maravilhoso e belo. Por isso, desejava intensamente Deus e se esforçava sobremaneira para viver ao lado de Deus em constante louvor.

Davi inicia a segunda parte do paralelo desta poesia de forma tão bela, o homem foi criado para ter relacionamento direto, para ter interação, e Davi confia de tal forma no Senhor que ele conversa com o Senho. Agora nos versículos sétimo a décimo encontramos Davi informando, Eu falo e Deus ouve. Davi crê que Deus está sempre atento, com os ouvidos voltados para ele, neste sentido o Senhor estava atento para ouvir sua oração. Que maravilho, extraordinário momento é falar com o Pai, nós falamos e Ele ouve. Davi falava e o Senhor ouvia. Em diversas vezes encontramos de forma triste relatos de pais que abandonaram seus filhos. Muitos pais abandonam seus filhos, mas, Deus jamais os abandonará. Deus nunca está ocupado demais para não ouvir o clamor de seus filhos. Observe que se Davi fala com Deus, então Deus fala e Davi obedece, conforme os versículos décimo primeiro ao décimo terceiro. Deus fala e eu obedeço, Davi respondia a Deus de uma forma maravilhosa, ele obedecia e andava nos caminhos do Senhor. Davi era coerente, Deus ouvia o seu clamor; Davi, por sua vez, ouvia a voz de Deus e se guiava pela Palavra do Senhor. Assim, Davi sentir-se fortalecido.

O décimo quarto versículo Davi faz um apelo a que outros sigam o exemplo do salmista, ainda que seja possível que esteja falando a si próprio como uma palavra de auto encorajamento. De uma fé forte no Senhor flui feitos poderosos em seu nome. O “coração” se situa no centro de sua vida como um todo. De todo o seu ser, ele está desejoso, como Josué conforme registro em Josué 24.15, que mostra seu desejo de servir ao Senhor.

Neste texto, o vigésimo sétimo capítulo do livro de salmo encontramos ensinamentos grandiosos para nossas vidas, Deus está com Davi e Davi está com Deus, encontramos a confiança que ele tinha no Senhor. Davi sumaria em três palavras o que o Senhor significava para ele, a saber, “luz, salvação e fortaleza”, conforme o primeiro versículo.

Como traz conforto e segurança saber que Deus está no controle de todas as coisas, é maravilhoso saber que Deus está ao nosso lado! Isso fortalece-nos e dá segurança, pois tudo está no controle de Deus, e isto significa que tudo o que nos acontece tem a mão providente de Deus por trás. Deus é bom o tempo todo, o tempo todo Deus é bom.

Esse texto traz um grande alerta ao homem, devemos tomar cuidado para não tratarmos Deus com indiferença. Deus é extraordinário, maravilhoso, perfeito Senhor, o único Senhor. Por isso, devemos querer viver intimamente com Deus. Nosso Senhor amou os seus de tal maneira que entregou o seu único filho e ensinou a todos como agradar ao Seu coração. O verbo que se fez carne, habitou entre nós. O Senhor amou a cada um, primeiro para que o amássemos, com todas as nossas forças, para louvor e adoração ao Seu Santo, Santo, Santo nome. É reconfortante, bom demais saber que Deus ouve nossa oração! Deus não nos rejeita. Pai e mãe podem rejeitar seus filhos, porém Deus, jamais rejeitaria os seus.

Mas será que temos disposição em ouvir a Palavra de Deus? Entendamos o verbo “ouvir” como sinônimo de “obedecer”. Se Deus ouve nossa oração, é justo que ouçamos e obedeçamos a Palavra do Senhor.

Que sejamos como Cristo Jesus, Ele falou com o Pai, o Pai o ordenou e Ele o ouviu, ou seja, obedeceu conforme fora ordenado. Viver no centro da vontade do Senhor é louvar, glorificar ao Senhor.

Que a graça do Nosso Senhor e salvador Cristo Jesus, o amor de Deus o Pai e a comunhão com o espírito Santo esteja sobre todos nós, hoje e para todo sempre. Amém!

Que Deus abençoe sua vida e vamos obedecer ao Senhor!

Rev. Cristiam Matos