Por que a Cruz?

A cruz é o elemento central da obra de Cristo, a Bíblia toda aponta para a cruz. O apóstolo Paulo em sua primeira carta aos Coríntios no segundo capítulo e segundo versículo afirma: “Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado.”
Toda a Bíblia Sagrada aponta para Jesus Cristo, sua morte e ressurreição. Sua vida não foi marcada pelo pecado, ou seja, Cristo foi perfeito, não cometeu erros, não caiu em tentações. Seus extraordinários ensinamentos, milagres, foi importantíssimo, mas o ponto nevrálgico do seu ministério foi sua morte na cruz. Mas o que torna a morte de Cristo na cruz tão importante?
Jesus foi o substituto, morreu a nossa morte, entregou sua vida em nosso lugar. No primeiro livro da Escritura Sagrada encontramos a substituição que Ele faria, conforme vamos aprofundando nos livros, essa evidência se torna cada vez mais forte.
No livro escrito por Moises encontramos, Deus pedindo para Abraão oferecer Isaque, seu filho, como sacrifício. Ele obedece a voz do Senhor e no último instante o próprio Deus impediu Isaque de ser morto em sacrifício. Deus lhe mostrado um carneiro preso pelos chifres entre os arbustos, como está registrado no livro do Gênesis no vigésimo segundo capítulo e décimo terceiro versículo; “tomou Abraão o carneiro e o ofereceu em holocausto, em lugar de seu filho.”
Observe que Deus pediu para Abraão oferecer seu filho a Deus, assim como Deus ofereceria seu próprio Filho em lugar de Abraão.
No décimo segundo capítulo e décimo terceiro versículo do Êxodo, os primogênitos do Egito foram mortos quando Deus enviou a décima praga, os primogênitos do povo de Deus não foram mortos porque um cordeiro foi morto em lugar deles, cujo sangue foi utilizado para marcar a porta das casas dos israelitas.
O profeta Isaías registra em seu livro no quinquagésimo terceiro capítulo, no quinto e sextos versículos, palavras extraordinárias tão profundas retratando o que aconteceria com Jesus Cristo, é como se ele estivesse diante da cruz quando, lei com atenção suas palavras: “Mas Ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas Suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo caminho, mas o Senhor fez cair sobre Ele a iniquidade de nós todos.”
Quando entramos no Novo Testamento encontramos a completa a ideia da substituição feita por Cristo, ao afirmar: “Carregando, Ele mesmo em Seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas fostes sarados.” Encontramos essas palavras em primeira Pedro capítulo primeiro no vigésimo quarto versículo.
Jesus nos substituiu na cruz. A morte de Cristo na cruz foi a nossa morte. Qual nós merecíamos, porém, jamais suportaríamos tamanho sacrifício.
Jesus foi condenado em nosso lugar, a morte de Cristo não foi nenhuma fraude, nem foi resultado de um erro jurídico, Deus nunca erra e seu julgar é perfeito, neste sentido Sua morte foi o cumprimento do propósito de Deus em condenar o pecado, aplicando juízo e justiça contra os condenados.
Imagina o momento que Jesus clamou em alta voz; “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”, este registro encontramos no evangelho segundo Mateus no vigésimo sétimo capítulo, quadragésimo sexto versículo, quão difícil deve ter sido aquele momento. Aquele foi o momento em que Deus deixou Cristo sozinho, experimentando o peso do pecado ‒ Deus Pai virou as costas para o Deus Filho, seu amado Filho, porque estava se tornando condenado em lugar do pecador.
O apóstolo Paulo em sua carta aos Gálatas no terceiro capítulo e décimo terceiro versículo escreve; “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se Ele próprio maldição em nosso lugar – porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro.”
O profeta Moises escrevo o livro de Deuteronômio, no vigésimo primeiro capítulo e vigésimo terceiro versículo encontramos as palavras; “o Seu cadáver não permanecerá no madeiro durante a noite, mas, certamente, o enterrarás no mesmo dia; porquanto o que for pendurado no madeiro é maldito de Deus; assim, não contaminarás a terra que o SENHOR, teu Deus, te dá em herança.”
A condenação de Cristo na cruz foi a nossa condenação.
Jesus é nosso Salvador, O Salvador, a obra de Cristo na cruz foi perfeita, plena, completa. Os nossos pecados foram despedaçados, destruídos, isso significa que a nossa dívida foi paga, quitada, não há mais qualquer débito em nossa conta diante do justo Juiz.
Jesus Cristo foi morto, morreu a morte de Cruz, foi sepultado, mas no terceiro dia Ele ressuscitou, venceu a morte, venceu o mau, venceu as trevas e nos resgatou, Glórias ao Nome do Nosso Senhor e Salvador. A ressurreição de Jesus Cristo e seu retorno para a glória, assentando-se à direita do Pai, garante a nossa ressurreição e nossa ida para a glória eterna. Louvado seja o Senhor!
Mas, para que Jesus se tornasse o Salvador, a cruz era o caminho inegociável, Cristo Jesus sabia disso. Ele não evitou a cruz, não correu da Cruz, muito pelo contrário, Ele foi em direção à cruz.
Nós evitamos a cruz, mas o lugar correto de encontrar o Salvador é na cruz, onde Ele nos substituiu e onde Ele foi condenado em nosso lugar ‒ a cruz é o lugar do encontro com Deus, onde nossos pecados foram pagos.
Tão somente aguardamos o Salvador, esse grande dia, e dia maravilhoso será quando Ele aparecerá entre as nuvens para nos levar à glória eterna com o Pai. Louvado é o Senhor! Que maravilhoso será esse dia.
A carta que o apóstolo Paulo escreve aos Colossenses no segundo capítulo e décimo quarto versículo está escrito; “Tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz.”
Neste sentido de forma extraordinária entendemos que somente aquele que, pela graça de Deus, aprendeu a gloriar-se na morte de Cristo é capaz de verdadeiramente, gloriar-se em sua ressurreição. A cruz e a coroa não podem ser separadas.

Que Nosso Senhor Jesus Cristo abençoe a todos e vivamos para Cristo.

Rev. Cristiam Matos

As pisaduras de Cristo.

Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados” – Is 53.5. 

Quando você lê este texto, o que lhe vem à mente? 

A imagem que possuo de minha infância até a adolescência remete-me ao crucifixo preso atrás do altar católico. Ali vi um Cristo com uma coroa de espinhos, onde da fronte ferida brotavam algumas gotas de sangue; em suas mãos e pés traspassados também havia um pouco de sangue e, por último, um pequeno ferimento logo abaixo das costelas. Enfim, nada que chamasse minha atenção para a intensidade de seu real sofrimento. Nesta época imaginava que o sofrimento estava na crucificação, nos cravos que prenderam Jesus à cruz. Quanta dor Jesus não suportou ao sentir suas mãos e pés traspassados! 

Quando por sua imensa graça Jesus me salvou, tive uma nova visão a respeito do sofrimento do Messias e, consequentemente, das suas pisaduras (manchas decorrentes de um machucado, hematoma). Lendo os evangelhos com a avidez típica de um novo convertido, vi Jesus ser esbofeteado e esmurrado por integrantes do sinédrio, maniatado, levado aos romanos, fustigado com varas, castigado severamente com o látego que lacerou seu dorso; por fim, imaginei as feridas nos ombros, próprias de quem carregou uma tosca cruz, e joelhos esfolados pelas quedas sob tão grande peso. Exaurido em suas forças, com sulcos profundos de onde brotava sangue com alguma profusão, vi um Cristo onde a cruz foi apenas mais um “requinte” de crueldade, a qual tornou-se uma amiga para por fim a tanto sofrimento que deveria durar muito mais. Por isto Pilatos ficou admirado quando Jesus, ao fim do dia, já estava morto (Mc 15.44).  

Jesus sofreu por amor. Amor a Deus e amor ao próximo. Desta forma cumpriu cabalmente os mandamentos e serviu de exemplo para que pudéssemos aprender com seu martírio. Jesus sofreu porque aceitou humildemente o que lhe estava proposto desde a eternidade. Foi uma escolha voluntária, pessoal e intransferível. Ele preferiu obedecer, desejou fazer a vontade do Pai, realizou plenamente sua obra vicária como Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Derramou sua alma diante do Pai e derramou seu sangue – todo – para que nós pudéssemos alcançar a salvação. 

Qual a importância que você dá ao sofrimento de Cristo? Que relação você tem com as pisaduras de Jesus? Pense sobre isto e responda diretamente ao Senhor.

Uma boa e abençoada semana!

 

Rev. Joel