Eu sou.

Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” – Jo 14.6

 

Esta frase de Jesus contém muita informação nas entrelinhas. A primeira delas diz respeito a fazer uma definição de sua própria pessoa ao proferir: “Eu sou”.  Nos lábios de qualquer outra pessoa, iniciar uma frase com estas palavras apontaria para atitudes próprias de caráter pessoal e valores pessoais, como por exemplo: “eu sou cristão”, ou “eu sou acessível”, ou “eu sou bondoso”, ou ainda “eu sou rude”. No entanto, estas palavras ditas por Jesus têm um significado maior, mais profundo, mais antigo, pois remete ao Antigo Testamento, ao encontro de Moisés com Deus diante da sarça ardente, quando Moisés pergunta o nome de Deus e ele se revela dizendo: “Eu sou” (Ex 3.14; Jo 8.58). Mais do que uma definição de caráter, estas duas palavras apresentam Jesus como o Deus verdadeiro, o único Senhor, que era, que é e que há de ser (Ap 1.8). 

Uma vez que Jesus se apresentou como o Deus encarnado, o único e verdadeiro Deus, nada mais justo do que apresentar sua unicidade como caminho para a eternidade, como a verdade preexistente e a vida que dá vida. É por isto que João usa os artigos definidos para expressar que não existe outro caminho, nem outra verdade, muito menos outra fonte de vida. Quanto ao caminho, o livro de Atos dos apóstolos apresenta o cristianismo nascente como uma ramificação do judaísmo com a característica exclusiva de ser a “seita do Caminho” (At 9.22; 19.9, 23; 22.4; 24.14,22). Quanto à verdade, mais do que um princípio filosófico a ser estudado e debatido, Jesus é a encarnação da verdade que se revela e coloca em liberdade (Jo 8.32), verdade que é atribuição do Espírito Santo de Deus (Jo 15.26, 16.13) e do Verbo eterno que santifica (Jo 17.17), verdade que os homens, por mais inteligentes e poderosos que sejam, sem o auxílio divino jamais conhecerão (Jo 18.38). Quanto à vida, foi concedida por Cristo (Jo 1.1-4), sua eternidade está vinculada a Cristo (1Jo 5.11) e é concedida mediante o sacrifício vicário de Cristo (Jo 3.16; Ef 2.5,6; 1Jo 3.16). 

Voltando ao verso inicial (14.6), Jesus diz claramente que não existe outra forma ou meio de chegar-se à presença de Deus além da sua pessoa e obra. Jesus não é uma placa indicativa que aponta e diz: “siga neste caminho que achará seu destino”; sua proposta está mais para uma ponte que liga o homem a Deus e sem a qual seria impossível transpor o rio ou abismo que há entre eles. Podemos imaginar que este rio ou abismo é o pecado e que nenhuma atitude humana seria capaz de construir algo firme e estável para alcançar o outro lado. Basta lembrar-se de Adão e Eva que conheceram o seu pecado, que viram que estavam nus, que tentaram cozer folhas de figueira para “tampar” sua nudez e se deram conta de que isto jamais seria o suficiente para colocá-los novamente diante de Deus. Restava-lhes refugiar-se na mata, longe dos olhos do criador. Porém, sabedor de todas as coisas, Deus viu o pecado do homem e resolveu colocá-lo novamente em sua presença através de um sacrifício, de uma vida inocente, de quem fez roupas para Adão e Eva (Gn 3.7,8 e 21). Este inocente é Cristo Jesus, o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo (Jo 1.29).

Jesus é o grande e único “Eu sou”. Somente ele é capaz de conduzir o homem pecador à presença de Deus e lhe dar vida e vida em abundância (Jo 10.10), vida e vida eterna (Jo 3.36). Isto é a mais pura verdade! Você crê nisto?

Um bom e abençoado dia.

Rev. Joel