Vencendo a Frustração

Muitas pessoas já experimentaram o sentimento de tristeza, talvez, quando um sonho não foi realizado, um planejamento não fora alcançado, ou algum outro motivo. Quando esse sentimento aparece o conhecemos como frustração, normalmente, ocorre quando expectativas não são alcançadas. Quando encontramos esse sentimento em nossas vidas e alguém nos pergunta o que houve, respondemos que estamos decepcionados, desencantos, desapontados, desgostosos, desiludidos ou até mesmo insatisfeitos.

 Na Escritura Sagrada encontramos alguns exemplos de frustração, uma delas está no contexto familiar, Ana, experimentou frustração porque não podia gerar filhos. Seu sentimento de tristeza, fora muito profundo. Elcana era seu marido e fazia de tudo para agradar a esposa, mas todo esforço parecia não obter resultados positivos, no livro de Primeira Samuel no primeiro capítulo e oitavo versículo, encontra-se o relato de Ana: “Ana, por que choras? E por que não comes? E por que estás de coração triste? Não te sou eu melhor do que dez filhos?”. Ela estava frustrada, porque o filho desejado não chegava.

Outro exemplo é Jacó, se casou com a mulher errada, quando conheceu Raquel, ele ficou tão apaixonado que aceitou trabalhar sete anos pelo direito de casar-se com a filha de Labão. Contudo, quando chegou o tempo de receber Raquel por esposa, o pai da moça lhe entregou Lia, a filha mais velha. Imagine a frustração, decepção, quando “ao amanhecer, viu que era Lia” com quem se casou. “ao amanhecer, viu que era Lia. Por isso, disse Jacó a Labão: Que é isso que me fizeste? Não te servi eu por amor a Raquel? Por que, pois, me enganaste?” (Esse registro encontramos no livro do Gênesis vigésimo nono capítulo e vigésimo quinto versículo). Jacó não alcançou de imediato o casamento dos sonhos.

Marta e Maria também sentiram tristeza, frustração, com a morte de Lázaro. Jesus foi avisado da enfermidade de Lázaro, mas levou vários dias para Ele chegar, e quando chegou, Lázaro já estava sepultado há quatro dias. Esse registro encontramos no Evangelho Segundo João décimo primeiro capítulo do vigésimo primeiro ao trigésimo segundo versículo: “Disse, pois, Marta a Jesus: Senhor, se estiveras aqui, não teria morrido meu irmão.”; …. “Quando Maria chegou ao lugar onde estava Jesus, ao vê-lo, lançou-se lhe aos pés, dizendo: Senhor, se estiveras aqui, meu irmão não teria morrido.” Elas estavam frustradas, porque a tão esperada cura do irmão não aconteceu.

Nesses três relatos, todos sentiram-se frustrados, pois a plenitude de satisfação não fora alcançada, Ana não conseguia gerar filhos, Jacó casou-se com a mulher errada, Marta e Maria viram o irmão morrer.

Mas, onde está a origem desses problemas apresentados, para que eles se sentissem frustrados? Como podemos vencer essas frustrações?

Os três relatos apresentados na Escritura Sagrada, mostram que todos focaram a atenção e depositaram suas esperanças em um sonho que podia ou não ser realizado, alcançado, em algo que podia ou não dar certo. E quando não aconteceu como estavam esperando, veio a frustração.

O maior segredo está onde você deposita sua esperança, há uma enorme diferença em depositar a esperança de plenitude de satisfação num sonho que pode ou não se tornar realidade, comparado à plenitude de satisfação a ser encontrada seguramente e plenamente em Deus. 

Quando o foco de sua plenitude de satisfação, passa a concentrar-se em Deus, Jesus Cristo, nosso Senhor e não mais em seus sonhos pessoais, a frustração desaparece.

Ana assumiu o compromisso com Deus de tornar-se bênção para outras pessoas caso Deus lhe desse um filho, e abriu mão do filho por amor ao Reino de Deus. Quando fez isso, a frustração foi embora, conforme está registrado no livro de Primeira Samuel capítulo primeiro e décimo oitavo versículo. “…a mulher se foi seu caminho e comeu, e o seu semblante já não era triste”.

Jacó tornou-se rico e teve uma família grande, tendo se casado também com Raquel, a quem amava, alcançando sucesso no trabalho e na família. Contudo, algo lhe faltava, até que entendeu que mais importante do que qualquer sucesso nesta vida, precisava sentir plenitude de satisfação em Deus. Por isso, lutou com um anjo de Deus, esse registro encontra-se no Livro do Gênesis trigésimo segundo capítulo e vigésimo sexto versículo: “Não te deixarei ir se me não abençoares.” O foco de Jacó passou a ser Deus.

Marta e Maria não compreenderam de início que enfermidade de Lázaro, era para a manifestação da glória de Deus, até o dia em que Jesus chegou, mesmo depois de Lázaro ter sido sepultado há quatro dias, e o ressuscitou.

Que extraordinário entender que ao focar no Senhor essas frustações se vão, à luz disso tudo, concluímos que a frustração se faz presente quando o foco da vida de alguém, está errado, está centralizado num sonho pessoal e que pode ou não ser realizado. Quando a plenitude de satisfação é buscada em Deus e na glória de Deus, no Rei dos reis, Senhor dos exércitos a frustração desaparece, pois Deus preenche e completa os anseios mais profundos do coração e da alma. NEle temos plena satisfação.

O salmista Davi no Livro dos Salmos no décimo sexto capítulo e décimo primeiro versículo encontramos de forma extraordinária onde encontramos a plenitude de alegria. “…na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente.”

Nossa plenitude de alegria está no Senhor! Louvado seja Deus!

Que o Senhor os abençoe ricamente e nosso plenitude de alegria esteja nEle.

Amém!

Rev. Cristiam Matos

Como devemos orar – Mateus 6.5-13

No Evangelho Segundo Mateus, encontramos o ensinamento de como devemos orar. Neste registro Jesus alerta-nos que não se deve orar como os hipócritas. Esse termo tem o significado de fingir, dissimular os verdadeiros sentimentos.

Algumas pessoas e alguns líderes religiosos, queriam ser reconhecidos como “Santos”, a melhor maneira era fazer em pé com voz audível e publicamente. Os homens nunca serão capazes de reconhecer a verdadeira intenção do coração, porém Jesus, conhece.

Jesus ensina a orar sem a repetição de palavras, repeti-las como um mantra ou talvez um jeito de encantamento, não fará com que o Senhor atenda a essa oração. Não está errado repetir as mesmas palavras uma e outra vez, porém a condenação aqui está nas repetições corriqueiras, das quais não saem do coração de uma forma sincera.

Jesus ensina como devemos orar, da forma que agrada ao Pai, ao Seu coração. Observe que as frases têm profundo significa de adoração ao Senhor:

“Pai Nosso que está nos céus”, indica adoração ao Deus trino, majestoso, santo, detentor de todo poder, amoro e o Deus pessoal.

“Venha o Seu reino”, faz uma referência ao reino espiritual, o reino que fora anunciado no pacto com Abraão, presente no reinado de Cristo, no coração de cada crente, e será completado quando a maldade for destruída e Ele estabelecer o novo céu e a nova terra.

“Faça-se a tua vontade”, neste momento estamos dizendo ao Senhor que somos fracos e precisamos dEle, pois a vontade do Senhor é boa perfeita e agradável. Somo falhos e precisamos do direcionamento do Senhor para as nossas vidas. Jesus quando esteve orando antes de ser levado para a cruz, orou dizendo ao Pai, que a Sua vontade se cumprisse. O nosso desejo, deve ser em agradar, fazer a vontade do Senhor.

“Nosso pão cada dia dá-nos hoje”, essa palavra é extraordinária, continuamos reconhecendo que precisamos do Senhor, que somos dependentes dEle, que confiamos em Sua providência. Tudo o que necessitamos será provido por Ele. Estamos reconhecendo que Ele é nosso supremo pastor. 

“Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores”, o perdão é vital na vida do cristão, nós devemos perdoar verdadeiramente aqueles que nos ofendem, que nos causam o mal. O cristão não pode guardar rancor ou mágoa, jamais pode proferir palavras de maldição a alguém. Jesus ensina que devemos perdoar, o maior mandamento que temos, é amar uns aos outros.

“Não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal”, mais uma vez estamos demonstrando nossa fraqueza e dependência do supremo Pastor, suplicamos para o Senhor guarda-nos, socorrer-nos, pois, sem Ele não seremos capazes.

“Pois teu é o reino, o poder e a glória para sempre. Amém!” A oração termina adorando ao Senhor dos Senhores, Rei dos reis, reconhecendo a sua majestade, glória e poder hoje e para todo o sempre. A adoração pertence somente a Ele. Nossa oração deve ser em adoração, louvor e glória ao Senhor.

A maior motivação que temos ao orar, está em adorar ao Senhor, reconhecendo que Ele é nosso supremo pastor, e que tudo o que fazemos é para a glória dEle.

Jesus Cristo venceu a morte, venceu o mau, entregando a sua vida para dar-nos vida. O nosso Senhor vive e está voltando para buscar o Seu povo, um povo exclusivamente Seu. Rendamos glórias ao seu Santo nome.

Que as nossas orações glorifiquem a Jesus Cristo, hoje e para todo o sempre!

Rev. Cristiam Matos

Um pedido que Jesus não atendeu

Um filho faz muitos pedidos ao seu pai, qual avalia a importância e a intenção desse pedido. Um funcionário pede algo ao seu chefe, talvez antes de pedir o que ele gostaria, faz algumas ações qual não é de seu costume. O faz com intenções futuras, para ter seu pedido atendido.

É muito bom e satisfatório sermos atendidos em nossas pretensões, ter correspondido aquilo que pedimos. Talvez algumas pessoas se frustrem ao ter seu pedido negado. Um filho quando quer algo do pai, chama ele de papai querido, faz rodeios, bajula para que seu pedido seja respondido de forma igual ao que ele espera.

A mãe do Santiago e João foi até Jesus e prostando-lhe pediu um favor. A palavra prostrar-se tem o significado de lançar-se ao chão em postura de súplica ou adoração. Ela estava adorando ao Senhor com o seu coração motivado a pedir-lhe algo a Jesus Cristo. A motivação do coração não foi em adoração pelo que Cristo é, mas pelo que ela gostaria de receber.

Esse pedido estava implícito o ego e a vaidade, talvez ela estivesse confundido o reino celestial com o reino terreno, pois isso era um costume da dinastia. Não estou afirmando que ela não tinha fé, se usarmos Mateus 19.28, ela poderia muito bem ter interpretado como um acontecimento terreno.

O texto nos mostra que seu pedido não fora atendido, estamos diante de um texto que nos mostra que o Senhor não atendeu este pedido.

Por que o Senhor não atendeu o pedido?

O Senhor não atendeu ao pedido por ser um pedido ignorante, “Não sabeis o que pedis.” Em várias de nossas orações não sabemos pedir. Paulo diz que não sabe como orar, pedir – Romanos 8.26; Tiago nos exorta quanto ao pedir – Tiago 4.3; Ao orarmos, devemos orar em sintonia com a vontade de Deus. – 1 João 5.14, Jesus orou ao Pai dizendo; Não seja como Eu quero, mas como Tu queres.

A sabedoria e o conhecimento de Deus não permitem que Ele atenda a nossa ignorância.

O Senhor não atendeu o pedido por ser um pedido a vaidoso, “Que no teu reino se assentem um a tua direita e outro a tua esquerda.” A vaidade é um perigo muito grande, ela derrubou Lúcifer, levou nossos primeiros pais para fora do jardim localizado no Édem. Pois se comecem do fruto do conhecimento do bem e do mal, teriam o mesmo conhecimento de Deus. Deus não atende a vaidosos; só dá poder àqueles que estão prontos a glorificá-lo. – Atos 8.18-23; Deus não dá a sua glória ao homem. – Isaías 42.8; 48.11. É necessário que o nosso coração esteja limpo de qualquer vaidade quando pedimos algo a Deus. Às vezes oramos assim; Ó Deus encha-me com o teu Espírito Santo. Mas, continuamos vazios, isto é, porque ainda não há lugar para Deus em nosso coração. A bíblia nos ensina que Deus não aceita uma oração vaidosa. – Tiago 4.6; 1 Pedro 5.5

O Senhor não atendeu por ser um pedido incoerente, os discípulos pleiteavam um direito que não lhes cabia, algo que não pertencia a eles. Nosso pedido a Deus deve ser coerente, temos o dever de reconhecermos a nossa vocação e pautarmos a nossa vida dentro da vontade de Deus. – 1 Coríntios 7.17,20, devemos pedir a Deus que nos ensine a orar. Ao orarmos nossos pedidos devem agradar ao Senhor, sempre agradecer por tudo o que temos, tudo que nos foi dado, o maior milagre é nossa redenção.

Neste sentido nossos pedidos veem de encontro com a vontade de Cristo, para que o Seu nome continue sendo levado a todos os lugares, que nossos irmãos recebem a palavra de vida e bebam da água que mata a sede.

 Que Cristo sempre cresça e nós diminuamos, nossos pedidos não são para nosso benefício, devemos sempre visar o reino dos céus, tudo o que poderíamos receber é a condenação, mas recebemos a salvação. Louvado é o nome de Jesus Cristo.

Avaliemos nossos pedidos, para ver se por acaso se enquadram nos motivos acima porque Deus não os atende.

Oremos conforme a vontade do Pai, Cristo nos ensina a orar, “Que seja feita a vossa vontade”, não devemos orar por vaidade, barganha ou pedidos fúteis, oremos para que o Reino dos Céus e o nome de Cristo Jesus seja glorificado hoje e para todo sempre. Amém!

 

Rev. Cristiam Matos

 

Senhor, usa-me como um intercessor – Ezequiel 22.12-30

O esquecimento de Deus é a causa de todos os pecados de uma cidade ou de um povo. Os pecados de Jerusalém foram elencados como crueldade, idolatria, desprezo aos pais, opressão aos estrangeiros, maus tratos aos órfãos e viúvas, desprezo as coisas santas, profanação do sábado, promoção de intrigas para derramar sangue, tramar perversidade, incesto, adultério, subornos, usura e extorsão.

Agora precisamos fazer uma pergunta: Qual é a origem de tudo isso?

O versículo 12 nos responde; “De mim te esqueceste, diz o Senhor”. Quando não se dá atenção ao que é de Deus, aquilo que Deus ordena, proíbe, aprova, condena, quando não reconhecem seu olhar, poder, juízo, a prestação de contas diante dEle. Isso leva as pessoas a cair em todo o tipo de pecado, lascívia e transgressão. O esquecimento de Deus é a causa de todos os pecados.

No versículo 30 Deus está buscando alguém que tapasse o muro, a expressão no hebraico é “um tapume que tapasse”, as palavras são metafóricas, e essa metáfora foi extraída das vinhas, que costumava ter cercas e tapumes sobre elas para protegê-las de tudo que lhe pudesse causar dano.

Os Judeus eram a vinha de Deus e Ele o tinha cercado e coberto, pois eles eram o jardim de Deus. A cerca, tapume ou muro sobre seu povo era a sua proteção sobre ele.

O tapume qual o Senhor está colocando é a Boa Doutrina, Adoração Pura, Boas Leis, Bons Profetas, Homens de Oração, para preservá-los de todo erro, opiniões corruptas e pagãs, cuja aceitação era um perigo.

Deus forneceu aos Judeus, palavras certas, testemunhos seguros, oráculos vivos, mandamentos fiéis, pelo qual deviam julgar todas as doutrinas e opiniões.

O Senhor coloca que apesar dos muitos graves pecados que abundavam em Jerusalém, se Ele tivesse encontrado algum justo, com oração fervorosa, procurado tapar o muro, como Moisés, que se colocou na brecha, brecha que o pecado ali causara, levantando-se zelosamente contra o mal, buscando a reforma da cidade, Ele não teria prosseguido com os juízos. Se ali tivesse havido um único profeta além de Jeremias, uns poucos sacerdotes, um ou dois príncipes piedoso, umas poucas pessoas de oração, o Senhor não teria prosseguido.

Não é suficiente falar dos homens a Deus, é necessário falar de Deus aos homens. A vida de oração é o balsamo do cristão, mas isso não nos desobriga da responsabilidade da evangelização. Todas as pessoas chamadas por Deus para a salvação são enviadas por Deus a proclamar a salvação. Uma vida de oração produz cristãos que proclamam a palavra de Deus, para a glória de Deus. Cumprindo assim o ide.

Nosso maior exemplo de intercessão é sem dúvida, Jesus Cristo, a bíblia diz que Ele está sempre intercedendo por nós junto do Pai. Durante todo o Seu ministério aqui na terra, Cristo orava especialmente por seus discípulos, para que estivessem prontos para a grande missão de pregar o evangelho.

Em sua última noite com os discípulos Jesus intercedeu, pedindo ao Pai para proteger os discípulos, pedindo que eles vivessem em união, por todos que no futuro iram crer nEle. Para permanecerem todos perfeitamente unidos com Deus e uns com os outros.

Os homens mais ilustres da história sacra, desde as eras mais remotas, foram homens de oração, intercessores fervorosos. Abraão orou por Sodoma, e antes de destruir Sodoma livrou seu sobrinho Ló. Deus estava para destruir a multidão rebelada no deserto, quando Moisés clama aos céus, dizendo, “Agora, pois, perdoa-lhe o pecador; ou se não risca-me, peço-te, do livro que escreveste”.

As grandes intervenções de Deus na história são realizadas em resposta às orações do Seu povo, que ora conforme a vontade do Pai.

Rogo a Deus que inflame nosso coração para sermos intercessores, um verdadeiro reparador de brechas, não deixe esse fogo apagar em seu peito.

Diga ao Senhor, eis-me aqui, usa-me como um intercessor, para a glória do Seu Santo nome.

Quando você se coloca diante de Deus, e pede para Ele usá-lo como intercessor, Ele também o usará como testemunha do evangelho.

Diga ao Senhor, eis-me aqui, usa-me como uma testemunha do evangelho.

Rev. Cristiam Matos

Adorar a Deus – Jó 1.20-22

Jó adora ao Senhor com todas as forças de sua vida, percebemos isso em sua declaração, se Deus deu, Ele pode tomar e continua sendo Deus.

Jó sabia que suas conquistas entre o berço e a sepultura não tinha nenhum valor, pois Deus está acima de todas as coisas.

A sua integridade e retidão o faz servo fiel a Deus, independente dos acontecimentos, ele era fiel ao Senhor.

Esta passagem nos mostra, que em meio as provações e sofrimentos, Deus está ao nosso lado, nos ensina que devemos ser fiéis somente a Ele. Por esse motivo o amor deve ser sincero, com o coração, de forma íntegra, até o final. Glorifique a Deus em todos os momentos e circunstâncias. O adore sempre!

Deus havia feito Jó seu filho através da graça redentora. Cristo Jesus, foi cem porcento homem e cem porcento Deus, em sua forma humana, Ele sente frio, cansaço, dor, é humilhado e tentado de todas as formas.

Cristo Jesus é fiel ao Pai de tal forma que vence as tentações, quando sua morte na cruz se aproxima, Ele pede ao pai, que se fosse possível, que o cálice fosse passado, porém Cristo faz a seguinte declaração, que seja feita a vontade do Pai.

Cristo morre a nossa morte, seu sangue nos lava, Ele é fiel até a morte e morte de cruz.

Nós somos feitos a imagem e semelhança de Deus, como discípulos sejamos fiéis ao Senhor nosso salvador. Nós também somos feitos filhos do Pai, através da graça redentora.

O primeiro capítulo de Jó traz a resposta para nossa pergunta, qual fazemos em algum momento na vida; Qual o significado da fé?

O Significado da fé é adorar a Deus em todas as circunstâncias. O homem temente a Deus tem algumas virtudes em evidência. Ele é integro e reto, de caráter inquestionável, e de retidão diária. Guia pelos caminhos do Senhor a sua família, ensinado, orando e sendo exemplo no lar. Virtude que todo sacerdote do lar deve ter.

Fica um grande desafio para você, adore a Deus, como Cristo Jesus o fez. Pois somos discípulos do Senhor. Não deixe que as circunstâncias lhe afastem dEle.

Que Deus abençoe sua vida.

Rev. Cristiam Matos

Confiar em Deus.

Confiar em Deus – Jó 1.6-19

No início do sexto versículo encontramos o termo filhos de Deus, esta expressão nos remete aos anjos. Eles estavam indo apresentar-se ao Senhor. Aqui estamos perante um concílio celestial, no qual aparece os filhos de Deus, a saber, os anjos e incluindo o adversário. Vamos dizer que o adversário era um inspetor de Deus entre os homens, aqui na terra e o acusador dos homens junto Deus no céu.

Temos a total convicção de que Deus tem todo o poder, tudo está debaixo de sua vontade, nada pode ser feito sem que Deus autorize.

No texto encontramos que o adversário, para fazer o mal à vida de Jó, teve que receber a permissão de Deus. O Senhor ordenou que ele não tocasse na vida de Jó. O Agostinho de Hipona tem razão ao afirmar que Satanás é o cachorrinho na coleira de Deus, ou seja, ele somente vai até onde o Senhor autoriza. Tudo está debaixo dos decretos de Deus, nada foge do controle do Senhor.

Deus se glorifica quando aponta para Jó como a criação da Sua graça redentora. Na parte b do oitavo versículo está escrito, “Ninguém há na terra semelhante a ele”. Este endosso divino, vai muito além da descrição que encontramos no primeiro versículo.

Embora o acusador hostil não consiga encontrar nada na vida visível de Jó, para tentar condená-lo, ele insinua que a aparente devoção do patriarca é de absoluto interesse pessoal. O adversário acusa Jó, afirmando que sua devoção não passa de uma mera barganha.

Ele diz que Jó era um enganador, ele tenta arrancar Jó das mãos de Deus, insinuando que o verdadeiro pai de Jó, era o adversário, pois suas ações não passavam de meros interesses. O enganador dá a entender que Jó adorava a Deus e era piedoso, porque ele tinha boa família, bons animais, grandes riquezas e sua piedade era fraudulenta, fruto de barganha. O adversário ao lançar essas acusações, está dizendo que Deus é muito ingênuo, em acreditar que ele o adorava verdadeiramente. Ele afirma que se Deus tocar em tudo o que ele tem, ou seja, retirar de Jó todas as bênçãos, com certeza ele blasfemaria em tua face.

Satanás tenta empregar algumas inverdades, sobre Jó, primeiro ele não era piedoso, segundo ele não adorava a Deus pelo que Ele é, mas pelo que Ele pode lhe conceder.

Deus ao ouvir as acusações que o adversário faz contra Jó, permite que ele tente a Jó, mas não podia tocar em sua vida. Aqui encontramos algo extraordinário e confortante, uma grande lição para a vida, o Adversário não pode fazer nada, contra ninguém sem que Deus autorize.

Deus em sua soberania, o Rei, Senhor dos Senhores, em sua autoridade e poder, comanda todas as coisas, nada foge do seu controle. Nada acontece sem que Ele saiba, nem um só fio de cabelo cai sem que Deus permita.

O adversário foi autorizado por Deus para vir a terra e tentar a Jó, com a autoridade concedida por Deus, o adversário começa seu plano, para provar que Jó não amava a Deus pelo que Ele era, mas sim pelo que havia recebido de Deus. Então, em um só dia, Jó perde toda a sua riqueza, o adversário ceifa a vida dos animais, de seus sete filhos e suas três filhas e os seus servos. Em um único dia o homem mais rico do oriente torna-se falido.

Nenhuma dessas perdas abala a fé de Jó, pois ele sabia que sendo temente a Deus, ele confiaria no Senhor e desta forma não importando as circunstâncias, ele sempre irá adorar a Deus.

A luz deste texto podemos entender que confiar em Deus, não importa qual a provação nem o momento, é entender que somos dependentes dEle. Todas as coisas aconteceram porque o Senhor autorizou. Confie nEle, Ele está no controle de todas as coisas. O Senhor nunca desampara os seus, Ele está no controle governando nossa vida para Sua glória.

Cristo Jesus, nosso Salvador, é o verbo que se fez carne, e para resgatar-nos deu sua vida por você, Ele sofreu toda sorte de tentação e venceu. Convido você a confiar em Cristo, como seu único Senhor e salvador, Ele disse Eu Sou o caminho a verdade e a vida.

Cristo é o único caminho, confie nEle!

Que Deus o abençoe Ricamente.

Confie nEle!

Rev. Cristiam Matos

Ser temente a Deus.

Ser temente a Deus – Jó 1.1-5

Uz, era a terra natal de Jó, fica em um lugar a leste de Canaã, perto da fronteira do deserto que separa os braços leste e oeste do Crescente Fértil. Era uma região de cidades, fazendas e rebanhos migrantes.

Jó era um homem muito rico, o texto nos aponta as virtudes de Jó, a saber, sua integridade e retidão. Observe que essas virtudes não têm nada a ver com uma vida sem pecado, não se refere à perfeição sem pecado, mas à integridade sincera, especialmente a lealdade para com a aliança. Havia uma harmonia honesta entre a sua profissão de fé e a sua vida.

Jó era temente a Deus, ele tinha, o temor do Senhor, a piedade que havia em Jó era fruto de submissão genuína ao Senhor, diante de quem ele andava em reverência, rejeitando resolutamente o que Ele tivesse proibido. Jó não se utilizava de vãs filosofias nem mesmo tentava utilizar-se de subterfúgios para relativizar os decretos do Senhor.

O texto bíblico nos mostra que Jó era temente a Deus, no Aurélio, o verbo temer significa, ter ou sentir medo de alguém, temer ou ter receio de alguém, preocupar-se, mas isso não significa que tenhamos que ter medo de Deus, mas sim, respeitar e fazer as vontades de Deus.

Aqui quero enfatizar algo muito importante, buscar a Deus por medo de ser condenado ao sofrimento eterno, ou por buscar uma cura específica ou até mesmo por querer alcançar algo, não é respeitar. A motivação do coração, é em respeitar ao Senhor, isso é amar. Fazer a vontade de Deus por medo não é respeitar. Olhe para Jó, ela temia a Deus, desviando-se do mal.

Temer a Deus é andar conforme a vontade do Senhor, Jó era integro, e integridade é o que todas as pessoas podem ver, na sua vida, em sua conduta diante da sociedade, no seu trabalho, nas suas atitudes enquanto profissional, em seu meio familiar, ou seja todas as atitudes que o cerca.

A integridade de Jó é enaltecida na conversa entre Deus e satanás, a sabedoria de Jó proporcionou a harmonia entre sua profissão de fé e a sua vida, o temor ao Senhor o fazia olhar para Deus e temer a Deus.

Atento ao seu Deus nos dias bons e dias maus, Jó fielmente cumpria suas funções de sacerdote dentro da família. Não era um mero formalismo, Jó percebia a raiz do pecado no coração do homem. Não era um mero moralista, ele reconhecia, como a especial revelação redentiva, tornava claro, que não há remissão de pecado sem derramamento de sangue sacrificial.

O Holocausto, embora fosse símbolo da expiação messiânica do pecado, era também um ritual de consagração. Por meio deles Jó dedicava os frutos do progresso no setor da cultura ao seu Criador. Assim a cultura humana alcançava seu devido fim na adoração a Deus.

Neste sentido compreendemos que Integridade é o que todos podem ver, aquilo que está apresentável aos olhos, mas a retidão é você em um local só, com as portas fechadas, em secreto, somente você e Deus. Jó tinha essas duas qualidades, por isso ele fora um homem que agradara a Deus.

Jó não era uma pessoa em público e outra no particular, ele era a mesma pessoa em tudo, assim o cristão deve ser, utilizando da tecnologia podemos usar a seguinte comparação. O cristão não pode ser uma pessoa em frente às câmeras e outra fora delas, um pastor não pode ser uma pessoa no púlpito e outra fora do púlpito. Assim devemos ser íntegros e retos.

Jó era o sacerdote no seu lar, clamava a Deus por seus filhos e filhas, orava e entregava-se ao Senhor, no temor a Ele. Neste sentido os homens devem ser o sacerdote de seu lar, a palavra deve ser ensinada aos seus filhos.

O sacerdote do lar ensina seus filhos no caminho em que deve andar, você como o sacerdote lar deve ser o exemplo, o espelho, a imagem de Deus. O texto nos mostra que Jó orava por seus filhos. Aqui temos um ensinamento grandioso, é nosso dever orar por nossa família, não somente em secreto, mas com eles também.

O homem tem que ser integro e reto, deve ser de caráter inquestionável, e de retidão diária. Essa virtude que todo sacerdote do lar, ou seja, da família deve ter.

Tudo o que Jó possuía, fora Deus quem havia concedido, e Jó sabia disso. Neste sentido aprendemos que tudo o que possuímos hoje, foi Deus quem nos concedeu. Talvez Jó não nasceu em meio a riqueza, ou seja, homem mais rico. A bíblia não nos indica como ele conquistou possuía tantos bens, mas com certeza ele se esforçou muito para ter toda a riqueza.

Tudo o que possuímos tem a ver com esforço do trabalho de cada um, isso é fruto do trabalho de cada pessoa, mas que fique bem claro, foi Deus quem o concedeu.

Jó temia a Deus, ele não era soberbo, avarento, mesquinho ou tentava se prevalecer das situações para obter vantagem, o homem mais rico do oriente era também o mais piedoso entre os homens.

Jó sabia que sem Deus, sua riqueza, seria apenas algo que não tinha valor, pois sem Deus, isso tudo seria inútil em sua vida. A maior riqueza está em obedecer a Deus. Que todos nós sejamos pessoas integras e retas em tudo. Não importa o que você faça, faça tudo para a glória de Deus.

Fazer todas as coisas para a glória de Deus, nos torna temente a Deus nos leva a confiar nEle.

Uma boa semana.

Rev. Cristiam Matos.

 

Atenderam à voz do Senhor

Ageu 1.1-15

O primeiro capítulo do livro do profeta Ageu, dos versículos primeiro ao décimo primeiro, temos o relato do Senhor levantando um profeta para falar com o povo logo após o exílio. O profeta Ageu foi o primeiro profeta a falar depois do exílio, nesta ocasião o povo é chamado para considerar o passado. Deus está exortando o seu povo quanto aos erros do presente. Nesta ocasião Deus convida o povo para refletir sobre os acontecimentos do passado, o porquê eles foram levados para o exílio.

O profeta por intermédio de Deus elenca os pecados do povo; eles estavam preocupados com suas casas e esquecendo da casa do Senhor, o discernimento estava confuso e faziam uma leitura errada do tempo de reconstruir a casa de Deus. A consideração que estavam fazendo do passado estava desfocada, errada, não conseguiam enxergar corretamente. Não tinham satisfação espiritual em suas realizações, semeavam muito, mas colhiam pouco, comiam e não se fartavam, bebiam e não se saciavam, vestiam e não se aqueciam, recebiam salário e o colocavam num saco furado. Não obstante tudo isso, permaneciam paralisados espiritualmente. Podemos destacar que a falta do temor de Deus produziu o relaxamento na vida espiritual. Onde não há temor de Deus, a vida espiritual é enviada ao profundo abismo, ou seja, em decadência continua.

Ageu exorta o povo para ouvir a voz de Deus, após esse momento, o povo ouve a voz de Deus através do profeta, atende a Sua voz com obediência e humilde reverência. O profeta agora torna a falar com o povo, mas a tonalidade de sua fala muda, neste momento temos palavras de ânimo e encorajamento.

         Por esse motivo o tema da nossa pastoral é: Atenderam à voz do Senhor. Ao ouvir a voz de Deus através do profeta, o povo temeu diante do Senhor, eles compreenderam seu pecado, não ficaram no campo da conjectura, encontrando desculpas, o Espírito Santo deu o entendimento. Eles caem em si, por isso agora o povo temeu diante do Senhor.

O temer a Deus significa respeitar e reverenciar a Deus, reconhecendo a sua grandeza e santidade. Temor a Deus não é medo que o faz fugir de Deus, mas é respeito, amor, obediência e adoração a Ele.

A voz de Deus é poderosa e traz encorajamento, por isso duas verdades merecem destaque.

A primeira é que a liderança temeu diante do Senhor, uma liderança que não expressa Deus em sua vida, que não tem Cristo como a primazia de sua vida, não ensina, não alimenta o povo de Deus.

A liderança tem que testemunhar ao Senhor, a Cristo em suas atitudes, decisões e estilo de vida. Uma liderança fraca produz servos fracos, uma liderança negligente produz discípulos negligentes. Os discípulos se parecem muito com seus líderes.

Neste sentido que dizemos somos discípulos de Cristo, a profundidade dessa palavra é muito grande, os líderes têm que se parecer com Cristo. Um discípulo se parece com o seu mestre, e nos momentos de maior dificuldade é que encontramos os líderes que vivem uma vida para Cristo.

O segundo destaque está em, “…e todo o resto povo atenderam a voz do Senhor…, eles ouviram a exortação que estava sendo feita, o Espírito Santo os incomodou a considerar o passado, entenderam que estavam em pecado e então acordaram, limparam suas lentes, focaram no Senhor e atenderam sua graciosa voz. Todo o resto do povo atende ao chamado do Senhor.

A presença de Deus é a melhor benção que nós podemos receber. Esta afirmação podemos fazer porque todas as outras bênçãos estão inclusas com a presença do nosso Senhor.

O povo foi despertado e hoje estamos sendo despertados com essa palavra de encorajamento, Deus trabalha em nós antes de trabalhar por nosso intermédio.

O Senhor deu ânimo e coragem aos dois líderes, esse impacto extraordinário não ficou apenas no coração, mas desceu para as mãos.

Deus despertou o espírito da liderança e dos liderados, então ele se pusera na obra na casa do Senhor.

Meu amado irmão o Senhor está lhe exortando, mas esse exortar é de encorajamento, voltemos nossos olhos para o Senhor. Você está sendo chamado para a obra de Deus.

Se lembre que a presença de Jesus Cristo é a melhor benção que podemos receber.

Ele está presente em nossas vidas! 

Louvado seja Deus!

Rev. Cristia0m Matos

Nas mãos de Deus.

Porque eu, o SENHOR, teu Deus, te tomo pela tua mão direita e te digo: Não temas, que eu te ajudo” – Is 41.13

 

O profeta Isaías registra um momento difícil para os filhos de Deus:  eles estavam com medo dos inimigos que se levantavam contra eles. Os assírios eram guerreiros implacáveis, e suas incursões em terras que não lhes pertenciam eram marcadas por grande violência e mortandade. 

Quero aqui criar um paralelo com nossos dias e dizer que temos um inimigo feroz, que ceifa vidas sem se importar com a idade ou sexo. Quem não tem uma história para contar a este respeito? Qual etnia ou mesmo grupo familiar tem passado incólume? 

No passado, muitos integrantes do povo de Deus recorreram aos ídolos pagãos em busca de proteção sobrenatural, e isto provocou a ira do Senhor; hoje muitos colocam suas esperanças na ciência como se esta fosse, de fato, criar uma redoma tal onde os “imunizados” não morram. 

Não quero polarizar nem polemizar absolutamente nada com este comentário, mas pontuar que nossa fé e esperança deveriam estar firmes no Senhor. Ele é quem dá a vida, e somente ele é quem tem o poder de tirá-la quando lhe aprouver e da forma que bem entender; somente ele pode de fato colocar seus anjos acampados ao nosso redor e nos livrar, assim como somente ele pode permitir que este vírus nos alcance e aflija. 

Se você ler os versos 9 e 10 encontrará algumas informações preciosas que certamente trarão ânimo para sua vida. 1) Deus diz que tomou das extremidades da terra os seus escolhidos, e que não os rejeitou; 2) Deus afirma que está ao lado dos seus; 3) Que por mais ferozes que sejam os inimigos e possam assustar, eles não são mais fortes nem mais ferozes do que o próprio Senhor que está ao lado; 4) Que o Senhor há de dar forças, ajudar e sustentar no calor da batalha com sua destra fiel, isto é, que vai estender sua mão direita e manter os seus amados firmes e seguros.  

Tais palavras em momento algum são falsas, ainda que em meio ao combate os escolhidos possam ser feridos e até mesmo mortos; elas refletem a real e verdadeira situação dos filhos de Deus, que não podem morrer eternamente, mas estão sempre amparados pela benéfica mão do Senhor. 

Sei que o medo tem se instalado em muitos corações. As notícias sobre o aumento da pandemia e o colapso da rede de saúde pública e privada estão cada vez mais alarmantes. Sei que estamos perdendo entes queridos, e nos afligindo por aqueles que apresentam os sintomas de quem foi infectado. No entanto, sei – e você também sabe – que Deus está ao nosso lado em todo o tempo, e não nos abandonará jamais. Somos ovelhas de Jesus e, como ele bem disse: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão” – Jo 10.27-28. 

Estamos nas mãos de Deus. Vamos confiar e descansar no Senhor que cuida de nós. 

Uma boa e abençoada semana.

Rev. Joel

O Deus que responde.

“No dia da minha angústia, clamo a ti, porque me respondes” – Sl 86.7 

 

Um dos privilégios em servir ao Deus verdadeiro é receber respostas para as perguntas levantadas nos momentos de grande aflição. Em meio a tantas deidades que o mundo apresenta e reconhece como reais somente Deus é capaz de responder as orações de seus servos. Para exemplificar recorro ao episódio onde o profeta Elias, no cimo do monte Carmelo, enfrentava os quatrocentos e cinqüenta profetas de Baal e os quatrocentos profetas do poste-ídolo (Aserá – uma deusa babilônica [Astarte] e cananéia [da fortuna e felicidade], a suposta esposa de Baal). Ele lançou um desafio justamente sobre qual Deus respondia as orações e, portanto, era o Deus verdadeiro (1Rs 18.24); seus adversários tentaram de todas as formas alcançar o favor de seus deuses com danças ao redor do sacrifício (v.26), gritos (v.28), e até mesmo derramando o próprio sangue (v.28), mas não obtiveram resposta. Elias zombou deles e das suas orações vazias (v.27). Findo o tempo dedicado a eles, Elias orou ao Senhor e ele respondeu com fogo do céu que consumiu o holocausto, a lenha, as pedras, a terra e secou a água que havia sido despejada sobre o altar. 

O tempo passa, mas a humanidade continua a mesma – decaída e pecadora – sempre em busca de falsos deuses. No tempo da angústia recorrem ao vento e querem ouvir sussurros nas brisas; nós, ao contrário, recorremos ao Senhor. É maravilhoso entender que não precisamos levantar o tom da nossa voz porque nosso Deus não é surdo e nem está longe do nosso clamor; da mesma forma com alegria  reconhecemos que não há necessidade de recorrer a entonações lamuriosas em busca do favor divino porque nosso Deus sabe muito bem do que precisamos antes mesmo que pronunciemos qualquer palavra (Mt 6.32). Nós simplesmente oramos ao Senhor numa conversa respeitosa, leal, sincera e aberta onde colocamos aos seus pés nossa fragilidade, falta de sabedoria e inquietações, e confiamos que Ele há de nos responder em seu tempo e da forma que bem escolher (pode ser pela sua Palavra, por um servo que compartilha a Palavra, por eventos que nos cercam, pelo Espírito que fala ao nosso espírito e confirma que somos filhos de Deus [Rm 8.16]). 

Nosso Deus não nos livra dos problemas e aflições que criamos e nem tampouco daqueles que ele mesmo nos reservou em sua presciência, mas está ao nosso lado o tempo todo, nos ouve com carinho e responde as nossas orações. 

Que diremos à vista destas coisas? Louvado seja Deus a quem recorremos e que responde as nossas orações!

Uma boa e abençoada semana!

Rev. Joel 

 

Igreja em tempos de pandemia.

Caros irmãos em Cristo:

Estes tempos pandêmicos tem exercido grande pressão sobre todas as pessoas. O distanciamento social tem afetado diretamente a saúde emocional e, não poucas vezes, conduzido pessoas à depressão – seja esta leve ou profunda.
A impotência diante da pandemia tem levado as pessoas a reagirem e, em muitos casos, de forma exacerbada e descabida, provocando pânico através de notícias inverídicas sobre um suposto calendário de vacinação ou notícias reais sobre o mau uso da máquina pública que desvia recursos da saúde; estas e outras matérias que são repassadas para polemizar, ainda que bem intencionadas em sua origem, são repassadas sem o devido crivo e sem prospecção de desdobramentos possíveis.
Ultimamente vozes tem se levantado para colocar a Igreja contra o Estado. Líderes denominacionais têm instruído seus membros a reagirem em busca de seus direitos (que julgam ter amparo constitucional) para se reunirem quando e como bem quiserem sob a égide do artigo de “liberdade religiosa”; de forma implícita ou explícita estão instigando à desobediência civil. O pressuposto básico do qual partem para defender esta tese é a de que seus direitos estão sendo cerceados, e que os decretos de restrição para o funcionamento das igrejas são abusivos.
Sem querer entrar no mérito dos “serviços essenciais”, o fato é que as restrições impostas não atingem somente as igrejas, mas também outras atividades como restaurantes, lojas e similares de funcionarem aos domingos. Isto posto, devemos entender as restrições como um esforço governamental para manter a sociedade em pé, e não uma ação deliberada para prejudicar o culto público ou individual. Devemos atentar sempre ao propósito primário que é conter o colapso da rede de saúde (pública e privada) cuja capacidade de atendimento está praticamente esgotada. Certamente você não quer chegar à situação em que um profissional da saúde irá “escolher” se você deve ser atendido ou não, se terá uma chance de recuperação hospitalizado ou irá para sua casa esperar unicamente pela graça do Senhor.
Observe que o problema em questão não é de “perseguição religiosa”, mas sim de saúde física, emocional e espiritual da população em geral. Sem dúvida alguma a fé é um fator preponderante neste momento de crise. Ela não é uma redoma infalível que protege e previne do Covid-19, mas ela é importante para manter a esperança em dias melhores e confirmar em nosso coração que nosso Senhor está cuidando de nós em cada momento; além disto, se formos infectados, a fé não se abalará e se fortalecerá para o enfrentamento deste inimigo real. Por ora devemos lembrar das nossas responsabilidades no trato com o próximo, tanto para não sermos infectados quanto para não nos tornarmos transmissores deste vírus que pode ser letal.
Não há dúvidas que existem pessoas mal intencionadas prontas para aproveitar deste momento para tentar restringir e, quiçá, suprimir os cultos de adoração ao Senhor; no entanto jamais esqueça que tais pessoas são incapazes de prejudicar nosso culto pessoal – aquele que podemos realizar a qualquer momento do dia. Quanto ao culto coletivo temos a liberdade de nos reunirmos pelos meios de comunicação disponíveis. Seria configurada a perseguição se estes meios fossem obstruídos ou impedidos de transmitirem conteúdo religioso – o que não de fato não acontece – e assim devemos entender que a liberdade de expressão religiosa está preservada. Certamente esta é a forma de culto que está ao nosso dispor (e pela qual somos gratos), mas para nós o ideal sempre será o culto presencial (que nosso coração almeja), com abraços, ósculo santo, conversas sem “máscaras”, ministração dos sacramentos, etc.
A pandemia vai passar. Outras vieram e passaram, e esta não será diferente; pode demorar este ano todo ainda, mas vai passar. Debaixo da graça de Deus nós vamos atravessar esta pandemia juntos, fiéis, coerentes, sem ver em cada ação do governo uma perseguição religiosa e dando graças pelos meios que Deus nos concede para prestar-lhe culto.
Um bom e abençoado dia!
Rev. Joel

Descansar no Senhor.

Descansa no SENHOR e espera nele, não te irrites por causa do homem que prospera em seu caminho, por causa do que leva a cabo os seus maus desígnios. Deixa a ira, abandona o furor; não te impacientes; certamente, isso acabará mal” – Sl 37.7-8

 

Ira é algo que arde intensamente dentro do coração. Toma conta dos pensamentos e sentimentos ao ponto de envenenar a alma. Ira é sinônimo de bomba prestes a explodir e é usada para descrever a pessoa de “pavio curto” (ou nenhum pavio) que irá tem um rompante de violência verbal ou física de proporções imprevisíveis. 

Uma pessoa iracunda (dada a rompantes de ira) torna o ambiente ao seu redor em um campo de guerra, com várias minas terrestres prontas para detonar ao menor sinal de pressão. Não é a toa que o livro de provérbios descreve que é melhor morar numa terra deserta do que com a mulher rixosa e iracunda (PV 21.19 – isto serve também para o homem rixoso e iracundo…). 

A ira não traz nada de bom. O primeiro registro bíblico de uma pessoa consumida por este sentimento resultou em homicídio (Gn 4.6); de fato, a ira do homem não produz a justiça de Deus (Tg 1.20). 

É bem verdade que não há como escapar deste sentimento, mas isto não significa que devemos abrigá-lo em nosso coração ao ponto de permitir que ele nos faça pecar (Sl 4.4; Ef 4.26). Não importa se existem razões “lógicas” para a ira, o furor ou a impaciência, o resultado será sempre como o salmista diz: “certamente acabará mal” (v.8). 

A sugestão lógica, prática e sábia do salmista é para descansar no Senhor; é lançar sobre Ele todos estes sentimentos ruins que abrigamos em nosso coração e suplicar para que o Todo Poderoso nos acalme a ponto de não termos do que nos envergonhar das possíveis atitudes e palavras que podem acontecer sob a ação destes sentimentos. 

Colocar todas as nossas esperanças e expectativas em Deus não é uma coisa fácil para fazer, apesar de ser simples. Colocar aos pés do Senhor é reconhecer nossa incapacidade para resolver algumas questões, e também a nossa falta de domínio próprio; recorrer à intervenção divina é o melhor que podemos fazer para as pessoas que estão ao nosso redor e, no fim das contas, para nossa própria saúde emocional e espiritual.

Descanse no Senhor. Tenha confiança de que Ele cuidará de tudo, inclusive dos ímpios e maus. Confie que Ele fará sua justiça prevalecer em tempo oportuno. Coloque seu coração e sua vida nas mãos do Senhor e descanse.

Um bom e abençoado dia!

Rev. Joel