As aflições do justo.

Muitas são as aflições do justo, mas o SENHOR de todas o livra” – Sl 34.19

 

Existem algumas pessoas que tem uma noção totalmente distorcida do que é ser filho de Deus. Vemos que isto não é algo novo, pois no Antigo Testamento os sacerdotes acreditavam que o templo era o sinal visível da presença de Deus e que, enquanto ele estivesse edificado, o povo de Israel seria abençoado e próspero, mesmo se não fossem “tão fiéis” assim ao Senhor. 

Como se chega a esta convicção? Geralmente usando alguns textos específicos que falam da proteção de Deus fora do seu real contexto. Por exemplo: Neste mesmo salmo, no verso 7, encontramos uma das afirmações mais alentadoras: “o anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem e os livra”. É indiscutível a sensação de bem-estar que este verso provoca em nós. Como é bom saber que Deus nos protege desta maneira! É como se ele colocasse uma redoma sobre nós que impede que o mal nos toque, nos ameace, nos ofereça qualquer perigo iminente. Isto leva à conclusão que os “cercados” pela graça não têm com o que se preocupar. O v. 9 afirma que nenhum bem vai faltar aos que buscam ao Senhor; o verso 15 que os olhos do Rei estão atentos, e seus ouvidos abertos para atendem os pedidos dos seus súditos; o verso 22 que o Senhor resgata (compra, toma para si) a alma dos seus servos e que eles não serão condenados! Que maravilha! Porém este salmo tem outros versículos. O verso 4 fala de temores, o verso 6 de aflições e tribulações, o verso 8 deixa implícita a necessidade de se refugiar, isto significa que havia uma perseguição, um perigo iminente e real, os versos 13 e 14 tratam do procedimento esperado daqueles que são filhos de Deus, o verso 15 de que os justos tem necessidades que os fazem clamar, isto é, levantar sua voz pedindo justiça (o que significa que eram alvos de injustiças), o verso 17 fala de muitas tribulações.

Ser um filho de Deus é passar por dificuldades, tribulações e angústias como qualquer outra pessoa. Quando Deus diz que vai “livrar” não significa que irá impedir que tais problemas sobrevenham aos seus escolhidos, mas que é uma promessa pessoal de que estará ao lado e que, no momento certo, fará cessar toda dor, toda tristeza, toda a amargura através do seu amor e do seu cuidado. 

Passar por dificuldades não é uma questão de falta de fé como alguns apregoam por aí. Isto é uma contingência da própria vida, das circunstâncias temporais que passamos e as quais muitas vezes independem da nossa vontade ou mesmo da nossa ação – simplesmente acontecem! O importante é fazer a nossa parte, é permanecer na condição de justos (mais especificamente justificados em Cristo Jesus), é “aceitar” o que o Senhor nos oferece que dói menos; dele vem o nosso consolo, a nossa paz, a certeza de que tudo ficará bem no tempo que ele determinar.

Um bom e abençoado dia!

Rev. Joel

Morada de Deus.

Respondeu Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada” – Jo 14.23

 

A idéia de que Deus mora nos céus e de lá observa a todos os homens é bíblica (1Rs 8.39; 2Cr 20.6; Sl 2.4; 11.4; Ec 5.2; Mt 6.9; Mt 23.9; At 7.55; Ef 6.9; Ap 4.2, 11.19). No entanto, é provável que você tenha ouvido a frase: “atravessei os céus, olhei para os lados e não vi Deus”, que é atribuída a Yuri Gagarin, o primeiro cosmonauta a entrar na órbita terrestre em 1961; se isto é verdade, onde Deus mora?

A primeira informação que precisamos nos lembrar é que nem todas as pessoas conseguem ver Deus. Apesar de terem visão perfeita, não conseguem enxergar a presença de Deus na vida que está ao seu redor, seja ela carnal ou vegetal; também não conseguem ver isto na beleza das montanhas, nem no espetáculo dos céus iluminados nas noites escuras, nem tampouco no sol que brilha durante o dia ou na chuva que rega a terra. Tais pessoas preferem atribuir todas as coisas à obra do acaso, da evolução ou da ação do homem.

Outra informação que devemos considerar é que Deus é espírito (Jo 4.24) e como tal não possui um corpo físico visível, pois é etéreo (definição física: fluído imaterial hipotético que permeia todo o espaço). A doutrina da trindade nos revela que Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito são um só, e em assim sendo, podemos entender que o Espírito de Deus que envolveu e fecundou a terra, e dela vez brotar a vida através de sua Palavra (Verbo divino) era o próprio Deus trino (Gn 1). 

O verso de hoje tem como pano de fundo a instrução de Jesus aos seus discípulos sobre sua manifestação pessoal mediante o amor que a pessoa devota a Jesus através da obediência aos seus mandamentos; quem assim procede é amado por Deus Pai e pelo Deus Filho, e a este – e tão somente a este – Jesus se manifestará como quem de fato ele é (Jo 14.21). O outro Judas (não o Iscariotes) perguntou-lhe de onde procedia esta informação (v.22), e a resposta de Jesus está no texto escolhido de hoje: do amor de Deus. Quem ama ao Senhor e a sua Palavra os têm em seu coração, e revela isto em cada palavra dita, em cada pensamento, em cada ação realizada. Na primeira carta de João ele desenvolve melhor este conceito dizendo: “Aquele, entretanto, que guarda a sua palavra, nele, verdadeiramente, tem sido aperfeiçoado o amor de Deus. Nisto sabemos que estamos nele: aquele que diz que permanece nele, esse deve também andar assim como ele andou” – 1Jo 2.5-6. 

Disse o profeta Isaías: Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos – Is 57.15. 

Concluímos, então, que Deus mora no coração daquele que sinceramente ama a Jesus e os seus mandamentos. 

Deus já fez morada em sua vida?

Um bom e abençoado dia!

Rev. Joel

Amor e obediência.

“Se me amais, guardareis os meus mandamentos” – Jo 14.15

 

A palavra “amor” está tão esvaziada de significado (conteúdo) e significância (valor) que dizer: “eu te amo” é tão fácil quanto falar: “vou ao mercado”. Na cultura atual o convite “vamos fazer amor?” não significa construir uma proposta de relacionamento para a vida, mas apenas para um momento de sexo. Diante disto lhe pergunto: o que “amor” significa para você? Pense um pouco a este respeito. Não tenha pressa e não continue a leitura sem fazer esta reflexão, pois se você não tem uma idéia bem definida sobre o que é amor, como poderá entender o que Jesus quer ensinar aos seus discípulos? Como poderá criar intimidade com Deus que é amor? (Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor – 1Jo 4.8).

Na bíblia, amor é muito mais do que um sentimento: é uma disposição mental, fruto de um desejo profundo e sincero de dedicar-se à alguém ou deidade ou objeto (p.ex.: amor ao dinheiro). Desta disposição decorrem duas atitudes que estão interligadas: pertencimento e comprometimento; a primeira manifesta a devoção, o propósito de servir àquilo que escolheu como objeto de seu amor por livre vontade, e a segunda revela a intensidade da relação que estabeleceu para si mesmo. 

Quem lê a Palavra entende perfeitamente que Deus é amor em sua forma mais sublime. Ele amou sua criação; amou e por isto escolheu a nação de Israel para ser seu povo santo; amou seus eleitos desde a eternidade e se dispôs a fazer o necessário para salvá-los: encarnar e morrer numa cruz. Deus ama de forma completa, absoluta e profunda. Quem sabe o que é amor entende o que Jesus queria dizer quando falou: “Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos” (Jo 15.13)´; quem não sabe o que é amor fica preso sem ao menos se dar conta daquilo que seu coração escolheu para servir. Quantas pessoas amam tanto o seu próprio trabalho que sacrificam tudo por uma promoção? Horas de lazer ou descanso, casamento, filhos, saúde pessoal…, nada importa mais do que o trabalho. Seguindo esta mesma linha de raciocínio, quantas pessoas amam seus vícios nesta mesma proporção? Quantas amam seus bens? Amam, mas não admitem; são escravas, mas se sentem plenas no exercício do seu amor; esquecem que onde está o coração está também o “deus” a que se dedicam e se entregam.

Não existe amor verdadeiro sem dedicação e entrega. Afirmar que ama a Deus sem se dispor a cumprir os seus mandamentos é ser mentiroso e desonesto não só com o Senhor e seu reino, mas consigo mesmo. Engana-se aquele que pensa que amar a Deus é ter por ele somente algum sentimento. Não há pertencimento sem o devido comprometimento assim como não existe amor onde não há dedicação. Jesus disse aos seus discípulos que o amor que diziam devotar-lhe deveria ser acompanhado de obediência –  uma atitude concreta que revelaria a posse e engajamento; e isto nos leva a uma pergunta muito pessoal: realmente amamos a Jesus?

Um bom e abençoado dia. 

Rev. Joel