Mediante a Fé

Blog IPJ

A carta que o Apóstolo Paulo escreve aos Romanos no quinto capítulo nos versículos primeiro e segundo, trata sobre a fé em Cristo Jesus. O apóstolo Paulo escreveu treze epístolas do Novo Testamento. Ele era filho de uma família judaica da tribo de Benjamim, que gozavam dos privilégios da cidade romana, ao nascer, recebeu o nome de Saulo (do hebreu), que mais tarde alterou para Paulo (do latim), depois da conversão e do batismo. Paulo foi alcançado por Cristo Jesus a caminho de Damasco, ele estava perseguindo os cristãos. Cristo retira a visão de Saulo, pergunta a “ele porque me persegues”. Jesus ordena a Ananias para ir ao encontro de Saulo, ao chegar lá Ananias impôs suas mãos sobre a cabeça de Saulo e ele recupera sua visão, após Cristo o alcançar, Paulo inicia seu trabalho itinerante, pregando, ensinando que em Cristo Jesus temos paz, em Cristo Jesus somos justificados, em Cristo Jesus somos perdoados.

O apóstolo Paulo demonstra essa paz e confiança em Cristo Jesus, ao passar pelas tribulações, encontramos esse testemunho de confiança de Paulo a Cristo Jesus. A saber segue apenas algumas dessas situações: 1) Teve de descer em um cesto para fugir de uma prisão: Em 2Coríntios 11.32-33, relata que Paulo teve que ser içado por uma janela de uma muralha como se fosse um criminoso fugitivo, a fim de escapar do apetite voraz de governantes injustos que queriam a sua cabeça. 2) Foi expulso de Antioquia: Em Atos 13.50-51, vemos uma conspiração entre os judeus, mulheres e homens de alta posição da cidade para expulsar Paulo da cidade pelo simples fato de expor o evangelho naquele lugar e estar havendo conversões. 3) Foi apedrejado quase até a morte em Listra: Em Atos 14.19, encontramos Paulo sendo arrastado por uma multidão para fora da cidade e foi apedrejado por essa multidão e, provavelmente, tenha desmaiado, fato este que fez a multidão achar que ele estava morto. 4) Na Macedônia foi açoitado, preso e amarrado com os pés em um tronco: Em Atos 16.23-24, Paulo foi preso porque expulsou um demônio de uma jovem adivinhadora que dava muito lucro aos que a exploravam. Por isso, foi açoitado, lançado na cadeia e teve seus pés amarrados em um tronco. 5) Foi perseguido pelos judeus de Tessalônica porque pregou em Bereia: Em Atos 17.13-14 vemos que Paulo sofre perseguição dos próprios judeus, devido ter pregado em uma sinagoga em Bereia. Por causa disso, mais uma vez, teve de fugir desses judeus que queriam a sua morte. 6) Pregou contra outros deuses em Éfeso: Em Atos 19.23-26 alguns ourives, temendo ficar sem seu lucro por produzirem imagens de deuses para adoração, incitaram grande tumulto contra Paulo e outros discípulos, o que fez a estadia de Paulo nessa cidade ainda mais perigosa. 7) Em Jerusalém ele foi acusado injustamente de ter levado um grego ao templo e, por isso, é perseguido e quase é morto: Esse registro encontramos em  Atos 21.27-31, novamente os judeus fazem uma grande confusão por deduzirem que Paulo teria profanado o templo levando um grego (Trófimo) até lá. Eles incitam as pessoas e Paulo é arrastado para fora do templo, espancado e quase é morto pela multidão. 8) Preso e enviado a Roma, sofre um naufrágio em Mileto: Esse registro encontramos em Atos 27.13-20, Paulo foi injustamente preso, levado de navio até Roma, onde teria uma audiência sobre sua prisão injusta. No caminho, o navio deles sofre um grave naufrágio devido a uma tempestade. 9) Na ilha de Malta ele é picado por uma cobra venenosa: Em Atos 28.3, vemos que, após se recuperar do grave naufrágio, Paulo é picado por uma cobra venenosa que estava escondida entre os gravetos que ele pegava para fazer uma fogueira.

O apóstolo Paulo, passou por grandes lutas, porém em todas as circunstâncias, sempre glorificou ao Senhor. Sua fé em Cristo Jesus lhe dava Paz com Deus, esperança e reconciliação. Ele deixou claro que a justificação é um ato exclusivo de Deus, argumentou que a justificação pela fé não é uma novidade, mas uma verdade já presente na antiga dispensação e demonstrada na vida de Abraão, o progenitor da nação israelita e pai de todos os que creem, tanto judeus como gentios. Paulo mostrará os benefícios que emanam da justificação quanto ao passado, presente e futuro. Todos os que têm esta nova vida em Cristo estão livres da ira (capítulo 5), livres do pecado (capítulo 6), livres da lei (capítulo 7) e livres da morte (capítulo 8) de Romanos. As bênçãos da doutrina da justificação pela fé, culminam na Paz com Deus, Alegria no Sofrimento e na Alegria em Deus.

Nos versículos primeiro e segundo encontramos o apóstolo Paulo tratando da paz com Deus. A paz com Deus é uma bênção ligada ao passado. Trata-se de algo que já aconteceu. Não é a paz de Deus encontrada em Filipenses 4.7, mas a paz com Deus. Paulo está tratando de forma mais profunda, está tratando do relacionamento com o Senhor, é a paz da reconciliação com Deus. Por intermédio do sacrifício de Cristo, a barreira que nos separava de Deus foi destruída. Não somos mais filhos da sua ira, mas filhos do seu amor. A paz com Deus é uma bênção passada, consumada no ato de nossa justificação, o acesso à graça da justificação é um privilégio presente e contínuo. Por meio de Cristo temos acesso a esta graça na qual estamos firmes. Somos aceitos, apresentados como filhos, herdeiros, cidadãos do reino do céu, é a permissão de entrada na presença de um Rei mediante o favor de outrem. Jesus nos introduz na presença de Deus, abre-nos as portas à presença do Rei dos reis, e encontramos a graça, a imerecida bondade de Deus. O único passaporte para esse glorioso lugar é a fé. A paz com Deus refere-se ao efeito imediato da justificação, o acesso à graça diz respeito ao efeito contínuo da justificação, e a esperança da glória se relaciona ao efeito final da justificação. A paz nos convida a olhar para trás, para a inimizade que acabou. A graça nos faz olhar para o nosso Pai, sob cujo favor agora permanecemos. A glória, olhamos adiante, para o nosso objetivo final, até o momento em que veremos e refletiremos a glória de Deus, a glória que é o objeto de nossa esperança.

Hoje podemos encontrar no Senhor a plenitude de alegria, Cristo mostra que no sofrimento encontramos paz, essa paz encontramos no Senhor. Um cântico muito lindo remete a essa paz, quando o autor escreve; “Essa paz, que sinto em minha alma, não é porque tudo me vai bem, não, não é. Essa paz que sinto em minha alma é porque eu amo ao meu Senhor. Não olho as circunstâncias, olho só o seu amor, seu grande amor, não me guio por vista, alegre estou.” A paz com Deus traz em nossas almas o gozo e a alegria de viver somente para Cristo Jesus. Essa paz encontramos apenas em Cristo.

Já não há condenação para aqueles que amam ao Senhor, vivem para o Senhor, glorificam ao Senhor. Talvez você esteja sem paz, não encontre a plena alegria, quero convidar você a orar ao Senhor, confiar em Cristo Jesus, suplicando ao Pai para que conceda a Fé em Cristo Jesus. Mediante a Fé todos encontraremos a Paz com Deus.

Que o Senhor abençoe ricamente sua vida. Que a paz esteja com todos hoje e para todo sempre.

Que o Senhor o abençoe!

Rev. Cristiam Matos

A Agenda para 2020 está quase pronta!

Em Fevereiro todos os eventos já estarão agendados e você poderá visualizar por aqui.