João 14.1 a 14 – Fé em Jesus

photo-1530688957198-8570b1819eeb

Qual o benefício imediato da fé em Cristo? Para quem não crê, aparentemente não há uma diferença a ser considerada. Não acreditar em Jesus não muda o seu dia a dia, não muda seus relacionamentos, não muda nada que seja significativo aos seus olhos. Porém, também não muda nada interiormente: a sensação de vazio espiritual permanece constante, a sinalização mental de que algo está errado continua, o medo da morte cresce a cada dia, semana, mês e ano que passa. 

A palavra de Jesus aos seus discípulos é direcionada exatamente a este medo que está presente tanto nas incertezas da vida quanto na proximidade da morte. Crer em Deus Pai e no Deus filho produz uma imediata e gostosa sensação de paz (v.1). O medo do além, do pós-morte dá lugar a certeza de que há um lugar preparado pelo próprio Senhor Jesus, com o nome daquele que crê (v.2).

Fé é algo racional, que tem fundamento bíblico e teológico, e que transcende a realidade material que vivemos. É somente pela fé que acreditamos e descansamos nas palavras de Jesus que prometeu este lugar de encontro e permanência (v.3). 

Fé também é instruidora, preparadora, capacitadora. É pela fé que o eleito tem sua rota marcada, sua jornada estabelecida, seu caminho escolhido (v.4), o mesmo caminho que foi determinado e revelado por Jesus.

Sempre tem alguém que é meio desatento, que ouviu a mensagem, mas não a compreendeu totalmente, que tem menos capacidade de entendimento. Tomé – também conhecido por Dídimo – parece ser o mais lerdo e alienado dos discípulos nesta questão de fé. Depois da ressurreição, Jesus apareceu aos discípulos uma primeira vez, mas Tomé não presenciou. Quando os outros testemunharam que viram a Jesus, Tomé usa da palavra e diz que só irá crer de fato se ver o lugar dos cravos e o lado ferido de Jesus (Jo 20.25-29 – leia porque é interessante). Estas palavras de incredulidade redundam num poderoso ensino de Jesus onde ele afirma claramente: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” (v.6); em outras palavras, é só seguir a Jesus, confiar em Jesus, viver como Jesus para chegar-se a Deus.

Pela fé conhecemos a Deus. Fé que nos conduz à intimidade com o Filho e, consequentemente com o Pai (v.7). É triste saber que alguns cristãos sinceros ainda não possuem um relacionamento sério e comprometido com Jesus. Filipe, que era da mesma cidade de Pedro e André (Jo 1.14), que acreditava que Jesus era o Messias (Jo 1.45), que foi arguido por Jesus sobre onde comprariam pães para alimentar as multidões (Jo 6.5), este mesmo Filipe que andou, falou e viveu ao lado de Jesus queria ver a Deus. Quantos cristãos querem ver a Deus e não o enxergam Jesus como Deus encarnado… Os versos 9 a 11 são dirigidos à Filipe, para abrir seus olhos, seu entendimento, alargar os horizontes de sua fé tão estreita.

Pela fé é possível realizar grandes obras; obras que vimos Jesus fazer. Obras de justiça, obras de ensino, obras de libertação das trevas, obras de restauração física, mental e espiritual, obras que constroem com boa fama o reino de Deus que Jesus inaugurou. Além delas fará outras até maiores, porque terá auxílio direto do Senhor Jesus (v.12). Fé e obras andam juntas e são inseparáveis (Tg 2.26). 

Pela fé as orações são atendidas. Orações que são fruto da vida que é operosa, que encontra dificuldades na realização das obras de Deus, que pede capacitação espiritual para resolver tais imbróglios. Orar em nome de Jesus é um ato de fé que vem da certeza de que ele nos ouve, da certeza de que ele será glorificado como resultado último, que ele está ao nosso lado sempre (v.13-14). 

Um bom e abençoado dia!

Rev. Joel.

A Agenda para 2020 está quase pronta!

Em Fevereiro todos os eventos já estarão agendados e você poderá visualizar por aqui.