Igreja Presbiteriana de Joinville – Entre avanços e retrocessos

No dia 30 de agosto comemoramos 84 anos de organização desta igreja. 

Tudo começou com a chegada do Presb. Fernando Nunes Santana e família em 1921. Foi na casa dele que as primeiras reuniões de estudos bíblicos e orações iniciaram. Eles abriram as portas de seu lar e acolheram as primeiras que o Senhor escolheu: João Bernardino da Silveira e José Marcos de Freitas, com suas respectivas famílias; e assim surgiu a Escola Bíblica Dominical para crianças e também os cultos regulares. 

Em 30 de abril de 1923 cresceram o suficiente para sair da condição de “ponto de pregação” para “Congregação Presbiterial” organizada pelo então Presbitério do Sul.

O primeiro pastor a atender este novo campo foi o Rev. Palmiro Rugeri, que o fez em dois períodos distintos – 1923-1924 e 1928-1937, perfazendo 9 anos de cuidado pastoral. É bem verdade que missionários americanos visitaram o trabalho antes disto: Roberto Frederico Lenington, George Landes Bieckerstapf, e A.C. Conrad. Além destes, pastoreou esta congregação, por breve período, o Rev. Harold Cook. Além disto, esta florescente comunidade presbiteriana contou com a visita dos Revs: Antônio Marques da Fonseca Júnior, Agenor Mafra, Parísio Cidade, Floyd Soevering, Martinho Rickli e Adolfo Anders.

Em 30 de agosto de 1937 o Presbitério organizou a congregação em igreja, onde foram eleitos os primeiros oficiais: Fernando Nunes Santana e João Bernardino da Silveira, e diáconos os irmãos José Marcos de Freitas e Raulino Torrens. Naquele momento a igreja possuía 49 membros comungantes, 47 não comungantes e 76 alunos matriculados na Escola Dominical. O primeiro pastor efetivo foi o Rev. Adolfo Anders.

11 anos depois (1948), sem apresentar nenhum crescimento significativo (contava com 43 comungantes e 64 não comungantes), a igreja retornou à condição de Congregação Presbiterial por não ter condições em manter suas obrigações eclesiásticas. Somente em 31 de maio de 1953 a Congregação foi reorganizada em igreja com tímido rol de membros composto por 32 comungantes e 31 não comungantes.

De 1953 para nossos a igreja vem se esforçando para crescer e se firmar como uma igreja sólida, capaz de manter-se e ajudar outras a se estabilizarem. Pela graça de Deus substituímos o templo antigo – menor e com problemas estruturais – para o que hoje utilizamos. Nosso Conselho é formado por homens de Deus, capacitados pelo Espírito, servos de Jesus Cristo, dispostos a trabalhar com amor e alegria pelo reino. 

Quanto ao crescimento, internamente contamos com 199 comungantes e 50 não comungantes; quanto ao crescimento do presbiterianismo na cidade, somos três igrejas (Central, Antioquia e Jardim das Oliveiras) e uma congregação (Vila Nova). Ver estes números nos faz corar de vergonha. Joinville certamente possui mais de 700 mil habitantes, e não somos 500 presbiterianos nesta cidade. 

Precisamos mudar esta realidade. Está na hora de reunirmos forças e recursos humanos e financeiros para abrir novos pontos de pregação e congregações, e confiarmos na bondosa mão do Senhor que há de nos sustentar e acrescentar, dia a dia, os que serão salvos (At 2.47). Vamos abrir a porta dos nossos lares e corações para abrigar pequenos grupos de estudo, verdadeiros núcleos que poderão se tornar em congregações num futuro próximo e mais tarde em igrejas organizadas. Quem sabe alguém não vai contar a história da igreja que começou em seu lar…

Que o Todo Poderoso abençoe ricamente a sua vida.

Rev. Joel Lemes

 

Histórias da história! Atenderam à voz do Senhor

Ageu 1.1-15

O primeiro capítulo do livro do profeta Ageu, dos versículos primeiro ao décimo primeiro, temos o relato do Senhor levantando um profeta para falar com o povo logo após o exílio. O profeta Ageu foi o primeiro profeta a falar depois do exílio, nesta ocasião o povo é chamado para considerar o passado. Deus está exortando o seu povo quanto aos erros do presente. Nesta ocasião Deus convida o povo para refletir sobre os acontecimentos do passado, o porquê eles foram levados para o exílio.

O profeta por intermédio de Deus elenca os pecados do povo; eles estavam preocupados com suas casas e esquecendo da casa do Senhor, o discernimento estava confuso e faziam uma leitura errada do tempo de reconstruir a casa de Deus. A consideração que estavam fazendo do passado estava desfocada, errada, não conseguiam enxergar corretamente. Não tinham satisfação espiritual em suas realizações, semeavam muito, mas colhiam pouco, comiam e não se fartavam, bebiam e não se saciavam, vestiam e não se aqueciam, recebiam salário e o colocavam num saco furado. Não obstante tudo isso, permaneciam paralisados espiritualmente. Podemos destacar que a falta do temor de Deus produziu o relaxamento na vida espiritual. Onde não há temor de Deus, a vida espiritual é enviada ao profundo abismo, ou seja, em decadência continua.

Ageu exorta o povo para ouvir a voz de Deus, após esse momento, o povo ouve a voz de Deus através do profeta, atende a Sua voz com obediência e humilde reverência. O profeta agora torna a falar com o povo, mas a tonalidade de sua fala muda, neste momento temos palavras de ânimo e encorajamento.

         Por esse motivo o tema da nossa pastoral é: Atenderam à voz do Senhor. Ao ouvir a voz de Deus através do profeta, o povo temeu diante do Senhor, eles compreenderam seu pecado, não ficaram no campo da conjectura, encontrando desculpas, o Espírito Santo deu o entendimento. Eles caem em si, por isso agora o povo temeu diante do Senhor.

O temer a Deus significa respeitar e reverenciar a Deus, reconhecendo a sua grandeza e santidade. Temor a Deus não é medo que o faz fugir de Deus, mas é respeito, amor, obediência e adoração a Ele.

A voz de Deus é poderosa e traz encorajamento, por isso duas verdades merecem destaque.

A primeira é que a liderança temeu diante do Senhor, uma liderança que não expressa Deus em sua vida, que não tem Cristo como a primazia de sua vida, não ensina, não alimenta o povo de Deus.

A liderança tem que testemunhar ao Senhor, a Cristo em suas atitudes, decisões e estilo de vida. Uma liderança fraca produz servos fracos, uma liderança negligente produz discípulos negligentes. Os discípulos se parecem muito com seus líderes.

Neste sentido que dizemos somos discípulos de Cristo, a profundidade dessa palavra é muito grande, os líderes têm que se parecer com Cristo. Um discípulo se parece com o seu mestre, e nos momentos de maior dificuldade é que encontramos os líderes que vivem uma vida para Cristo.

O segundo destaque está em, “…e todo o resto povo atenderam a voz do Senhor…, eles ouviram a exortação que estava sendo feita, o Espírito Santo os incomodou a considerar o passado, entenderam que estavam em pecado e então acordaram, limparam suas lentes, focaram no Senhor e atenderam sua graciosa voz. Todo o resto do povo atende ao chamado do Senhor.

A presença de Deus é a melhor benção que nós podemos receber. Esta afirmação podemos fazer porque todas as outras bênçãos estão inclusas com a presença do nosso Senhor.

O povo foi despertado e hoje estamos sendo despertados com essa palavra de encorajamento, Deus trabalha em nós antes de trabalhar por nosso intermédio.

O Senhor deu ânimo e coragem aos dois líderes, esse impacto extraordinário não ficou apenas no coração, mas desceu para as mãos.

Deus despertou o espírito da liderança e dos liderados, então ele se pusera na obra na casa do Senhor.

Meu amado irmão o Senhor está lhe exortando, mas esse exortar é de encorajamento, voltemos nossos olhos para o Senhor. Você está sendo chamado para a obra de Deus.

Se lembre que a presença de Jesus Cristo é a melhor benção que podemos receber.

Ele está presente em nossas vidas! 

Louvado seja Deus!

Rev. Cristia0m Matos

Feliz dia das Mães.

A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador, porque contemplou na humildade da sua serva. Pois, desde agora, todas as gerações me considerarão bem-aventurada, porque o Poderoso me fez grandes coisas. Santo é o seu nome. (Lucas 1.46-49)

A todas as mulheres que como Maria receberam a benção de serem mães, seja de sangue ou do coração, desejamos um Feliz dia das Mães.

Dia do Pastor Presbiteriano.

Hoje 17 de dezembro comemoramos o Dia do Pastor Presbiteriano.

Queremos agradecer a Deus pela vida do nosso querido Rev. Joel Lino Lemes e aproveitar para dar as boas vindas ao Rev. Cristian Matos que está chegando para auxiliar nossa igreja.

Que vocês permaneçam firmes na fé e na caminhada com Deus.

Teatro e Coral Infanto Juvenil – Em Busca do Senhor